Quarta-feira, 26 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1006
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO > BRASILEIROS DEPORTADOS

Passagem de volta Espanha-Brasil

Por Luciano Martins Costa em 07/03/2008 na edição 475

Os jornais brasileiros reagiram com cautela à deportação indiscriminada de brasileiros por autoridades espanholas. Apesar de o embaixador espanhol no Brasil, Ricardo Peidró, ter se queixado que o problema diplomático estaria sendo superdimensionado pela imprensa, o fato é que as reações da mídia nacional têm sido até comedidas.


Dos principais jornais brasileiros, apenas O Globo afirma, em manchete, que ‘Expulsão de brasileiros abre crise com Espanha’. Não consta, por exemplo, qualquer cogitação de medidas recíprocas que venham a incomodar o fluxo de capitais entre a Espanha e o Brasil.


O tom da crise foi dado pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, ao considerar que os espanhóis não podem ‘comer o bolo todo, o tempo inteiro’. Ele estava se referindo ao fato de que a Espanha é o segundo maior investidor no Brasil, com cerca de 1 bilhão e 600 milhões de dólares aplicados até agosto de 2007, observando que o tratamento dado aos brasileiros é incompatível com as relações de negócios entre os dois países.


O ministro adiantou que qualquer mudança de atitude do Brasil com relação ao tratamento de viajantes internacionais vai se aplicar a toda a União Européia, e não apenas à Espanha.


Turismo sexual


Os espanhóis são os novos-ricos da Europa, têm eleições gerais neste domingo, e a questão da imigração tem freqüentado os debates eleitorais. Ainda nesta semana, a imprensa internacional refletiu preocupações de autoridades européias com o aumento do racismo e da xenofobia na Espanha.


Empresas espanholas têm sido acusadas de comportamento arrogante na América Latina, o que já motivou preocupações na embaixada espanhola em Brasília. O recente episódio do ‘por que no te callas?’, entre o rei da Espanha e o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, não ajudou a mudar essa imagem de arrogância.


A chancelaria espanhola afirma que a decisão de deportar brasileiros foi da polícia aeroportuária, e não o resultado de uma política oficial. Os jornais informam que as mulheres são mais visadas, por causa do grande número de prostitutas brasileiras na Europa.


A imprensa não faz relação entre um fato e outro, mas a ação da Polícia Federal do Brasil contra o tráfico de mulheres é chamada de ‘Operação Madri’, porque os aliciadores são quase todos espanhóis. Na quinta-feira (6/3), segundo o Globo, a Polícia Federal mandou de volta oito espanhóis que tentavam desembarcar em Salvador.


A imprensa brasileira poderia aproveitar o tema e cobrar do governo uma ação mais efetiva contra o turismo sexual de europeus, que campeia nas praias do Nordeste.

Todos os comentários

  1. Comentou em 09/03/2008 Emilia Vercesi

    O Brasil nao tem mais como fechar os olhos ao preconceito sofrido pelos compatriotas em alguns paises da Uniao Europeia, principalmente Espanha, Inglaterra e Portugal. E vergonhoso que os grandes devastadores das Americas pensem que ate hoje tem paises como o nosso apenas para deleite comercial e turismo sexual. Se o Brasil impuser respeito e mostrar o seu valor vamos ver se nao respeitam. Se tem bandidos brasileiros la, que ponham na cadeia, e nao venham com essa de punir todos.

  2. Comentou em 09/03/2008 Emilia Vercesi

    O Brasil nao tem mais como fechar os olhos ao preconceito sofrido pelos compatriotas em alguns paises da Uniao Europeia, principalmente Espanha, Inglaterra e Portugal. E vergonhoso que os grandes devastadores das Americas pensem que ate hoje tem paises como o nosso apenas para deleite comercial e turismo sexual. Se o Brasil impuser respeito e mostrar o seu valor vamos ver se nao respeitam. Se tem bandidos brasileiros la, que ponham na cadeia, e nao venham com essa de punir todos.

  3. Comentou em 09/03/2008 alfredo sternheim

    Quantos comentários pseudo-moralistas, altivos, arrogantes alguns. O que aconteceu na Espanha independe da questão de muitas irem para lá para serem prostitutas. Isso é outro assunto que a Espanha tem que resolver, basta não querer elas lá transando. O que aconteceu, seguidamente foi um tratamento radical e desrespeitoso aos viajantes brasileiros, muitos em transito. Sem essa do engenheiro exibido dar lições de como se comportar e considerrar nacionalismo bobo: eles não consideraram a presenção da inocência, das boas intenções de viagem. A cientista que ia para um congresso provou a que vinha e no entanto foi humilhada e mandada de volta. Os estudantes com destino a um congresso em Lisboa idem. O comerciante em transito para Paris, idem. Eu entrei na Europa como turista, via Paris, só me pediram passaporte, passagem de ida e volta, cartão de crédito internacional e pronto, numa boa. As autoridadees espanholas foram arrogantes, trataram mal os basileiros e nossos diplomatas deveriam ter ido ao aeroporto exigido ver como erma as condições dos brasiloeiros que pela descrição deles era terrível. O o embaixador da Espanha, país que tem muitas empresas por aqui (algumas tratam mal o consumidor) deveria pedir desculpas pela exorbitância autoritária e indenizar os passageiros que, injustamente, retornaram. E a imprensa deveria verificar aqui como os consulados age e informarm

  4. Comentou em 08/03/2008 mario jansen

    Morei na Europa de 1978 até 1989 , conheci muitos brasileiros vivendo pelos vários países por onde passei e trabalhei , nenhum(a) era bandido ,traficante ou assasino. Todos estavam trabalhando, vou repetir, TRABALHANDO. Não é correto brasileiros que vão para trabalhar , ainda que seja como prostitutas, serem tratados como meliantes por um povo que deveria ter eterna gratidão por ter sido muito bem acolhido no tempo das suas vacas magras.Reciprocidade não é vingança, é norma diplomática.

  5. Comentou em 08/03/2008 alfredo sternheim

    Revolta Jeca? O administrador Lunes que escreveu aqui, pelo jeito despreza os direitos humanos. E os direitos humanos de vários (bota vários nisso) foram desrespeitados de forma autoritária por reprsentantes do governo da Espanha em Madri, por policiais estúpidos. O país tem o direito de recusar entrada de certas pessoas? Tem, mas por base em regras bem claras, legítimas, e não por livre arbítrio. Não se trata de xenofobia como quer o administador Lunes, mas sim indignação pelo tratamento grosseiro dado aos brasileiros no aeroporto de Barajas (pão e água, incomunicabilidade, etc). Alguns deles estavam só em tansito, provaram seus destinos, suas metas (um congresso em Portugal) E agora, quem paga o valor das passagens aéreas, o desgaste emocional da expectativa frustrada pela estupidez de alguns policiais? A Embaixada da Espanha no Brasil? Os EUA jábarraram também alguns brasileiros de forma humilhante. Está na hora da recíproca. A nossa imprensa deveria investigar a fundo quais realmente eram as condições dos brasileiros no aeroporto de Madri e como se comportaram nossos diplomatas lá instalados. Quanto a questão do turismo sexual aqui, este já é um outro problema. Mas , por favor, respeito é bom, não chamem de revolta jeca o xenofobia o conflito. Isso é desprezar nosso amor próprio, a solidariedade as vitimas das abritrariedades, desta vez cometidas por espanhois.

  6. Comentou em 08/03/2008 alfredo sternheim

    Revolta Jeca? O administrador Lunes que escreveu aqui, pelo jeito despreza os direitos humanos. E os direitos humanos de vários (bota vários nisso) foram desrespeitados de forma autoritária por reprsentantes do governo da Espanha em Madri, por policiais estúpidos. O país tem o direito de recusar entrada de certas pessoas? Tem, mas por base em regras bem claras, legítimas, e não por livre arbítrio. Não se trata de xenofobia como quer o administador Lunes, mas sim indignação pelo tratamento grosseiro dado aos brasileiros no aeroporto de Barajas (pão e água, incomunicabilidade, etc). Alguns deles estavam só em tansito, provaram seus destinos, suas metas (um congresso em Portugal) E agora, quem paga o valor das passagens aéreas, o desgaste emocional da expectativa frustrada pela estupidez de alguns policiais? A Embaixada da Espanha no Brasil? Os EUA jábarraram também alguns brasileiros de forma humilhante. Está na hora da recíproca. A nossa imprensa deveria investigar a fundo quais realmente eram as condições dos brasileiros no aeroporto de Madri e como se comportaram nossos diplomatas lá instalados. Quanto a questão do turismo sexual aqui, este já é um outro problema. Mas , por favor, respeito é bom, não chamem de revolta jeca o xenofobia o conflito. Isso é desprezar nosso amor próprio, a solidariedade as vitimas das abritrariedades, desta vez cometidas por espanhois.

  7. Comentou em 07/03/2008 Cesar Chagas

    A Espanha , como Portugal, já escolheram o seu lugar. Antes traficaram escravos, saquearam, pilharam, extinguiram civilizações Sul Americanas. O problema não é o crivo na imigração, é a inaceitável atitude de humilhação aplicada aos brasileiros.Recentemente o rei da Espanha mandou Chavez se calar, Chavez deveria ter dito: callate usted, por que no trabajas? reis e príncipes não trabalham , apenas comem e cagam. Voces já viram o nome do embaixador espanhol no Brasil? Ricardo PEIDRÓ. Na nossa cara é demais.

  8. Comentou em 07/03/2008 Cesar Chagas

    A Espanha , como Portugal, já escolheram o seu lugar. Antes traficaram escravos, saquearam, pilharam, extinguiram civilizações Sul Americanas. O problema não é o crivo na imigração, é a inaceitável atitude de humilhação aplicada aos brasileiros.Recentemente o rei da Espanha mandou Chavez se calar, Chavez deveria ter dito: callate usted, por que no trabajas? reis e príncipes não trabalham , apenas comem e cagam. Voces já viram o nome do embaixador espanhol no Brasil? Ricardo PEIDRÓ. Na nossa cara é demais.

  9. Comentou em 07/03/2008 Mário Rodrigues

    Só acreditarei na versão da chancelaria espanhola de que a deportação de brasileiros ‘não resulta de uma política oficiala’ quando ler que TODOS os agentes da polícia aeroportuária do aeroporto de Barajas foram devidamente punidos……………
    É óbvio que isto nunca ocorrerá, pelo simples fato de que uma polícia aeroportuária nunca estabelece uma política de Estado, restringindo-se a cumprir ordens. A chencelaria espanhola, portanto, mentiu.
    E mentiu mal, em sinal de preconceito claro contra nossas autoridades e o Brasil como um todo. Será que diriam isso a norte-americanos ou japoneses?

  10. Comentou em 07/03/2008 Luzia Roman

    Essa história é bem complicada… Na primeira vez que fui pra Europa estava indo primeiro para Londres e havia uma conexão no aeroporto de Barahas em Madri. Desci do avião, esperei no saguão e peguei o vôo para Inglaterra. Nem cheguei perto da imigração. Em Londres os agentes olharam minha passagem de volta e minhas reservas de hotel. Foram super cordiais… nas duas vezes que passei por eles, não fiquei mais que 2 minutos, mas conheci gente que foi repatriada, gente que entrou após 6 horas de interrogatório.. até raio x um amigo meu tirou pra verificar de não levava drogas. Depois fui para Barcelona: No telefone o agente estava, no telefone ele continuou… pegou meu passaporte e carimbou, nem me oilhou direito, nem me dirigiu a palavra… acho que acaba sendo uma questão de ‘sorte’ para uns e ‘azar’ para outros… Mas que eu nunca vi um estrangeiro incomodado ao desembarcar aqui é fato…

  11. Comentou em 07/03/2008 alfredo sternheim

    LA MALA EDUCACION. O título do filme de Almodóvar acabou sendo premonitório para a conduta do governo espanhol junto de viajantes brasileiros em Madri, boa parte em transito. Mesmo que alguns deles etivessem irregulares e desconhecessem certas regras como quer o empresário que assinou carta abaixo (seráque as informações foram prestadas corretamente pelos consulados espanhóis?), o tratamento tinha que ser outro. A moça cientista e outros que provaram a finalidade de suas viagens não poderiam ter sido deportados e nem permanecerem mal tratados como foram. Má Educação mesmo, não há como negar. A mesma de algumas empresas espanholas estabelecidas no Brasil que nem se dignam a responder reclamos. Vamos boicotar a Espanha, que tem gente muito boa e um ótimo cinema, para ver se o governo espanhol se toca, ensina a suas autoridades (no caso, os policiais que tratam com viajantes), que tenham um mínimo de respeito com o brasileiro. Chega de hostilidade. Chega de omissão por parte de nossos diplomatas e também dos representantes oficiais da Espanha no Brasil. Eles, se tiverem razão e sensibilidade, deveriam examinar caso a caso, pedir desculpas, inclusive em espécie, devolver o dinheiro das passagens perdidas. O embaixador d aEsapanha ainda não reconheceu nenhum abuso de autoridade. Mostra a cara, señor. E aimprensa dveria cobrar do embaixador essa postura.

  12. Comentou em 07/03/2008 Ivan Moraes

    ‘Sobre o infeliz comentário final desta reportagem, a respeito do turismo sexual que os europeus váo fazer ai no Brasil’, ‘as pessoas que os ajudam e lhes vendem o acesso às ‘pobres mocinhas desamparadas’ , coitadinhas ingênuas’: comentar a respeito de turismo sexual europeu no Brasil eh ‘infeliz’, homosexuais (de onde isso saiu?!) brasileiros sao ‘invasores’ e ‘problemas para autoridades’ europeias, gigolos brasileiros devem ser investigados mas nao os europeus, ‘autoridades espanholas náo fizeram nada que vá contra seu direito de decidir quem pode ou náo entrar’, Luciano Martins vive aas custas de ‘crises como essa’, as pauperrimas prostitutas de interior do Brasil sao ironizadas como ‘coitadinhas ingenuas’ enquanto as brancas ricas que vao se prostituir na Europa e destroem a reputacao do Brasil nao merecem comentario, sua dupla cidadania espanhola/americana o isenta de qualquer empatia com problema serio da America Latina, seu portugues eh suspeitamente brasileiro, e finalmente, sua humilde opiniao termina aos berros. Na minha humirde opiniao sussurrada da minha humirde choupana, vai tirando o cavalinho da chuva.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem