Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Rede Chávez de notícias

Por Luiz Egypto em 28/01/2010 na edição 574

Mais um quiproquó entre o presidente Hugo Chávez e a mídia venezuelana. Desta vez a truculência chavista emparedou seis emissoras de TV por assinatura, entre elas a RCTV, este um canal oposicionista cuja concessão em sinal aberto não foi renovada ano passado pelo governo – daí sua opção por transmitir via cabo.


A verdade é que não há inocentes nessa história. O debate está radicalizado, há mortes nas ruas, a Venezuela é hoje um país dividido.


A mídia oposicionista pega pesado, foi cúmplice de uma tentativa de golpe de Estado em 2002, e o governo, que não deixa barato, responde sempre uma oitava acima. Com maioria folgada no Parlamento, aprovou, em 2004, uma de Lei de Responsabilidade Social em Rádio e TV e nela embutiu, no final do ano passado, um decreto segundo o qual as emissoras a cabo passaram a submeter-se às mesmas regras daquela legislação.


E onde foi que o caldo entornou? As emissoras por assinatura que tiverem pelo menos 70% de sua produção de conteúdo nacional agora são obrigadas a formar as cadeias de radiodifusão convocadas pelo governo, no mais das vezes para transmitir discursos do presidente Chávez. Quem não obedecer está sujeito a penas de multa e ‘suspensão administrativa’. De acordo com a ONG Human Rights Watch, citada na quarta-feira (27/1) pela Folha de S.Paulo, em 2009 foram 141 discursos – um deles com 7 horas e 34 minutos de duração.


O que será?


A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) monitorou a formação dessas cadeias governamentais de radiodifusão e contou, em 2008, 154 episódios desse tipo, nos quais o presidente Chávez usou 190 horas de falação – o que equivale a oito dias inteiros de palavrório. Noves foras o programa semanal Alô Presidente, veiculado aos domingos pela VTV (Venezolana de Televisión), que, como a antiga e brasileiríssima Discoteca do Chacrinha, ‘só acaba quando termina’.


Registre-se: há quem goste dessas longas perorações. Registre-se também: agride o espírito democrático o apetite com que o presidente se lança ao projeto de controle absoluto do espaço midiático. Ano passado, segundo levantamento da RSF, Chávez fechou 34 veículos audiovisuais e confiscou 29 frequências de radiodifusão para distribuí-las em favor do ‘desenvolvimento de meios de comunicação comunitários’. Pelo menos uma delas, a da emissora AN Radio, foi atribuída à Assembléia Nacional da Venezuela.


Nos emissoras estatais, é o presidente no céu e Deus na terra, nesta ordem. O contraditório ali não existe. Nessa batida, o que será da Venezuela?


 


Leia também


Chávez e a mídia, raízes do conflito


Estudantes mortos em protesto contra fechamento da RCTV — Monitor da Imprensa

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem