Terça-feira, 26 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº959

ENTRE ASPAS > OS LEITORES E A IMPRENSA

Perguntas, perguntas, perguntas

Por Washington Araujo em 14/10/2010 na edição 611

Qual o problema do jornalismo? De onde vem esse sentimento de que o nosso jornal já não é mais o nosso jornal? Desde quando o nosso jornal deixou de ser o nosso jornal? Como foi que se tornou árdua a leitura do jornal diário? Por que tenho a impressão que o meu jornal mudou de endereço, de idéias, de linhas editoriais e de eixo? Será que, bem antes que eu trocasse de jornal, este me trocou por outro tipo de leitor?


O que fazer com essa carga de lembranças que eu e o jornal fomos construindo ao longo de tantos anos? Por que me é difícil ler um editorial por inteiro sem levantar três ou quatro bem fundadas suspeitas de que estou sendo enganado e umas cinco ou seis de que eles estão me sonegando algo? Por que o meu jornal muda tanto de roupagem, mas não se arrisca a mudar, ao menos, de erros? Mudei eu ou mudou o jornal?


Por que é que quando o meu jornal diz que errou nunca está se referindo ao erro que realmente me incomodou e perturbou? Por acaso, estamos diante de uma epidemia a contagiar apenas jornalistas e deixá-los tão desaprendidos do ofício de fazer jornal diário? Estarei sendo punido por meu jornal por dedicar mais tempo ao jornalismo virtual que ao impresso? Quando a minha profissão, mesmo sem necessitar mais de diploma, continuará a exigir decência e retidão de caráter?


Físico e virtual


Por que tenho o estranho pressentimento que trocaram a tinta de impressão por naftalina líquida? Onde foi que guardei aquela minha velha ansiedade para ver o jornal do dia seguinte? Por que não verificam se já foi criado algum mecanismo para aferir a vitalidade das ideais de nossos editores, colunistas, repórteres? Terá chegado o momento de buscar o Arquivo Geral quando desejar usufruir a leitura de um bom texto jornalístico? O que fizeram com as grandes reportagens? Por que as notícias se tornaram tão extensamente opinativas e tão exageradamente burocráticas?


Quando é que passei a desconfiar que meu jornal sofria de dupla personalidade, aquela que fazia jornalismo e a outra que realizava atividade político-partidária? Por Deus, posso até ter mudado, mas não tanto quanto o meu jornal, aquele que me apresentava o mundo de ontem e de anteontem.


Por que dezenas de diários estão quebrando em todo o mundo? Por que, apenas nos últimos oito anos, nos Estados Unidos da América 120 jornais diários fecharam suas portas? Por que nem mesmo se salvam aqueles que considero como jornais de referência: El País da Espanha, Le Monde na França, The Times e The Independent no Reino Unido, Corriere della Sera e La Repubblica na Itália? Por que todos eles acumulam fortes perdas econômicas, quando não estão simplesmente no vermelho estão sempre rolando dívidas? E por que os grandes jornais constatam impressionante encolhimento de sua carteira de assinantes?


Por que a empresa editora do Chicago Tribune e Los Angeles Times, assim como a Hearst Corporation, dona do San Francisco Chronicle, decretaram falência? Por que o poderoso grupo de Rupert Murdoch, a News Corp., que edita Wall Street Journal, apresentam prejuízos anuais na casa dos milhões de euros? Por que, para diminuir custos, muitas publicações estão simplesmente reduzindo o número de suas páginas? Por que o Washington Post cancelou a impressão de seu prestigioso suplemento literário ‘Bookworld’? Por que o Christian Science Monitor decidiu acabar com sua edição de papel e passar a existir apenas na internet? Por que aconteceu o mesmo com o nosso Jornal do Brasil? Por que o Financial Times propôs semanas de apenas três dias para seus redatores? O que pretendem com isso?


Cargas de pessimismo


Por que a imprensa diária paga se encontra à beira do precipício e anseia desesperadamente por fórmulas que lhe garantam a sobrevivência no médio prazo? Por que a imprensa diária continua levando a sério um modelo econômico e industrial que não funciona? Quem garante que a opção por construir grandes grupos multimídia internacionais, como aconteceu nos anos 1980 e 1990, conseguirá enfrentar a proliferação dos novos modos de difusão da informação?


Por que aumenta o número de jornalistas desempregados? Por que desde janeiro de 2008 foram fechados 21 mil vagas de trabalho nos jornais com sede nos Estados Unidos da América? Por que na Espanha, entre junho de 2008 e abril de 2009, 2.221 jornalistas perderam seus empregos? Por que alguns analistas mostram-se reticentes quanto à continuidade de jornais impressos?


Por que Michael Wolf, da Newser, vaticina que muito em breve ao menos 80% dos jornais impressos norte-americanos desaparecerão? O que leva Rupert Murdoch carregar no pessimismo ao prever que na próxima década (que, aliás, já nos bate à porta) todos os diários simplesmente deixarão de existir?


Onde, onde?


O que é que agrava tão mortalmente a velha deliquência da imprensa escrita diária? Será que a devemos debitar apenas à crise econômica global que provoca enormes perdas da publicidade e ao mesmo tempo forte restrição de crédito? Quando foi que a informação passou a ser mercantilizada de forma tão escancarada? Como a perda de credibilidade tem contribuído para o ocaso da imprensa escrita? Caminha para ser letal ao segmento da informação impressa a concorrência com a imprensa gratuita?


O envelhecimento dos leitores tem papel determinante na caótica situação atual? Que outros males estruturais poderíamos citar para reflexão dos que se interessam por assuntos da mídia? Por que, hoje, cerca de 35 milhões de pessoas no Brasil já usam o celular para navegar na rede e, em uma imaginária ‘outra ponta’, o número de leitores de jornais só faz cair, ano a ano?


Por que no Brasil a questão da sobrevivência da imprensa escrita é secundária à questão da liberdade de expressão? O horror econômico que se avizinha para a imprensa brasileira é decorrente do cerceamento à liberdade de expressão? Por que é mais seguro saber do desenvolvimento alcançado no Brasil por intermédio da imprensa que circula no exterior do que através da nossa imprensa? Por que é que diante dos novos ‘pecados capitais’ do jornalismo os cidadãos se sentem vulneráveis em seus direitos? Onde é que vamos buscar informação confiável e de qualidade sobre qualquer assunto importante? Onde buscar a verdade dos fatos? Onde buscar a verdade? Onde buscar? Onde?

******

Mestre em Comunicação pela UnB e escritor; criou o blog Cidadão do Mundo; seu twitter

Todos os comentários

  1. Comentou em 15/10/2010 Pedro Antonio Serpa Castor

    Adorei o artigo do Washington Araújo pois ele tocou na ferida, onde os jornais impressos competem com o a notícia via internet e isso, realmente, vai piorar.
    Escuto muito dos professores de Comunicação Social dizendo que os impressos não vão acabar, somente entra uma empresa e sai outra.
    Creio eu, que o impresso esteja fadado a ruir, pelo fato do dinâmismo dos fatos que acontecem. E um detalhe importante: quando um jornal fecha e vai para impressão, o que aconteceu nesse meio tempo qual será o veículo que divulgará a notícia? O webjornalismo.

  2. Comentou em 15/10/2010 Marcelo Ramos

    Essa direitona é muito comédia. E é muito engraçado como o camarada Bóris reproduz a tática da direita com perfeição. Foi por isso que indiquei o camarada para articulista do Estadão. Camarada, eu perguntei a você, não perguntei à Adriana Patoni ou Ivo Patarra. Se você conhece algum momento no qual a imprensa foi censurada, diga pra nós; se não conhece, diga que não existe. Nós sabemos que a direita mente, e mente muito, mas aqui, tem que matar a cobra e mostrar o pau. Senão será qualificado como MENTIRA. Simples assim, entendeu?

  3. Comentou em 15/10/2010 Arnaldo Costa

    É… Tem certas pessoas que se fazem de bobas por não quererem aceitar a verdade. Às vezes é difícil enxergar a realidade. Ainda mais quando se fecha os olhos. Tem um pouco de egocentrismo e autoritarismo, comum aos radicais da extrema direita doutrinada pelo PIG. Falar que a Rede Bobo e o tabloide veja fazem jornalismo é no mínimo uma falta de visão. Aquilo é pura ficção. Manipulam informações e fatos, editam, mentem, criam verdadeiros frankensteins, com o único intuito de prejudicarem seus adversários e protegerem seus afetos. É a verdadeira censura de imprensa. Agora, ainda ter certos insanos que tentam argumentar que esses veículos de comunicação são isentos e imparciais, ai é inacreditável. Mesmo porque, como seriam imparciais já que são imorais e alguns desses grupos têm estreitas relações com os governos que defendem? Além disso defendem interesses obscuros de seus comparsas. Serra e os demotucanos continuam censurando a imprensa. Mandam despedir, compram apoio, ameaçam e confiscam materiais dos que se opõem a eles. Onde tem demotucanos (ex-PFL, ex-PDS, ex e atual ditadura), tem ditadura da imprensa. Nós aqui de Minas e a turma de São Paulo “antenada” sabe disso.

  4. Comentou em 15/10/2010 Boris E. Dunas

    Do jeito que a coisa vai, e tendo que se livrar dos próprios ícones históricos quando já não podem mais suportar – nem mesmo em pensamento – suas próprias contradições e trapalhadas, logo logo jogarão Gramsci no lixo também, que passará a ser descrito como um extremista de direita infiltrado nos escaninhos dos, ai meu saco!, “donos do poder”; bobear, dirão que o comuna italiano já era mancomunado com o Roberto Marinho, naquele tempo… Enfim, nada demais pra quem sempre renegou a própria história, reescrevendo-a em tempo real, sempre confiando no emburrecimento metódico e profundo que eles mesmos promovem desde sempre nezztepaízz e seqüestrando as realizações alheias sem nem mesmo esperar que os autores originais deixem este mundo. FHC que o diga!

  5. Comentou em 14/10/2010 Arnaldo Costa

    Esse Boris Dunas continua com suas asneiras. Onde tem demotucanos (ex-PFL, ex-PDS, ex e atual ditadura), tem censura na imprensa. Em Minas e São Paulo está tudo dominado. Varrem toda a politicagem dos canalhas para debaixo do tapete e perseguem seus desafetos. Mandam despedir, confiscam material, ameaçam. Zé Baixaria acaba de agredir mais um reporter e ficou por isso. CANSAMOS DE SER ENGANADOS.

  6. Comentou em 14/10/2010 Boris Dunas

    Ah, um petista-não-petista-mais-petista-que-o-Zé-Dirceu acusando ozzotro de auto-vitimismo! Agora não falta mais nada. Ou melhor, falta: falta negar que o PT não para de tentar implantar mecanismos CENSÓRIOS desde que chegou ao pudê. Não terem conseguido não significa que essa não seja uma de suas prioridades, além, é claro, de tornar milionários da noite para o dia os filhos de presidentes e ministros, sejam estes da Verdade ou da Guerra. By the way, o auto-vitimismo petista já extrapolou todos os limites do histrionismo mais bocó. Mais um pouco, e chamar um petista de petista será golpismo de extrema direita, passível de processo judicial. Essa gente não tem limite e nem “vergonha de passar vergonha”.

PRIMEIRAS EDIçõES > RENOVAÇÃO NO CNE

Perguntas, perguntas, perguntas

Por lgarcia em 20/02/2002 na edição 160

RENOVAÇÃO NO CNE

Victor Gentilli

Um único jornalão, numa única edição, referiu-se ao processo de renovação dos integrantes do Conselho Nacional de Educação, instituição de consulta e deliberação do MEC. Esta única matéria tratava, na verdade, do conflito que se estabeleceu pelo controle da Associação Nacional das Faculdades Isoladas (Anafi), e a texto fazia referência ao fato de que a entidade seria uma das que poderiam fazer indicações para uma lista tríplice de nomes, a serem considerados na renovação das câmaras que compõem o Conselho. São duas câmaras: de Educação Básica e de Educação Superior.

O prazo para a indicação de nomes encerrou-se no dia 14 de fevereiro. Sabe-se que a disputa é grande. Mas esta é uma informação de bastidores, dos quais a imprensa está absolutamente ausente.

Aliás, a imprensa sequer se interessou em saber se entidades como SBPC, Crub, CUT, Força Sindical, UNE, Andes ? Sindicato Nacional, apenas para dar alguns exemplos ostensivos de entidades conhecidas da opinião pública e da imprensa, estão indicando nomes. Poder para isso a lei lhes dá.

Se estão, por que não dar divulgação? Quais os nomes?

Se não estão, por que não apresentar os motivos?

Alguma dessas entidades consultou suas bases?

Perguntas, perguntas, perguntas.

Que os jornais bem que poderiam responder.

Os cidadãos agradeceriam. É para saber de coisas assim que eles compram jornais.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem