Quarta-feira, 17 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1046
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Por que o ‘paquiderme’ incomoda a oposição?

Por Gilson Caroni Filho em 21/07/2009 na edição 547

Falta de seriedade e má-fé não costumam dar bons resultados em profissão alguma. Em jornalismo, a união das duas ‘qualidades’ costuma ser fatal. Se, de um lado, agrada ao leitor militante, aquele para quem a informação serve apenas para reiterar sua visão de mundo biliosa, de outro, põe em xeque a existência da própria imprensa como principal instância de visibilidade da vida pública. A justeza dessas observações parece não preocupar os editores deO Globo. Pelo menos, os de política e economia.


Em sua edição de quinta-feira (16/7), no alto da página 3 encontramos um artiguete que parece reforçar a tese de que a procura de isenção deve começar reunindo tudo o que houver de mais parcial, distorcido e tendencioso. A verdade, nas grandes redações, costuma estar escrita em código na mentira deslavada.


Intitulado ‘Ato falho’, o pequeno editorial destila raiva e descontextualização. Serve puramente como pretexto para o jornalismo de campanha. Um vale-tudo que, ao contrário da luta que leva esse nome, não tem quaisquer impedimentos, sendo permitidas cotoveladas, cabeçadas e, principalmente, barrigadas. O objetivo primário é suprir a ausência de discurso organizado da oposição, animando o seu eleitor com critérios de análise baseados no denuncismo vazio.


Venda de ações e manipulação de preços


Vamos ao texto doGlobo: ‘Embalado pelo clima de comício que tem acompanhado suas incursões pelo país, Lula saiu em defesa da Petrobras, supostamente ameaçada de privatização. (…) `Esse paquiderme agora é nosso.´ Pode ser simples menção ao slogan pela criação da estatal na década de 50 – `O petróleo é nosso´ – ou um ato falho derivativo do poder que sindicatos passaram a ter na empresa desde 2003. Por ironia, este aparelhamento é que significou uma privatização, só que em benefício de pequenos grupos de militantes sindicais e de partidos aliados ao Palácio.’


No desdobramento do raciocínio do editor, o que há de plausível? O que vem a ser o ‘aparelhamento’ que freqüenta as páginas do jornal com a mesma assiduidade que as louvações ao mercado e as contumazes críticas à ineficiência do Estado? Se o termo se refere a loteamento, entre militantes do partido e políticos da base aliada, de cargos estratégicos na administração da Petrobras, seria interessante uma matéria dominical que demonstrasse a existência de fisiologismo no fato de funcionário de carreira de uma empresa estatal ter preferência partidária. E mais: que essa preferência atropele planos de carreira ou premie a incompetência.


Seria o caso de perguntar em que governo oGlobo viu a administração pública ser ocupada por burocratas ideais weberianos? No de Fernando Henrique Cardoso, que vendeu 36% das ações da Petrobrás, que pertenciam à União Federal, na bolsa de Nova York, por cerca de US$ 5 bilhões, sendo que hoje elas valem mais de 120 bilhões? A excelência administrativa consiste, como foi feito no governo tucano, em manipular a estrutura de preços dos derivados do petróleo em benefício das distribuidoras?


O que incomoda o entreguismo


Uma empresa ‘não aparelhada’ é aquela que descumpre acordo de aumento de salários e reprime o movimento de sindicalistas com forças do exército? A boa gestão é a que quebra o monopólio estatal do petróleo? O modelo ideal é aquele em que a Petrobrás descobria bacias de petróleo e o investimento era transferido para o exterior através dos criminosos leilões da ANP?


Os artiguetes doGlobo e a CPI da Petrobras têm o mesmo objetivo: além de interesses eleitorais, visam a destruir a empresa vista por Sérgio Motta, ministro e amigo de FHC, como ‘um paquiderme que consumia US$ 9 bilhões em importações, prejudicando a balança comercial e a sociedade brasileira’. Segundo ele, caberia a David Zylbersztajn, então diretor da ANP, desmontar ‘osso por osso’ a estatal. Essa é a missão que mobiliza quadros políticos do consórcio demo-tucano. Além da sobrevivência política, esse é o eixo das perorações de Arthur Virgílio, Álvaro Dias e Demóstenes Tôrres, entre outros representantes da direita figadal. Não é por outro motivo que os jornais se empenham em investigar ‘irregularidades inadmissíveis’.


O que está em jogo é o destino de uma empresa que hoje está em quarto lugar entre as 200 maiores do mundo. Some-se a isso um futuro marco regulatório – que, segundo o presidente Lula, ‘irá balizar o setor e evitará que outros governos tentem `privatizar´ o insumo e conceder sua exploração a empresas privadas’ – e surge a noção exata do paquiderme que incomoda o entreguismo.

******

Professor de Sociologia das Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), no Rio de Janeiro, colunista da Carta Maior e colaborador doJornal do Brasil

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem