Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

IMPRENSA EM QUESTãO > OS 40 DO MENSALÃO

Polícia Federal, STF e o recado de Veja

Por Angelo Augusto Costa em 21/08/2007 na edição 447

É difícil para um profissional do Direito resistir à tentação de escrever sobre a capa da última edição de Veja (nº 2022, de 22/8/2007), que traz quatro ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) – Sepúlveda Pertence, Celso de Mello, Marco Aurélio e Gilmar Mendes – em fotos que revelam expressões graves, sisudas, preocupadas, sobre um título quase sensacionalista: ‘Medo no Supremo’.

Devo dizer que minha resistência em particular tem um motivo. Na última vez em que observei, neste espaço, os comentários dos leitores foram azedos, grosseiros e ignorantes, talvez porque, acostumado à liberdade, este pobre observador não tenha poupado o governo de críticas. Além disso, elogiei a imprensa – pecado nefando! Desgostei-me. Afinal, quem lê o Observatório? Para que leitores escrevemos nós, colaboradores voluntários deste projeto de controle social e pluralista da mídia?

Em todo caso, a matéria de Veja desafiou-me e cá estou. Primeiro, abri a revista e lá não encontrei notícias ou análises que justificassem a capa. Apenas a velharia de supostos grampos no Supremo, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e no Superior Tribunal de Justiça (STJ), requentada com declarações de um único ministro que diz ter certeza de que foi grampeado (Gilmar Mendes), num episódio, aliás, divulgado pela mídia à época. De resto, a reportagem ouviu o relato de Sepúlveda, que foi vítima de vazamento de grampos legítimos (também divulgados à época), de Marco Aurélio e Carlos Britto, que tomam em seus diálogos telefônicos alguns cuidados ensinados em qualquer curso de iniciação para magistrados, e de Celso de Mello, que nem mesmo fala ao telefone, mas quis expressar sua indignação.

Assalto e furto

Veja reconhece que ouviu apenas sete dos onze ministros; e que dois dos sete ouvidos não têm medo de grampos. Logo, cinco ministros disseram temer por sua privacidade ao telefone, número que, segundo a página da revista na internet, teria subido para seis, com o ministro Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão, em declarações à Folha de S.Paulo no domingo (19/8). Apesar de Barbosa haver dito à Folha que não dispunha de ‘nenhum elemento para afirmar que possa ter acontecido ou esteja acontecendo’ o grampo em suas linhas.

Pode-se dizer que a existência de cinco ou seis ministros do STF com medo de escutas ilegais já é uma notícia. Em resposta a esse argumento, bastaria lembrar que neste ano dois ministros foram assaltados – isso mesmo, assaltados – em veículos oficiais no Rio de Janeiro. Aliás, os bandidos levaram o próprio carro em que estavam Gilmar Mendes e Ellen Gracie, pertencente ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Algum tempo antes o ministro Marco Aurélio teve seu relógio surrupiado no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Seria notícia para a capa de Veja o fato de que ministros do Supremo têm medo de assalto?

Grampos não confirmados

Ainda em defesa da reportagem, Veja poderia afirmar que, ao contrário dos roubos, os grampos ilegais em geral são feitos por pessoas ligadas à polícia ou a órgãos de inteligência, com intenções obscuras, o que tornaria mais grave e digno de registro jornalístico o medo dos ministros. Ocorre que o medo é sempre e apenas medo. Pode ser justificado, ou não. Medo de grampo, no Brasil, toda autoridade que fala ao telefone tem. Diziam que o ex-ministro José Dirceu, quando ainda despachava no Palácio do Planalto, ao lado do presidente da República, usava mil e um artifícios para despistar curiosos que estivessem na linha. Outros ministros, juízes, procuradores e delegados também são cautelosos no uso de telefones. Não consta que Veja tenha dado uma capa sobre isso.

Não deixa de ser curioso observar que, em dado momento da reportagem sobre o medo de grampo no Supremo, a revista deriva para críticas às escutas telefônicas legítimas realizadas pela Polícia Federal (PF) e ao trabalho de rastreamento de grampos ilegais nos tribunais feito igualmente pela PF. Há relatos de conversas perdidas por ‘problemas técnicos’, de diálogos que teriam durado mais tempo do que o afirmado pela polícia e, claro, de vazamentos seletivos para a imprensa. A revista ouviu Ricardo Molina, perito ligado à Unicamp que costuma ser contratado em disputas judiciais e dono de uma empresa de segurança que assegura ter encontrado vestígios de grampos nos telefones de ministros do TSE – não confirmados pela PF.

Incompetência improvável

Essa obsessão pelo trabalho da PF faz sentido. Ao ler a matéria com mais cuidado, tem-se a impressão – correta ou não – de que a revista foi portadora de um recado da toga e, talvez, do ministro da Justiça a um grupo da Polícia Federal identificado apenas como ‘banda podre’. Isso tudo às vésperas da decisão do Supremo sobre a acusação dos quarenta do mensalão. A revista e suas fontes talvez saibam a quem se dirigia a mensagem; os verdadeiros destinatários também. É possível que o timing seja relevante por algum motivo não revelado. Agora, é certo que o alvo de Veja foi a PF – ou, melhor, alguém dentro da PF.

Sim, mas como fica o público nessa história? Se minha hipótese estiver correta, os leitores de Veja permanecem desinformados, vítimas de um jogo de poder em que a imprensa se deixa usar por autoridades para dissuadir uma etérea ‘banda podre’ da PF num momento politicamente delicado; a revista teria o dever, nesse caso, de abrir todo o jogo, seja ele qual for. Agora, se a teoria for equivocada, então ou a reportagem de Veja foi apenas ruim, fria, abstrata, sem nenhum atributo que justificasse a capa, ou o jogo era outro, que em minha ignorância não consegui entender. Infelizmente, não acredito muito na incompetência de Veja. A minha é mais plausível.

******

Procurador da República, São José dos Campos, SP

Todos os comentários

  1. Comentou em 30/04/2010 Alan Claudio Melo

    Sou pai de uma menina de 6 anos e gostaria denuncia meu caso. Minha filha fora agredida e molestada pelo padastro (tudo comprovado por laudos psicossociais NASP e SENTINELA), mas nada até o momento fora feito a respeito. Isso é fácil de entender, porque o agressor/molestador é cunhado de um juiz aposentado de grande influencia tanto no meio jurídico (OAB-ES,MP-ES,TJ-ES e Policias) quanto político; por isso minha iniciativa para em denunciar, pois minha filha é refém da própria mãe que é conivente com tudo isso. Tentei fazer denuncias ao Senador Magno Malta, mas o mesmo mostrou-se insensível ao caso de minha filha, o mesmo pertence ao partido do Prefeito de minha cidade. Esses parentes do agressor de minha filha financiam campanhas eleitorais de muitos candidatos, este é o verdadeiro motivo do descaso do Senador magno Malta, inclusive financiaram a campanha do prefeito Neucimar o qual concedendo a um pedido deles, retirou minha filha do atendimento do programa Sentinela de atendimento a crianças e adolescentes vitimas de agressões e abuso sexual sem que seu tratamento fosse concluído. O que peço a vcs é somente o direito de ser ouvido p/ comprovar tudo que vem acontecendo com minha filha (com documentos), provando o descaso, corporativismo, prevaricação e protecionismo do poder judiciário, Ministério Publico e outros setores ao agressor PEDOFILO. Denunciando esses crimes.

  2. Comentou em 30/04/2010 Alan Claudio Melo

    Sou pai de uma menina de 6 anos e gostaria denuncia meu caso. Minha filha fora agredida e molestada pelo padastro (tudo comprovado por laudos psicossociais NASP e SENTINELA), mas nada até o momento fora feito a respeito. Isso é fácil de entender, porque o agressor/molestador é cunhado de um juiz aposentado de grande influencia tanto no meio jurídico (OAB-ES,MP-ES,TJ-ES e Policias) quanto político; por isso minha iniciativa para em denunciar, pois minha filha é refém da própria mãe que é conivente com tudo isso. Tentei fazer denuncias ao Senador Magno Malta, mas o mesmo mostrou-se insensível ao caso de minha filha, o mesmo pertence ao partido do Prefeito de minha cidade. Esses parentes do agressor de minha filha financiam campanhas eleitorais de muitos candidatos, este é o verdadeiro motivo do descaso do Senador magno Malta, inclusive financiaram a campanha do prefeito Neucimar o qual concedendo a um pedido deles, retirou minha filha do atendimento do programa Sentinela de atendimento a crianças e adolescentes vitimas de agressões e abuso sexual sem que seu tratamento fosse concluído. O que peço a vcs é somente o direito de ser ouvido p/ comprovar tudo que vem acontecendo com minha filha (com documentos), provando o descaso, corporativismo, prevaricação e protecionismo do poder judiciário, Ministério Publico e outros setores ao agressor PEDOFILO. Denunciando esses crimes.

  3. Comentou em 18/02/2009 Robson Da Lua

    RIO DE FEVEREIRO DE 2009

    Castelo de Areia

    ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESCULTORES DE ARTE EM AREIA

    Viemos por meio desta convidar os prezados amigos da imprensa para comparecer, no dia10 de março, às14: 00h, na Rua Djalma Ulrich nº 91, sala 301, tel (21) 93600395 (Dilse secretária),(21)82954288 (Robson coordenador G) Copacabana, para conhecer nossa nova instalação, e falar sobre a Associação e nossos projetos sociais, artísticos e culturais. Vamos falar também sobre o 1º Festival Carioca de Esculturas de Areia, que conta com o apoio e patrocínio da atual Prefeitura do município do Rio de Janeiro.

    A CASTELO DE AREIA tem como objetivo principal promover o reconhecimento e a valorização da profissão dos escultores de areia, estimulando o aperfeiçoamento e o cumprimento de legislações que instrumentalize a
    Consecução dos presentes objetivos: promover ações que visem melhorar as condições dos profissionais escultores componentes do timer de escultores da castelo D´ areia nos aspecto financeiro através de remunerações mensais justas e de segurança da conquista dos espaço onde apresentam as suas obras de arte, implantação dos seus postos oficiais e da exploração por cada escultor

  4. Comentou em 13/11/2008 Denúncia Anônima

    Mando este e-mail anônimo para denunciar que jornalistas da TV Aparecida estão sendo obrigados a adquirir o DRT para corrigir um erro cometido no ato da contratação dos funcionários.
    Quando a TV precisava entrar no ar, o departamento de Recursos Humanos contratou diversas pessoas (para trabalhar na PRODUÇÃO de programas) que não possuíam registro profissional (nem Mtb, nem DRT). Agora, eles obrigam os jornalistas que trabalham nos programas semanais e diários a adquirirem o DRT, para se afiliarem a outro sindicato. Enquanto isso, apenas o departamento de jornalismo pertence ao sindicato da categoria. Seria interessante o sindicato de São Paulo verificar o assunto, uma vez que todos executam as mesmas funções, independente do programa ou boletim jornalístico. Não é a primeira vez que a TV Aparecida não respeita jornalistas formados.

  5. Comentou em 13/11/2008 Denúncia Anônima

    Mando este e-mail anônimo para denunciar que jornalistas da TV Aparecida estão sendo obrigados a adquirir o DRT para corrigir um erro cometido no ato da contratação dos funcionários.
    Quando a TV precisava entrar no ar, o departamento de Recursos Humanos contratou diversas pessoas (para trabalhar na PRODUÇÃO de programas) que não possuíam registro profissional (nem Mtb, nem DRT). Agora, eles obrigam os jornalistas que trabalham nos programas semanais e diários a adquirirem o DRT, para se afiliarem a outro sindicato. Enquanto isso, apenas o departamento de jornalismo pertence ao sindicato da categoria. Seria interessante o sindicato de São Paulo verificar o assunto, uma vez que todos executam as mesmas funções, independente do programa ou boletim jornalístico. Não é a primeira vez que a TV Aparecida não respeita jornalistas formados.

  6. Comentou em 26/08/2007 fabricio ferreira

    Eu escrevi um comentario que foi todo sensurado, e vai este agora: O reporte escreveu uma materia execelente!

  7. Comentou em 21/08/2007 Cid Elias

    Antônio Carvalho, ilustre dotô aqui de Fortaleza: o nobre homem das leis se formou aonde mesmo? Fiquei curioso… Um PROFISSIONAL do direito achar que, se um ministro ‘suspeitar ou ter impressão de estar sendo vítima de grampos’, este fato em si consiste num ESCÃNDALO, isto sim É um escândalo! Basear-se em suspeitas, em impressões? E também, segundo um doutô destes, em ‘impressões’? Senhor advogado, senhores juízes, cadê as provas? Seria aceitável um absurdo destes em um país democrático, num país onde realmente existisse o Estado de Direito? Que tipo de advocacia o doutô defende? Escãndalos…

  8. Comentou em 21/08/2007 Cid Elias

    Antônio Carvalho, ilustre dotô aqui de Fortaleza: o nobre homem das leis se formou aonde mesmo? Fiquei curioso… Um PROFISSIONAL do direito achar que, se um ministro ‘suspeitar ou ter impressão de estar sendo vítima de grampos’, este fato em si consiste num ESCÃNDALO, isto sim É um escândalo! Basear-se em suspeitas, em impressões? E também, segundo um doutô destes, em ‘impressões’? Senhor advogado, senhores juízes, cadê as provas? Seria aceitável um absurdo destes em um país democrático, num país onde realmente existisse o Estado de Direito? Que tipo de advocacia o doutô defende? Escãndalos…

  9. Comentou em 21/08/2007 Cid Elias

    Vejam a ‘coincidência’: o artigo acima, em poucas horas teve 29 comentários, sendo a maioria esmagadora de leitores defendendo a veja, e/ou elogiando o autor(como um ser pensante defende uma revisteca que mente na primeira página?). Talvez não seja ‘coincidência. Me parecem comentaristas ‘convidados’, pois são nomes estranhos neste espaço, e usam expressões elogiosas demais(tipo ‘ARRASOU’) para a pobreza de um artigo onde o autor confessa ‘se minha HIPÓTESE estiver correta’. Digo me parecem porque no primeiro artigo do procurador angelo, postado em 24/07/07, houve 77 comentários. Se levarmos em conta que um tal thiago e um tal marco foram, com a costumeira sabedoria, responsáveis por 18 desses comentários, sobram 59. menos 3 réplicas minhas = 56. Curiosamente, dos 56, NENHUM elogia o autor! É óbvio que o tema era outro, aquele sobre o silêncio dos juízes no caso TAM, mas, do mesmo modo deste, posicionava-se contra o governo. Aqui, o seguidor da nova moda ‘testando hipóteses’, testa algumas, tipo ‘diziam que o Zé Dirceu…’ ou a pérola ‘tem-se a impressão –correta ou não– de que a revista foi portadora de um recado da toga e, talvez, do ministro da Justiça a um grupo da Polícia Federal..’, e fechando com chave de ouro, solta a hipótese probabilidade ZERO ‘a imprensa se deixa usar por autoridades para dissuadir uma etérea ‘banda podre’ da PF num momento politicamente delicado;’

  10. Comentou em 21/08/2007 Maria Socorro Guimaraes Pinheiro Guimarares Pinheiro

    é certo que o alvo de Veja foi a PF – ou, melhor, alguém dentro da PF. Quem a revista que intimidar? não acredito muito na incompetência de Veja, já que o supremo vai julgar o Mensalão do qual Eduardo Azeredo já foi indiciado. Por que não continua desgostoso, deixa de puxa saco, pois eu lhe digo o Brasil inteiro já sabe o que a veja podre quer?????????????? Pergunte ao povão, saia de sua cadeira, levante o seu traceiro da sua cadeira e venha perguntar na rua o que o povo pensa desses jornalista pobres que fazem a mídia golpista, nos vamos para a rua defende o governo do povo, que o brasileiro e o nordestino quer e ama. Lula até morre, e com certeza quem vai morrer e a globo, O estragão (estadão), folha da podre São Paulo oh!!!!!!!! povo ignorante esse de São Paulo. e tudo que for Abril…………… Sabe aquele gesto do Ministro e meu também no mais perfeito significado, literalmente.

  11. Comentou em 21/08/2007 Maria Socorro Guimaraes Pinheiro Guimarares Pinheiro

    é certo que o alvo de Veja foi a PF – ou, melhor, alguém dentro da PF. Quem a revista que intimidar? não acredito muito na incompetência de Veja, já que o supremo vai julgar o Mensalão do qual Eduardo Azeredo já foi indiciado. Por que não continua desgostoso, deixa de puxa saco, pois eu lhe digo o Brasil inteiro já sabe o que a veja podre quer?????????????? Pergunte ao povão, saia de sua cadeira, levante o seu traceiro da sua cadeira e venha perguntar na rua o que o povo pensa desses jornalista pobres que fazem a mídia golpista, nos vamos para a rua defende o governo do povo, que o brasileiro e o nordestino quer e ama. Lula até morre, e com certeza quem vai morrer e a globo, O estragão (estadão), folha da podre São Paulo oh!!!!!!!! povo ignorante esse de São Paulo. e tudo que for Abril…………… Sabe aquele gesto do Ministro e meu também no mais perfeito significado, literalmente.

  12. Comentou em 21/08/2007 João Antônio Jardim

    Pérola colhida no UOL
    21/08/2007 – 09h28
    Ronaldo Esper é absolvido de furto de vasos
    O estilista e apresentador Ronaldo Esper, 63, foi absolvido na semana passada da suposta tentativa de furtar dois vasos, em janeiro, no cemitério do Araçá (zona oeste).

    O juiz Marcio Lucio Falavigna Sauandag, da 30ª Vara Criminal de SP, alega que a conduta de retirar os vasos de um local abandonado não constitui crime.

    Procurado, o Ministério Público Estadual, que denunciou Esper, não informou se vai recorrer. O estilista disse que é inocente.

    SENHORES CONTRAVENTORES, O CAMINHO ESTÁ LIVRE! NOS CEMITÉRIOS PAULISTAS COMO TUDO É CONSIDERADO ‘ABANDONADO’ PELA JUSTIÇA (PELO MENOS A DE SP.) ESTEJAM À VONTADE!

    DEPOIS QUEREM QUE O POBRE ACREDITE QUE EXISTE JUSTIÇA NO BRASIL…

  13. Comentou em 21/08/2007 Wilton saraiva

    Faz tempo que VEJA deixou de fazer jornalismo sério. VEJA transformou-se em mais um desses folhetins de movimento estudantil. Hugo Chaves se elegeu não só por culpa de quem votou nele, mas também por culpa de quem faz jornalismo tipo o que VEJA faz no momento. Se VEJA é contra o governo, tem todo o direito de ser, acontece que a liberdade de imprensa mesmo tendo que ser ampla também exige um pouco de ética.

  14. Comentou em 21/08/2007 Manoel Vieira

    Seus comentários precisam de uma correção: Gilmar Mendes e Ellen Gracie são do STF, se a referencia foi ao carro, está muito mal colocada a frase.
    Acredito justas suas colocações sobre o trabalho de Veja. No entanto, deveria ser também criterioso com seu patrão, o Portal IG, que mantém nos quadros o ‘Dublê’ de Jornalista Paulo H.Amorim, pois o mesmo usa desses artifícios, mencionados em seu artigo, só que todos os dias, principalmente quando envolve direta, ou indiretamente o Sr. José ‘mil disfarces’ Dirceu. Baixando o nível quando fala de José Serra e Fernando H. Cardoso. Repito… muito justa suas afirmações sobre a Revista Veja, mas cobre de seu patrão, o IG, uma posição sobre a mesma postura do citado articulista. Obrigado.

  15. Comentou em 21/08/2007 Manoel Vieira

    Seus comentários precisam de uma correção: Gilmar Mendes e Ellen Gracie são do STF, se a referencia foi ao carro, está muito mal colocada a frase.
    Acredito justas suas colocações sobre o trabalho de Veja. No entanto, deveria ser também criterioso com seu patrão, o Portal IG, que mantém nos quadros o ‘Dublê’ de Jornalista Paulo H.Amorim, pois o mesmo usa desses artifícios, mencionados em seu artigo, só que todos os dias, principalmente quando envolve direta, ou indiretamente o Sr. José ‘mil disfarces’ Dirceu. Baixando o nível quando fala de José Serra e Fernando H. Cardoso. Repito… muito justa suas afirmações sobre a Revista Veja, mas cobre de seu patrão, o IG, uma posição sobre a mesma postura do citado articulista. Obrigado.

  16. Comentou em 08/08/2007 João Paulo Marques

    Por que jornalista não pode ser partidário

    Quem disse que jornalista não deve ter partido político? Será que foram os mesmos que disseram que tais profissionais não precisavam de diplomas? De onde será que vem tal discurso repetido em tudo que é faculdade de jornalismo. Será que foram os mesmos que ainda acreditam na imparcialidade?

    Ora, sem essa de acreditar no apartidarismo. Vivemos em uma sociedade partida. Os jornalistas pertencem a uma classe específica e, até onde consigo lembrar, não são, na maioria, pertencentes a elites. O salário esta aí para provar. O repórter de tal jornal não “pode” ser filiado, mas o seu chefe, dono do jornal, é deputado! Que coisa, não?

    Anular o desejo de militar em uma legenda, qualquer que seja ela, é tornar o profissional cada vez mais alienado, submerso a seus superiores. Que o partidarismo sirva, pelo menos, como uma forma de resistência à ‘dominação ideológica’ dos seus contratantes.

  17. Comentou em 08/08/2007 João Paulo Marques

    Por que jornalista não pode ser partidário

    Quem disse que jornalista não deve ter partido político? Será que foram os mesmos que disseram que tais profissionais não precisavam de diplomas? De onde será que vem tal discurso repetido em tudo que é faculdade de jornalismo. Será que foram os mesmos que ainda acreditam na imparcialidade?

    Ora, sem essa de acreditar no apartidarismo. Vivemos em uma sociedade partida. Os jornalistas pertencem a uma classe específica e, até onde consigo lembrar, não são, na maioria, pertencentes a elites. O salário esta aí para provar. O repórter de tal jornal não “pode” ser filiado, mas o seu chefe, dono do jornal, é deputado! Que coisa, não?

    Anular o desejo de militar em uma legenda, qualquer que seja ela, é tornar o profissional cada vez mais alienado, submerso a seus superiores. Que o partidarismo sirva, pelo menos, como uma forma de resistência à ‘dominação ideológica’ dos seus contratantes.

  18. Comentou em 30/01/2007 savio jorge da cunha

    Eu tenho um costume que aprendi ainda na faculdade, quando estudante, que para vc ser uma pessoa bem informada, não basta apenas assistir apenas um noticiário, e sim pelo menos dois, um de cada emissora de tv, uns dois jornais escritos diferentes. Ontem a noite só reforçou essa teoria. O noticiário da Record comentou a causa ganha na justiça brasileira – e que justiça – pelos donos da Igreja Renascer, onde a revista Época relatavam a falcatrua do casal.
    Já o Jornal Nacional, na emissora Globo, nem sequer tocou no assunto. Acho lastimável essa posição da Globo que ainda insistem em dizer que o noticiário por eles editados são totalmente voltados ao cunho jornalístico e que visam a informação total do telespectador.
    Obrigado.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem