Segunda-feira, 15 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1045
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO >

Retratação da Folha, silêncio da imprensa

Por Alberto Dines em 09/03/2009 na edição 527

O desfecho foi inesperado, inédito. Ao reconhecer que errou ao designar a ditadura militar implantada no Brasil como uma ‘ditabranda’ e, simultaneamente, noticiar o protesto diante da sua sede, a Folha de S.Paulo‘ encerrou um incidente que começava a tornar-se extremamente desconfortável.


Teria evitado muitos dissabores se a admissão do erro tivesse ocorrido na semana retrasada, antes do seu editor de Política, Fernando de Barros e Silva, contestar abertamente o infeliz editorial do jornal (ver ‘Editor discorda da direção do jornal‘).


Acontece que nossa imprensa, sobretudo a grande imprensa, é arrogante, considera-se infalível, acima do bem e do mal. Não é bem assim. Ou melhor, já não é bem assim, os tempos são outros.


A imprensa está sendo observada atentamente por uma parte ponderável da sociedade que aprendeu a duvidar do que é veiculado por jornais e por jornalistas. Esta consciência crítica foi a grande vitoriosa do episódio. Também os leitores.


O risco


Os grandes perdedores foram os veículos concorrentes, que ao longo de três semanas mantiveram-se impassíveis diante de um debate político de grande relevância. O pacto de silêncio que nos últimos 30 anos impede qualquer discussão sobre o desempenho da imprensa mostrou novamente a sua solidez.


Nossa imprensa não é plural, não é diversificada, não é múltipla. O episódio foi péssimo para a Folha, porém poderá ainda trazer dividendos. Foi mais danoso para os concorrentes, que se fingiram de mortos e assumiram uma posição subalterna e ambígua. Como se não fosse com eles.


Era, sim, pois uma imprensa que abre mão da disputa e do debate está condenada a calar-se para sempre.


 


Leia também


Folha admite que errouFSP


A briga em que todos perdem – Eugênio Bucci


Folha ignora leitores – Celso Lungaretti


O papel sujo da Folha – Urariano Mota


Direita, volver! – Luiz Antonio Magalhães


Os limites do ombudsman – Celso Lungaretti


A ‘ditabranda’ e a culpa de Fidel – Gilson Caroni Filho

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem