Terça-feira, 18 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1042
Menu

ENTRE ASPAS >

Petrobras recua e muda regras do blog

Por Luiz Antonio Magalhães (seleção de textos) em 11/06/2009 na edição 541


Leia abaixo os textos de quarta-feira
selecionados para a seção Entre Aspas. 


************


Folha de S.
Paulo


Quarta-feira, 10 de junho de
2009


 


BLOG DA PETROBRÁS
Após
polêmica, Petrobras recua sobre uso de blog


MONICA BERGAMO
COLUNISTA DA FOLHA


SAMANTHA LIMA
DA SUCURSAL DO RIO


‘Empresa decide que só irá divulgar perguntas de jornalistas à zero hora do
dia previsto para a publicação e nega recuo. Estatal diz que atitude que havia
adotado tinha apoio da OAB, mas presidente da entidade diz que aprovação que
havia dado era parcial


Depois de analisar a repercussão da iniciativa de divulgar, em um blog, as
perguntas enviadas por jornalistas e as respectivas respostas, antes da
publicação pelos veículos de comunicação, a Petrobras decidiu recuar
parcialmente.


A Folha apurou que, durante uma reunião realizada ontem, a decisão de
divulgar previamente perguntas e respostas no blog Petrobras Fatos e Dados foi
avaliada por alguns integrantes da equipe de comunicação como ‘desastrosa’.


Para não parecer que a empresa capitulou à reação da mídia, decidiu-se que a
divulgação ocorreria à zero hora do dia para o qual o jornalista previr a
publicação da reportagem.


Segundo resposta encaminhada ontem pela assessoria de imprensa da estatal, ‘a
Petrobras não entende isso como um recuo’. ‘O que está sendo feito é um ajuste
que compatibiliza as reivindicações e argumentações dos jornalistas com os
propósitos do blog.’


Dois dias antes do recuo, o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli,
havia defendido a prática de publicar o conteúdo na íntegra, mesmo antes da
divulgação da notícia.


A divulgação dos questionamentos e das respostas fornecidas pela empresa
anteriormente à publicação tornara-se prática desde a semana passada, com a
criação do blog.


A mensagem de apresentação informa que o objetivo do blog é apresentar ‘fatos
e dados recentes da Petrobras e o posicionamento da empresa sobre as questões
relativas à CPI’ no Senado.


A divulgação das apurações antes da publicação era a maior crítica dos
veículos de comunicação à iniciativa, por quebrar unilateralmente o caráter de
exclusividade das reportagens.


Para a ANJ (Associação Nacional de Jornais), a medida era ‘uma tentativa
canhestra de tentar intimidar jornais e jornalistas’ que atentava ‘contra os
princípios universais de liberdade de imprensa’.


A OAB Nacional informou que seu presidente, Cézar Britto, encaminhará carta
ao presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, questionando o conteúdo de um
dos textos do blog.


O texto, postado ontem, afirma que a criação do blog contava com apoio de
entidades como a ABI (Associação Brasileira de Imprensa) e a OAB (Ordem dos
Advogados do Brasil).


Consultado pela Folha, Britto mostrou-se surpreso. Reafirmou que, como
dissera na terça, seu apoio era parcial. ‘Trata-se de uma estratégia legítima de
comunicação com o público, e a empresa tem o direito de publicar o conteúdo da
entrevista depois do veículo’.


Mas ressaltou que não considerava recomendável a divulgação de perguntas e
dados enviados pelo jornalista durante a apuração das reportagens, antes da
publicação. ‘A decisão quebra uma das cláusulas do relacionamento entre as
partes, que é a confiabilidade’.


Segundo a Petrobras, desde que foi lançado, o blog já recebeu 223 mil
acessos.’


***


O HOMEM ERRADO
Luiz Fernando Vianna


RIO DE JANEIRO – Os últimos dias mostraram que há no governo federal um
problema de ‘miscasting’, como se chama em inglês a escolha errada de um ator
para determinado papel. O lugar certo para o ministro da Defesa, Nelson Jobim, é
a presidência da Petrobras.


Após ser criticado em jornais brasileiros por tecer comentários de veracidade
e gosto discutíveis sobre o resgate de destroços e corpos, Jobim abriu sua boca
de jacaré para dizer que possui ‘costas de crocodilo’, usou frase inquestionável
(‘Eu optei pela angústia das famílias’) para explicar a pressa que teve em falar
e menosprezou a imprensa do país que defende: ‘Só leio o ‘Le Monde’ e o ‘El
País’’.


Já o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, não só lê os jornais
brasileiros como quer furá-los, ou seja, antecipar a veiculação das notícias. O
blog ‘Fatos e Dados’, da empresa, se propôs a divulgar as perguntas enviadas por
jornalistas à sua assessoria e as respectivas respostas antes da publicação das
reportagens. A ideia intimidatória quebra uma regra elementar de
confidencialidade, pois um veículo saberia das pautas (não mais) exclusivas dos
outros.


Ontem, a Petrobras recuou um passo e disse que só porá as informações no blog
à 0h do dia da publicação. A questão é que não cabe à empresa dizer quando uma
reportagem será publicada. Este atributo é dos veículos de comunicação.


Gabrielli, que no programa ‘Roda Viva’ disse pretender ‘revolucionar o
jornalismo’, está se candidatando a editor de jornal. É bom saber que o salário
não é tão bom e que algum jornalista não petista pode pedir reciprocidade.


Mas Jobim é um postulante melhor ao cargo. Se lê apenas dois jornais
estrangeiros, não vai se preocupar com o que publiquem aqui sobre a empresa.
Talvez assim, enfim, a Petrobras se torne ‘nossa’.


***


INTERNET
Lei antipirataria francesa é
considerada inconstitucional


DA REDAÇÃO


O Conselho Constitucional da França considerou inválido o principal
dispositivo da nova lei sobre internet que pretendia banir da rede quem fosse
acusado de fazer downloads ilegais. De acordo com a maioria dos membros do
conselho, apenas um juiz -e não uma autoridade administrativa- pode determinar a
exclusão de uma pessoa da internet.


Com essa decisão, a lei, que se afigurava como uma das mais rígidas da Europa
na defesa dos direitos autorais, fica bastante enfraquecida. O governo ainda não
decidiu se vai submeter uma nova proposta para tentar disciplinar o vácuo criado
pelo veto.


O conselho considerou que o acesso à internet é um direito fundamental, que
não pode ser limitado senão por decisão judicial, sob pena de pôr a perder o
princípio de presunção da inocência. Segundo o órgão, ‘o papel da Hadopi [a
polícia cibernética prevista pela lei] é o de advertir o internauta, mas não
puni-lo’.


O Conselho Constitucional exerce controle constitucional sobre as leis, mas
não faz parte do Poder Judiciário. Três de seus membros são indicados pelo
presidente da República, três pelo presidente da Assembleia Nacional e três pelo
presidente do Senado. Ex-presidentes da República que o desejarem se tornam
membros vitalícios.


O conselho só pode revisar leis quando provocado e entre a aprovação pelo
Legislativo e a sanção presidencial. No caso, o pedido de veto partiu do Partido
Socialista, de oposição.


***


MÍDIA
Dono do ‘NY Times’ procura interessados
no ‘Boston Globe’


DA REDAÇÃO


O New York Times Company, o grupo que controla o jornal de mesmo nome, está
procurando interessados em adquirir o ‘Boston Globe’, depois que os funcionários
do jornal recusaram uma proposta de corte de salários.


De acordo com o próprio ‘The Boston Globe’, que atribui a informação a
possíveis investidores, o grupo contratou o banco Goldman Sachs para entrar em
contato com os interessados.


Um dos possíveis interessados afirmou que a contratação do Goldman Sachs ‘não
significa que eles vão vender [o jornal]. Eles só disseram que estão dispostos a
ouvir propostas’. O ‘Boston Globe’ diz ainda que a procura por investidores deve
durar duas semanas.


Na segunda-feira, o maior sindicato dos funcionários do ‘Boston Globe’
recusou proposta para reduzir em US$ 10 milhões os gastos anuais com salários e
benefícios, e, em resposta, o New York Times Company impôs um corte de 23% nos
pagamentos para atingir a meta.


Anteriormente, o grupo havia ameaçado fechar o jornal, encerrando uma
história de 137 anos. O ‘Boston Globe’ perdeu US$ 50 milhões em 2008, e a
projeção para este ano é de mais prejuízo.


***


OUTRO CANAL
Daniel Castro


Miggiorin Vira Gótigo Na Globo


Leonardo Miggiorin em cena do episódio de ‘Toma Lá, Dá Cá’ do próximo dia 23;
ele interpreta um jovem escritor que usa look de gótico e gosta de Britney
Spears


Faturamento do SBT para de cair após 3 anos


Pela primeira vez desde 2005, o SBT de São Paulo registrou crescimento em
suas receitas brutas. A emissora faturou em 2008 R$ 607.955, um aumento de 0,15%
sobre 2007 (R$ 607.044). A alta é irrisória, mas simboliza o fim de uma
sequência de quedas, provocadas pela perda de audiência para a Record. Em 2005,
o SBT arrecadava 7,3% (R$ 652.497) a mais do que no ano passado.


O SBT só parou de cair no faturamento bruto. Quando descontadas as
publicidades de empresas do Grupo Silvio Santos, impostos sobre vendas,
comissões e cancelamentos, a emissora continua em queda. O lucro operacional,
entretanto, foi de R$ 19,3 milhões, 14,2% a mais do que em 2007.


No balanço, o SBT calcula que o mercado de TV aberta cresceu 12% em 2008, o
que atribui à Olimpíada de Pequim, eleições municipais e bom desempenho da
economia até o terceiro trimestre. Informa que a decisão de reexibir ‘Pantanal’,
da extinta Manchete, foi fundamental. ‘Esta ação se mostrou acertada, pois
crescemos tanto em nossa participação de audiência como em faturamento’, afirma
o relatório.


Para 2009, o balanço do SBT coloca uma perspectiva de ‘otimismo moderado’.
‘Para 2009, o SBT tem como proposta padronizar a sua grade com um leque de
programas voltados para a família brasileira, que tenham um ar de modernidade e
jovialidade’, diz o documento.


GRAZI PROBIDA


Depois de Susana Vieira, J.B. Oliveira, o Boninho, decidiu colocar a ex-BBB
Grazi Massafera na ‘lista negra’. A atriz está proibida de participar do ‘Vídeo
Show’, ‘Mais Você’ e ‘Estrelas’, que ele dirige.


SUSANA PERDOADA


Boninho se irritou com Grazi porque a assessoria dela negou quatro vezes
pedido de participação no ‘Vídeo Show’. Já Susana será em breve ‘perdoada’.


ROMÂNTICO VETADO


O cantor Latino pediu autorização da Record para sobrevoar a área onde é
gravado o reality show ‘A Fazenda’, em Itu (SP). Queria jogar flores para a
mulher, Mirella, amanhã. Dia dos Namorados. A Record negou. Argumentou que as
regras do programa vetam aos participantes ‘contato externo’.


INDECENTE 1


Executivos do SBT trataram como ‘indecente’ a proposta feita pela Record a
Gugu Liberato, de R$ 3 milhões por mês e contrato de oito anos, conforme
antecipou a ‘Coluna do Flávio Ricco’, no UOL.


INDECENTE 2


Embora oficialmente o SBT diga desconhecer a proposta da Record, a emissora
já decidiu não cobri-la. Procurado, Gugu desconversou. ‘Meu contrato com o SBT
vai até março de 2010 e vou cumpri-lo. Ainda é cedo para falarmos sobre novo
contrato e propostas que eu tenha recebido’, disse por e-mail.


INDECENTE 3


O SBT nega que tenha feito proposta ao ‘Pânico’ para substituir Gugu. Diz que
almoço anteontem foi para tratar de participação no Teleton.


***


MINC VETA A VERBA DE CAETANO
Marcio
Aith


DA REPORTAGEM LOCAL


‘Comissão que analisa projetos aspirantes ao benefício da Lei Rouanet diz que
turnê do cantor, no valor de R$ 2 mi, não precisa de incentivo; ministro deve
derrubar decisão.


A Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), que analisa os projetos
aspirantes ao benefício da Lei Rouanet, negou autorização para que os produtores
do músico baiano Caetano Veloso captem patrocínio para o novo trabalho do
artista, o CD ‘Zii e Zie’.


Em reunião do último dia 21 de maio, a comissão decidiu que o projeto ‘Tour
Caetano Veloso’, no valor de R$ 2 milhões, não precisa de incentivo por ser
comercialmente viável. O projeto prevê a realização de shows em 22 capitais.


No entanto, é muito provável que essa decisão seja derrubada nos próximos
dias pelo ministro da Cultura, Juca Ferreira.


Ao ministro cabe rever as decisões da CNIC. No ano passado, ele derrubou o
veto da comissão à turnê da cantora Maria Bethânia, que pedia autorização para
buscar R$ 1,8 milhão em patrocínio.


Naquela ocasião, a CNIC rejeitou o show pelo mesmo motivo que nega agora
autorização para o show de Caetano: a receita de bilheteria ‘tornaria
desnecessária a utilização de incentivo fiscal na realização do evento’.
Ferreira derrubou a decisão e viabilizou o patrocínio de Bethânia, com dinheiro
de renúncia fiscal.


Naquele episódio, como agora, o ministro dizia concordar com o sentido da
decisão do CNIC, mas não com a forma. Segundo Ferreira, a Lei Rouanet não possui
um critério específico para impedir o patrocínio de espetáculos comercialmente
viáveis. Para ele, a orientação da CNIC seria justa, mas não legal.


Esta suposta omissão legal é justamente um dos motivos pelos quais o ministro
pretende reformar a Lei Rouanet.


A Folha apurou que Ferreira também foi alvo de forte pressão de Paula
Lavigne, ex-mulher e empresária de Caetano, para que a decisão da CNIC fosse
revertida.


Em debate anteontem, Ferreira referiu-se obliquamente à decisão da CNIC no
caso de Caetano. Disse que ‘estão tentando’, sem sucesso, usar o episódio para
causar intriga entre ele e um conterrâneo (Juca Ferreira e Caetano Veloso são
baianos).


Questionado pela Folha sobre o tema, Caetano comentou, por e-mail: ‘Não. Não
há nenhum estremecimento entre mim e o ministro. Ele foi assistir ao meu show em
Brasília e conversamos bastante’.


***


TELEVISÃO
Sylvia Colombo/ Editora Da
Ilustrada




‘House’ alucina e tem de sair de cena


O extravagante dr. Gregory House ficou célebre por não tratar a prática
médica como missão nobre. Salvar vidas ou amenizar a dor dos que sofrem não
estão entre suas prioridades. O protagonista de ‘House’, cujo último capítulo da
quinta temporada vai ao ar hoje, não se está nem aí para os pacientes.


Para ele, ser médico não é ofício, é vício. Misantropo ao extremo, é na
solução de diagnósticos difíceis, verdadeiros quebra-cabeças, que ele encontra,
se não prazer, um modo de amenizar o próprio sofrimento.


Porém, se até aqui a ‘razão’ imperava sobre suas ‘emoções’, uma reviravolta
causará um curto-circuito em sua antipática, mas sempre charmosa, personalidade
(quem não quiser ler ‘spoilers’, pare aqui). Alucinações e falhas inaceitáveis
para seus padrões mostram que o abuso de Vicodin, entre outras coisas, andaram
danificando seu cérebro.


O fiel amigo Wilson toma, então, uma decisão drástica para salvá-lo. E, ao
som de ‘As Tears Go By’, despede-se do amigo às portas do que pode ser o caminho
para sua cura.


A sexta temporada da série começa no final deste ano, nos EUA. Até lá, fica a
dúvida: vamos ou não reconhecer o bom e velho House quando voltar ao convívio no
mundo real?


HOUSE


Quando: hoje, no Universal, às 23h


Classificação: não indicado a menores de 12 anos


Avaliação: ótimo


************


O Estado de S. Paulo


Quinta-feira, 11 de junho de 2009


 


’NYT’’ põe à venda o ’’Boston Globe’’


O grupo que publica o The New York Times contratou o banco de investimento
Goldman Sachs para buscar possíveis compradores para o jornal Boston Globe. Em
uma nota publicada em seu site, o Globe afirma que, embora o grupo não tenha
confirmado se venderá o periódico ou não, a companhia planeja solicitar ofertas
nas próximas duas semanas.


***


GUGU NA RECORD?
Negociação Milionária: Rede
quer estrela do SBT já em julho


Keila Jimenez


Salário de R$ 3 milhões por mês, programa dominical das 15h30 às 21horas,
contrato de oito anos… Segundo falatório do mercado televisivo – e o Estado
não encontrou desmentidos no SBT – esses já são pontos acertados no contrato de
gaveta assinado por Gugu Liberato com sua nova emissora, a Record. Sem
confirmação oficial até o fechamento desta coluna, a ida do mais famoso pupilo
de Silvio Santos para a concorrência já era dada como certa nos corredores das
duas redes.


Na produção do Domingo Legal, do SBT, a ordem ontem era trabalhar em função
de mais uma edição da atração, e só.


Já a Record tem pressa. Quer o novo contratado já em julho, e estaria
disposta a pagar a multa contratual dele com o SBT – não tão alta, por se tratar
de uma parceria de Gugu e Silvio com divisão do faturamento comercial do Domingo
Legal. O contrato de Gugu com o SBT vai até março, mas a direção da casa não
está disposta a ignorar lá uma cláusula de preferência pela renovação.


Executivos ligados a Silvio informam que o patrão, desta vez, não cobrirá a
proposta, como fez da última vez em que Gugu foi assediado pela Record, em 2006.


Rodriguiano


Filhos, adoção, interferência da beleza no trabalho e, claro, Nelson
Rodrigues, pautam a conversa entre Sabrina Parlatore e Marcello Antony, gravada
pouco antes de ele subir ao palco para atuar em Vestido de Noiva. Vai ao ar
sábado, às 20h, no Vitrine, via TV Cultura.


***


Entre-linhas


Foi para o Teleton, e não para trocar de canal, que Tutinha, Sr. Jovem Pan,
criador do Pânico, e seu fiel escudeiro, Emílio Surita, foram convidados a
almoçar no SBT anteontem. A trupe ficou de participar da festa beneficente. E
por enquanto é isso.


Dois grandes autores da Globo disputam a tapas o passe de Glória Pires em
suas novelas. Um deles já havia reservado Glória para sua trama, na faixa das 9,
em 2010; outro a quer para o mesmo horário, só que em 2011.


Deve acabar em acordo o pedido de reclassificação indicativa do Ministério da
Justiça para Senhora do Destino: o MJ pede que a reprise da trama seja
reclassificada como imprópria para menores de 12 anos, podendo ir ao ar só após
as 20 horas. A Globo entrou com recurso, que será julgado amanhã.


Com ibope na casa dos 20 pontos, Senhora é atualmente o segundo maior share
da Globo, cerca de 53% (participação no total de ligados). Perde só para Caminho
das Ìndias, que bate nos 63% de share.


Ratinho fará participação especial na próxima novela do SBT, Vende-se um Véu
de Noiva, como um advogado.


Íris Abravanel, autora da novela do SBT, adaptação da obra de Janete Clair,
contou em entrevista coletiva que costuma acordar de madrugada para escrever e
‘sai de gatinho’ da cama para não acordar Silvio Santos.


Vende-se Um Véu de Noiva estreia na próxima terça-feira.


***


ROUANET TEM ’’DESPERDÍCIO’’ DE ATÉ 30%
Ong
aponta os pontos falhos do atual texto, diagnóstico apoiado pelo MinC


Jotabê Medeiros


O presidente da organização não governamental Transparência Brasil, Claudio
Weber Abramo, estima que a atual Lei Rouanet propicie um ‘índice de desperdício’
que pode chegar a 30% em boa parte dos projetos. Esse porcentual estaria
concentrado, principalmente, no que ele chama de ‘atravessadores’ da lei,
produtores que embutem nas planilhas de custos suas próprias (e arbitrárias)
comissões (e outras despesas alheias ao propósito final).


O diagnóstico de Abramo é endossado pelo próprio ministro da Cultura, Juca
Ferreira, que vê uma ‘ação criminosa’ nessa prática. ‘O lobby é normal. O que
não é legal é um despachante desses entrar no Ministério para oferecer presentes
a funcionários. Além de outras barbaridades’, acusou. ‘Já teve gente presa e
outros estão sendo investigados pela Polícia Federal por essa prática.’


Em 2007, a PF prendeu cinco pessoas em Brasília, entre elas uma funcionária
do MinC, sob a acusação de formação de quadrilha. Teriam atuado na aprovação de
cerca de 20 projetos, num total de R$ 8 milhões.


Ferreira observou que nunca são os artistas que buscam esse caminho, mas
muitas vezes eles são abordados por empresas que oferecem não só a ‘aprovação
prévia’ dos projetos no Mecenato da Lei Rouanet, como também asseguram a
captação no instante seguinte. É uma oferta atrativa, mas onerosa para os cofres
públicos (e ilegal).


‘Reconheço que existe o problema, e combatemos duramente essa prática. De vez
em quando ouvimos: é fácil, basta embutir um custo aqui. Já ouvi isso muito. Mas
é difícil combater, porque escorrega entre os dedos. A lei é falha, não há
nenhum controle nem a intenção de exigir essa transparência.’


Durante debate em São Paulo, na segunda-feira à noite, na Associação dos
Advogados, Claudio Weber Abramo criticou a atual estruturação da Lei Rouanet,
que permite que comissões formadas pelos próprios agentes culturais de uma
determinada área decidam sobre recursos públicos. ‘Não vejo sentido em decisões
de Estado serem tomadas por pessoas alheias ao Estado.’


Segundo Abramo, uma nova legislação precisa levar em consideração as
seguintes premissas: introduzir indicadores de desempenho dos projetos
apresentados; instituir auditoria independente para cada projeto (auditorias que
seriam pagas com dinheiro do próprio projeto); e criar, no interior do
ministério, um organismo de gerenciamento do dinheiro aplicado.


A fala de Abramo foi duramente criticada por consultores presentes ao evento,
como Ari Brandi (do Teatro Grafite). Brandi queria que Abramo exemplificasse
‘onde é que ouviu falar’ que o agente de captação chegue a cobrar 30% e que não
haja nenhum controle.


‘Eu não disse que não tem nenhum controle. De uma forma geral, os controles,
no Estado brasileiro, são inadequados.’ Atualmente, o único controle do gasto
que um produtor cultural faz com um projeto é a prestação de contas.


O presidente do TCU, Ubiratan Aguiar, presente ao encontro, defendeu o
aprimoramento dos sistemas de ‘integridade’ da lei e da aplicação de seus
benefícios em todo o território nacional. ‘Trata-se de renúncia fiscal, dinheiro
que seria recolhido’, ponderou. ‘Não poderemos viver de forma federativa
enquanto houver uma desigualdade que agride.’


***


Raio-X


CONCENTRAÇÃO: Aproximadamente 3% dos proponentes que vão ao Mecenato da Lei
Rouanet ficam com 50% dos recursos, segundo o MinC


PROTAGONISMO: Cerca de 80% dos recursos destinados à cultura via Ministério
da Cultura são oriundos da renúncia fiscal


HEGEMONIA: Desde 2002, a região Sudeste teve 23 mil projetos e R$ 3 bilhões
captados; toda a região Norte teve 786 projetos aprovados e R$ 40 milhões


APETITE ESTATAL: Entre 2002 e 2008, a Petrobrás respondeu por R$ 1 bilhão da
captação, seguida de Eletrobrás (R$ 204 milhões), Banco do Brasil (R$ 139
milhões) e BNDES (R$ 75 milhões)


ATIVOS: Entre os dez maiores proponentes de 2008 estão o Instituto Itaú
Cultural (R$ 29 milhões) e a Orquestra Sinfônica Brasileira (R$ 14 milhões)


 

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem