Terça-feira, 24 de Abril de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº983
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO > JORNALISMO DE VAZAMENTOS

Quem é o pai do dossiê

Por Luciano Martins Costa em 03/04/2008 na edição 479

Se a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, vinha sendo apontada como a mãe do suposto dossiê com informações sobre gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a identidade do pai acaba de ser revelada. Trata-se do senador Álvaro Dias, do PSDB do Paraná.


Dito assim, o caso pode dificultar o entendimento do leitor mais distraído. No entanto, essa é a verdade, segundo os jornais de quinta-feira (3/4).


O senador Álvaro Dias admitiu que conhecia o teor dos papéis que a oposição e a imprensa afirmam ser parte de um dossiê montado pelo governo para se defender das acusações de mau uso de cartões corporativos. Mas não quer contar de quem os recebeu.


A revelação de que um senador da oposição pode ter sido o responsável pelo vazamento de informações sigilosas sobre gastos do ex-presidente transformou a sessão de quarta-feira (2) da CPI dos Cartões Corporativos num verdadeiro pandemônio. A presidente da CPI, senadora Marisa Serrano, já fala até em encerrar os trabalhos prematuramente, o que agradaria ambos os lados.


Só deixaria de agradar os eleitores, que ficariam sem saber se governo e oposição estão escondendo suas mazelas comuns ou se, como na comédia de Shakespeare, tudo não passou de muito barulho por nada.


Um dilema


O fato é que a revelação de que o senador Álvaro Dias teve os papéis em mãos ainda antes de serem publicados pela revista Veja o coloca em primeiro lugar na fila de suspeitos de haver dado trânsito público a informações sigilosas. Os jornais de quinta-feira não fazem referência ao fato, mas há cerca de duas semanas ele foi acusado de tentar esvaziar a CPI.


A revelação de que ele conhecia os dados que foram publicados pela revista Veja como sendo um dossiê do governo pode explicar seu interesse em extinguir a CPI antes da hora. No entanto, a notícia levanta novas dúvidas, que os jornais de quinta-feira não respondem.


Uma delas: já que foram revelados os nomes do pai e da mãe da papelada, a imprensa poderia levar o jogo um pouco mais adiante e revelar também o nome do padrinho. Porque não deve passar pela cabeça de um jornalista que o senador Álvaro Dias repassaria um calhamaço de papéis que poderiam causar algum desconforto ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sem antes consultar o principal interessado. Ou, pelo menos, sem informar o líder do partido no Senado.


Fica, então, a imprensa no seguinte dilema: ou o senador paranaense é leviano e futriqueiro, ou outras figuras importantes da política sabiam da história toda.


O papel da imprensa


Qualquer que seja a alternativa escolhida pelo leitor para interpretar os novos fatos, esta é uma boa oportunidade para uma discussão sobre o papel da imprensa.


Se, de fato, os papéis que o senador Álvaro Dias teve em mãos compunham um dossiê montado por gente do governo para chantagear a oposição, qual deveria ser o procedimento adequado para a imprensa? Divulgar o conteúdo, ainda que parcialmente, para satisfazer a curiosidade geral, ou investigar suas origens, sua integridade, e apresentar ao público um quadro mais completo? Afinal, não se pode perder de vista que o interesse geral é conhecer como as autoridades gastam o dinheiro público.


Se o tal dossiê não passa de uma coleção aleatória de dados, juntados para fazer barulho em proveito deste ou daquele partido, quem acaba chamuscado é o próprio jornalismo.
O leitor foi levado, nos últimos dias, a discutir um assunto importante como o controle das despesas do governo com base em informações que, conforme se sabe agora, não têm muita consistência.


Como a tendência, no jogo político, é que os impasses sejam resolvidos com a velha e tradicional pizza, o que se tem é que a imprensa, mais uma vez, criou um fato, alimentou a fogueira das vaidades e prepara a retirada de cena sem maiores explicações.


Os políticos dizem e desdizem com a mesma cara diante das câmeras. A imprensa não pode fazer isso. Afinal, credibilidade é o seu principal patrimônio.

Todos os comentários

  1. Comentou em 07/04/2008 Ricardo Pierri

    Thiago, é inútil tentar dialogar com quem parte de uma opinião pré-formada e continua a tentar moldar os fatos à ela. A inclusão dos dados – que é a única coisa que os FATOS nos permitem concluir existir – referentes aos gastos do desgoverno FHC à base de dados do Estado é legítima e desejável, principalmente em face do fato de que se ocorreu algum desvio, este não preclui e nem é afastado pela mudança de governo ou pelo julgamento formal das contas pelo TCU, não importa se vc a chama maliciosamente de ‘investigação’. A afirmação de q esses dados tem a finalidade de ser usado em chantagem, além de ser obviamente preconceituosa por não ter nenhum fundamento fático mas apenas ‘ideológico’, ainda contraria o fato de que nenhuma daquelas informações copiadas do banco de dados legítimo por algum espião e formatada em uma planilha separada seja comprometedora e de que TODAS as informações não sigilosas sobre os gastos corporativos do gov FHC estão sendo incluídos no SUPRIM e estarão disponíveis a todos através do Portal da Transparência – que é o q parece q estão tentando a todo custo evitar. Se a eventual utilização política desses dados públicos é chantagem, tbm o é a utilização política atual dos dados sobre os gastos do atual governo. Ou será q vc não se importa com a inconsistência e hipocrisia? (cont)

  2. Comentou em 06/04/2008 Ricardo Pierri

    ‘Ricardo Pierri, ela admitiu que ordenou uma investigação do governo anterior afim de produzir um dossiê/banco de dados.’ É cegueira ideológica ou má-fé que o leva a distorcer o que foi dito pela ministra, thiago? ela não falou em ‘investigação’ alguma, mas na organização de dados para serem acrescentados ao SUPRIM. Como o Ivan, já me cansei de sua má-fé que, no final das contas, é uma ofensa à inteligência alheia de tão clara a manipulação dos fatos para q se encaixem em sua paranóia e histeria. Sua desonestidade encheu a minha paciência.

  3. Comentou em 06/04/2008 Ricardo Pierri

    ‘Ricardo Pierri, ela admitiu que ordenou uma investigação do governo anterior afim de produzir um dossiê/banco de dados.’ É cegueira ideológica ou má-fé que o leva a distorcer o que foi dito pela ministra, thiago? ela não falou em ‘investigação’ alguma, mas na organização de dados para serem acrescentados ao SUPRIM. Como o Ivan, já me cansei de sua má-fé que, no final das contas, é uma ofensa à inteligência alheia de tão clara a manipulação dos fatos para q se encaixem em sua paranóia e histeria. Sua desonestidade encheu a minha paciência.

  4. Comentou em 06/04/2008 Ivan Moraes

    E haja mais esquizitice! Se Os Fafmosos Gastos De Fernando Henrique Cardoso Ja Estao Na Internet, porque razao nem sequer um jornal foi pesquizar los pra dar suporte aa hipotese de chantagem? Alguem quer responder? Entao eu respondo: porque a hipotese de chantagem foi tirada do rabo de espioes. (porque eh assim qeu espionagem funciona, so por isso)

  5. Comentou em 05/04/2008 Paulo Bandarra

    Para investigar o ‘crime’ da qual a Ministra Dilma é acusada, ela determinou que seus subordinados façam uma varredura e limpeza dos computadores para depois de limpos, ver com o ministro Filinto Muller, digo, Tarso Genro, quem denunciar (como bode expiatório)! O ‘vazamento’ que houve foi mostrar o que a Casa Civil, mais uma vez no governo Lula, vazia de ilegal e de imoral! Estão é dando uma limpa nos rastros do dossiê nos computadores para depois permitir a investigação! Desaparecer o que estavam fazendo para sumir com a escandalização do nada!

  6. Comentou em 05/04/2008 Paulo Bandarra

    Para investigar o ‘crime’ da qual a Ministra Dilma é acusada, ela determinou que seus subordinados façam uma varredura e limpeza dos computadores para depois de limpos, ver com o ministro Filinto Muller, digo, Tarso Genro, quem denunciar (como bode expiatório)! O ‘vazamento’ que houve foi mostrar o que a Casa Civil, mais uma vez no governo Lula, vazia de ilegal e de imoral! Estão é dando uma limpa nos rastros do dossiê nos computadores para depois permitir a investigação! Desaparecer o que estavam fazendo para sumir com a escandalização do nada!

  7. Comentou em 04/04/2008 Ricardo Pierri

    Thiago: ‘Não, ele primeiro afirmou isso, depois mudou de idéia dizendo que era ‘banco de dados’,’ – Jamais se negou a existência do tal banco de dados. Negou-se, e continua-se a negar, a confecção de um ‘dossiê’ PELA Casa Civil. ‘Banco de dados’ e ‘dossiê’, nessa discussão, são coisas diversas. Negar o segundo não é negar o primeiro e vice-versa. Se vc insistir na mentira, prove q o governo afirmou, em qquer momento, que não existia um banco de dados. Se não, tenha a decência e a honestidade intelectual de não repetir mentiras indefinidamente. Ricardo Ribeiro, ninguém disse q foi um tucano que hackeou os computadores, mas q foi um espião que ou hackeou ou forjou, a partir do banco de dados da casa civil, o tal dossiê.

  8. Comentou em 03/04/2008 Rogério Ferraz Alencar

    De Thomaz Magalhães: ‘Tentar colocar o senador Álvaro Dias no ‘centro’ desse escândalo do dossiê Dilma é pueril. Um consulta ao noticiário pela internet mostra notas sobre sua circulação entre os parlamentares já antes da denúncia da Veja. Não duvido que entre os políticos que ‘exigem’ de Álvaro apontar de quem recebeu o dossiê, estajam alguns que também o viram antecipadamente. ‘ É desalentador ser demo-tucano. Quando pensam que pegaram Dilma, têm que defender Álvaro. E é cada dedfesa pueril…//Artur Virgílio disse que Dilma era aloprada; A Folha batizou o caso de ‘Dilmagate’. E agora? Virgílio chamará Álvaro Dias de aloprado? A Folha rebatizará o caso como ‘Álvarogate’ ou como ‘Diasgate’?// Quem quiser ver a que ponto chegou Jânio de Freitas, que eu considerava um dos melhores e mais sérios jornalistas do Brasil, basta ler a coluna dele hoje, na Folha. Janio ainda vai virar um Clovis ou um Noblat.

  9. Comentou em 03/04/2008 Fernando Henrique

    Mais uma vez PIZZA e a imprensa com cara de tacho !!!!
    Porque isso?
    Porque a imprensa não fica em cima o suficiente para nos informar e outra se os políticos dizem e desdizem porque a imprensa não os atacam?
    Isso é medo, a imprensa é covardi avança enquanto a escândalo depois que a fogueia abaixa, kd a imprensa?
    Corre atrás de novos fatos.
    Todas essa avalanche de informação, quem nos passa?
    A imprensa.
    Acho que a imprensa precisa se focar em algo conscistente e deveria prolongar mais o assunto e não dar aquele destaque a notícia num dia e depois nunca mais sobre o assunto.
    A imprensa brasileira é ridícula nesse sentido.

  10. Comentou em 03/04/2008 Fernando Henrique

    Mais uma vez PIZZA e a imprensa com cara de tacho !!!!
    Porque isso?
    Porque a imprensa não fica em cima o suficiente para nos informar e outra se os políticos dizem e desdizem porque a imprensa não os atacam?
    Isso é medo, a imprensa é covardi avança enquanto a escândalo depois que a fogueia abaixa, kd a imprensa?
    Corre atrás de novos fatos.
    Todas essa avalanche de informação, quem nos passa?
    A imprensa.
    Acho que a imprensa precisa se focar em algo conscistente e deveria prolongar mais o assunto e não dar aquele destaque a notícia num dia e depois nunca mais sobre o assunto.
    A imprensa brasileira é ridícula nesse sentido.

  11. Comentou em 03/04/2008 Daniel Burgos

    A imprensa nestes últimos 3 anos com raríssimas exceções já se desfez do seu patrimônio de credibilidade.

  12. Comentou em 03/04/2008 Daniel Burgos

    A imprensa nestes últimos 3 anos com raríssimas exceções já se desfez do seu patrimônio de credibilidade.

  13. Comentou em 03/04/2008 Ivan Moraes

    ‘Manchetes desta quinta nos jornais’: ‘Confessamos: somos espioes sabotadores’.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem