Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1024
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Polarizados, jornais de Maricá retratam visões díspares da cidade e prefeitura

Por Carlos Castilho em 30/05/2016 na edição 905

Quem lê os dois principais jornais digitais da cidade fluminense de Maricá – o MaricaInfo e o ItaipuacuSite – adquire visões diametralmente opostas sobre os temas de interesse público locais e sobre a própria gestão do prefeito Washington Quaquá (PT), cujo segundo mandato termina no final do ano.

Desde 2010, quando a Petrobras começou a extrair petróleo do mega campo de Lula, distante 250 quilômetros de sua costa, que Maricá, situada na região metropolitana do Grande Rio, firmou-se como município campeão nacional no recebimento de royalties do pré-sal.

É com a verba do petróleo que Quaquá, que acumula a presidência do Partido dos Trabalhadores no estado do Rio de Janeiro, toca uma série de projetos de forte apelo popular, como a pavimentação de ruas, a construção de viadutos, a criação de linhas gratuitas de ônibus e também de uma moeda de circulação municipal, a “mumbuca”, que beneficia a população de baixa renda.


Leia também:

Receita do pré-sal irriga obras e programas sociais, mas gera dependência;

Respostas do editor-chefe do ItaipuaçuSite, Marcelo Bessa


A receita do pré-sal também permite ao prefeito elogiar seus heróis da esquerda, dando o nome de Ernesto Che Guevara a um hospital em construção e o de Carlos Marighella a um conjunto habitacional do programa Minha Casa Minha Vida inaugurado em 2013.

Marica anuncio prefeitura

Anúncio da Prefeitura de Maricá no alto da página

Mas as ações da prefeitura se refletem de forma oposta na imprensa maricaense. Enquanto o Itaipuaçusite é um forte opositor ao governo Quaquá, o MaricáInfo, que ostenta um banner pago pela prefeitura em seu principal espaço publicitário, no alto do site, faz uma cobertura claramente simpática ao prefeito e à sua gestão.

Apesar de apresentarem visões díspares da cidade, ambos jornais parecem adotar como prática jornalística o viés de confirmação, um fenômeno crescentemente pesquisado pelas ciências humanas. Tanto o Itaipuaçusite quanto o MaricáInfo parecem enviesados por privilegiar a publicação de notícias e textos opinativos, seguindo a tendência de indicar, interpretar ou investigar informações que confirmem suas crenças e hipóteses iniciais.

Dessa forma, a leitura dos jornais sinaliza que ambos não investem na busca do discurso contraditório, o que demandaria a busca de fontes múltiplas e evidências divergentes, que não apenas confirmem o já sabido ou acreditado, mas que contribuam para uma visão mais equilibrada dos fatos e opiniões veiculados.

Ponte ou viaduto?

Foi em 10 de janeiro de 2014 que o ItaipuaçuSite publicou o seu artigo mais popular e de forte tom acusatório à gestão Quaquá. Dizia a manchete: Maricá: Prefeitura vai inaugurar o maior símbolo de corrupção da sua história.

Marica ItaipMateriadenunciaponte

Em quatro breves parágrafos, o prefeito Washington Quaquá era acusado de inaugurar duas vezes a mesma obra, a Ponte da Barra, um projeto que segundo o jornal custara R$ 10 milhões e seria inútil, pois teria sido erguido sobre a margem seca de uma lagoa.

Dizia o texto, que recebeu 254 comentários via Facebook majoritariamente elogiosos à matéria do jornal: “Para tentar amenizar e disfarçar tamanho descalabro, há cerca de um mês, máquinas e retroescavadeiras têm efetuado escavações no entorno da lagoa para que, na inauguração, haja água embaixo da ponte e assim a mesma não venha a ser caracterizada como um simples e desnecessário viaduto.”

Mas a matéria, que não reportava a versão da prefeitura, tampouco mencionava outros projetos que pudessem justificar o juízo de que a obra era de fato “o maior símbolo de corrupção” de Maricá.

O tom beligerante do ItaipuaçuSite prossegue até hoje. Ao Observatório da Imprensa, o editor-chefe do jornal, Marcelo Bessa, que também é o dono e seu principal articulista, disse que houve uma época em que tinha acesso a Quaquá, mas que com o passar do tempo, seus pedidos de entrevista e comentários passaram ser negados. “O prefeito começou a ficar com raiva de mim e passou a não me dar mais entrevistas,” disse.

Marica ItaipEditorialcontraQuaqua

Num editorial mais recente, do dia 20 de maio, Bessa voltou à carga: Saúde de Maricá vive caos e Quaquá vai à Bolívia falar de golpe no Brasil. “Mesmo a cidade de Maricá pegando fogo, com uma enorme crise na saúde, com postos de atendimento inacabados, hospital sucateado e salários de funcionários atrasados, o prefeito de Maricá, Washington Quaquá (PT), foi à Bolívia para participar do X Congresso Latino-americano de Cidades e Governos Locais, que começou nesta quinta (19), diz o editorial. “Na mesa de debates, Quaquá, que também é presidente do PT no Rio, aproveitou para falar contra o afastamento da presidente Dilma Rousseff (PT).”

A questão da saúde pública tem merecido uma série de artigos do ItaipuaçuSite, que noticiou supostos atrasos no pagamento de salários no dia 17 de maio: Maricá: Funcionários da saúde não recebem salários e hospital está virando um caos. Coberta pela TV Record, a estocagem inadequada de vacinas contra a gripe na cidade também virou notícia: TV Record mostra descaso na saúde pública de Maricá e prefeito se nega a falar. O texto foi publicado no mesmo dia do editorial contra a viagem de Quaquá à Bolívia.

Ao final da série de matérias sobre a saúde, o ItaipuaçuSite passou a cumprir um preceito básico do jornalismo, o de tentar ouvir o outro lado da história. Mas invariavelmente, o jornal tem recebido negativas da prefeitura e do prefeito, que preferem não comentar.

Uma outra história

Já quem lê o MaricáInfo, obtém uma versão bem diversa da saúde pública local. Publicada no dia 18 de fevereiro, a matéria Maricá: Prefeitura acerta salários de médicos e enfermeiros do hospital e da UPA enfatiza a celeridade do poder local em resolver a questão.

“De acordo com os secretários municipais executivos Márcio Leite (Governo) e Carlos Manoel (Gabinete) e com o secretário municipal adjunto de Saúde, Peterson Cabral, a remuneração será feita pelo mesmo procedimento através do qual ocorreu o acerto do mês de dezembro, através de transferências bancárias individuais,” diz o texto. Mas a reportagem não ouviu o outro lado da história, os sindicatos de médicos e enfermeiros ou pacientes à espera de tratamento.

Segundo a tabela de anúncios do jornal, seu ultra banner, vendido à prefeitura, custa R$ 1200 mensais e aparece em destaque no cabeçalho do site, com impressão em todas as páginas. Procurado pela reportagem do Observatório, o Maricá Info, que é editado por João Henrique Jorge, não retornou os pedidos de entrevista.

Reconheça-se que, no dia 8 de abril, o Maricá Info publicou uma rara matéria denunciando problemas no setor: Maricá: Pacientes relatam abandono em posto de saúde central. “Segundo os relatos, falta água, a limpeza não é feita, além de o local sofrer com avarias em sua estrutura física”, diz a matéria. “Outro problema é a falta de algumas vacinas. “‘Esses dias fui vacinar meu filho e não tinha a BCG,’ comentou Luis Peixoto, de 32 anos, morador do bairro Flamengo.”

Mas desde então, a editoria de saúde do jornal tem publicado vários artigos elogiosos à saúde local, sugerindo que os problemas do setor têm sido rapidamente sanados. Nas histórias com viés laudatório à prefeitura, o MaricáInfo trata da campanha de vacinação contra a gripe, que tem beneficiado também a população indígena, e de mais verbas federais para os hospitais da cidade. Nada menos do que duas matérias sobre o mesmo tema – o avanço nas obras do Hospital Che Guevara – foram publicadas em abril e maio.

O único reparo editorial feito pelo MaricáInfo ao hospital diz respeito ao nome, que presta homenagem ao guerilheiro argentino. Publicada no dia 26 de março, o artigo Maricá: Mais de 15 mil assinam abaixo-assinado contra o nome Che Guevara para o novo hospital aborda uma lista de assinaturas on-line que defende o nome da brasileira Zilda Arns para o hospital.

O texto reproduz postagens feitas no site Change.org: “Somos brasileiros e precisamos ver homenageados os brasileiros que tenham deixado saudades e que nos façam falta pelo grande exemplo de amor ao próximo e trabalhos voluntários.” Mais uma vez o jornal parece descartar o discurso do contraditório, pois o texto não menciona a opinião da prefeitura ou a tentativa do jornal em ouvi-la.

No Face e no Dia

Apesar de ter seu nome citado diariamente pela imprensa de Maricá, Washington Quaquá não costuma falar com os jornais locais. Além de usar sua página no Facebook, ele tem optado por falar a O Dia. Foi para esse diário carioca que o prefeito concedeu uma longa entrevista publicada no dia 11 de outubro. Recentemente, o mesmo jornal publicou um caderno promovendo as obras da gestão Quaquá.

Numa longa entrevista concedida ao jornal no dia 11 de outubro de 2015, Quaquá falou do hospital: “Desapropriei 130 mil metros quadrados para construir o Hospital Che Guevara. Já iniciamos a terraplenagem. Um vereador, o único da oposição, me criticou porque dei esse nome ao hospital. Mas o governo é meu e coloco o nome que eu quero. Che foi um grande líder e era médico. Podia ser Hospital General Médici, se fosse feito pela direita conservadora, pela ditadura.”

Marica MarInfoMultaPetro

Quaquá também demonstrou irritação ao falar da intensa disputa que trava com a Petrobras pelo aumento na receita municipal do pré-sal. “Estou nervoso com a Petrobras,” disse. “Tem dois campos ali na Bacia de Santos. Para efeito de exploração, eles [a Petrobras] unificaram dois campos. Se você junta e aumenta a produção do petróleo, você tem que pagar mais participação especial. Maricá está perdendo R$ 300 milhões em participação especial, mais R$ 150 milhões em royalties. Na verdade, eu estou perdendo R$ 450 milhões.”

O prefeito externou ainda o seu descontentamento com o Comperj, o complexo petroquímico da Petrobras em construção desde 2008 no município vizinho de Itaboraí.

O emissário submarino do Comperj, que lançará rejeitos em alto-mar, corta o território de Maricá. A fim de receber uma verba para reparos ambientais na cidade, Quaquá chegou a embargar a obra da Petrobras em fevereiro de 2015.

“Deixei três meses a obra paralisada para fazer com que eles liberassem R$ 20 milhões para um obra de drenagem em Itaipuaçu, onde eu também boto R$ 10 milhões. São vários litígios com a Petrobras,” disse Quaquá a O Dia. Era um monte de problemas. Por exemplo, cortaram um morro, vazou uma água desse lugar e eles deixaram vazando.”

O Observatório entrou em contato com a Petrobras para ouvir a empresa sobre a disputa dos royalties e as obras do emissário submarino, mas não obteve resposta. O prefeito Washington Quaquá também foi procurado por e-mail e telefone, através da prefeitura, mas não retornou os contatos.

Na cobertura local de Maricá tanto sobre os royalties do pré-sal quanto sobre o embargo das obras da Petrobras, o MaricáInfo publicou matérias que refletem apenas a posição da prefeitura, sem ouvir a empresa. Este é o caso, por exemplo, de um artigo do jornal de 13 de outubro de 2015 que reproduz trechos da entrevista do prefeito a O Dia.

Por outro lado, ao reportar sobre a verba que a cidade obtém com a extração do petróleo, o ItaipuaçuSite estampou uma manchete altamente opinativa em 05 de outubro de 2015: Este ano, Maricá já recebeu R$ 170 milhões de ‘royalties’ e qualidade de vida do povo continua péssima.

Segundo o ItaipuaçuSite, “de acordo com o Portal da Transparência da Prefeitura de Maricá, nos anos anteriores as despesas pagas com recursos dos royalties foram variadas através de compras de máquinas niveladoras, netbooks e móveis, além de pagamentos com aluguéis, programas sociais (cartão mumbuca), veiculação de anúncios institucionais em jornais e blogs e contratação de artistas para shows na praça central da cidade.”

***

Diego Smirne, Giuliana Viggiano e Regina Santana são alunos  da disciplina de Ética, da Graduação em Jornalismo na Escola de Comunicações e Arte, da Universidade de São Paulo.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem