Sábado, 25 de Maio de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1038
Menu

ENTRE ASPAS >

Rindo do mau humor de O Globo?

Por Argemiro Ferreira em 17/03/2009 na edição 529

Para a mídia golpista, com O Globo à frente, esta reunião de Lula e Barack Obama na Casa Branca foi uma bobagem – e seu resultado, pior ainda. ‘Lula e Obama não chegam a acordo sobre biodiesel’, atacou a manchete mal humorada da página online do jornalão dos jornalões. Mas a cobertura da AP (como uma análise três dias antes do Wall Street Journal – leia aqui) teve outro tom e chegou sábado à manchete da página online do Washington Post, descrevendo reunião amena e positiva (aqui).


O Globo, sabemos, gaba-se de ser o único jornal do mundo a incluir o Hussein de Obama na manchete de sua vitória em 2008. Sempre busca originalidade para encobrir a falta de conteúdo. Lula gostaria de resposta imediata sobre o etanol, mas a coisa não funciona assim. E a reação inicial de Obama esteve longe de ser o fracasso desejado pelo jornalão. ‘Não vai mudar da noite para o dia, mas acho que na medida em que continuamos nossa troca de idéias sobre o comercio a questão do biodiesel, fonte de tensão, será resolvida’.


Por enquanto era com algo assim que se contava. Como destacara, com realismo, a coluna de Eliane Cantanhêde, da Folha de S.Paulo, no dia da reunião (leia aqui). Ela lembrou que não se devia criar expectativa de que os dois sairiam do encontro ‘com uma solução que vai mudar a situação mundial’. Pois tais conversas de presidentes, em geral, costumam ter mais gestos e palavras do que resultados práticos. Além disso, acrescento eu, os dois vão se encontrar mais duas vezes em abril – nas cúpulas de Londres (G-20) e Trinidad (das Américas).


O respeito à liderança progressista


Cantanhêde considerou ainda ‘importantíssimo’ o detalhe de ser Lula o terceiro líder mundial a botar os pés na Casa Branca de Obama. Para ela, uma indicação de que os EUA estão vendo o Brasil como um país que ‘não é apenas um líder regional, mas também protagonista do mundo em crise’. Ou seja, nada parecido com telefonema de Bill Clinton para forçar FHC a dar à Raytheon, financiadora de sua campanha, o contrato (de US$ 2 bi) do projeto Sivam.


A jornalista Darlene Superville, que assinou a matéria da AP no Post, preferiu destacar o clima extremamente amistoso durante o contato dos dois com a imprensa no salão Oval da Casa Branca. ‘Sou um grande admirador do Brasil e um grande admirador da liderança progressista e visionária que o presidente Lula tem demonstrado através da América Latina e através do mundo’, disse Obama.


Ele lembrou ainda que ‘há uma forte amizade entre os dois países mas sempre podemos aprofundá-la mais’. E Lula não deixou por menos ao falar da ‘importância da eleição de Obama e o que ela pode representar para o mundo e especialmente para a América Latina’. Observou ainda que ele e Obama estão ‘verdadeiramente convencidos’ de que as decisões que virão da reunião do G-20 podem resolver a crise econômica’.


Papel chave para o Brasil no continente


Em um dos momentos amenos Lula recordou o que tem dito no Brasil – que reza mais por Obama do que por ele mesmo, devido aos graves problemas que o presidente americano está tendo de enfrentar imediatamente depois de assumir. ‘Não gostaria de estar no lugar dele’, disse. Ao que Obama acrescentou: ‘Pois vou contar uma coisa. Parece até que você andou conversando com minha mulher’.


Também a página online do New York Times, em texto de Peter Baker e Alexei Barrionuevo, citou no sábado o mesmo comentário de Obama. ‘Eles discutiram cooperação energética e a crise econômica, buscando coordenar as idéias para as próximas cúpulas’, disse o jornal. E mais: ‘O sr. Da Silva tem sido voz destacada a conclamar os EUA a moderar sua atuação na América Latina’.


O Times observou que ‘Lula pressionou Obama a dar uma ajuda para reabrir as conversações globais sobre comércio (rodada de Doha), como ainda para reduzir as tarifas que mantêm os biocombustíveis do Brasil fora do mercado americano. Para o jornal, a reunião indica que Obama retoma as relações com nosso país no estágio deixado por Bush. Tenta tornar o Brasil país-chave para os EUA na América Latina (leia a íntegra aqui). 


Amazônia e praias cariocas na agenda


No capítulo do biocombustível a AP ainda destacou que Lula o considera uma ‘alternativa extraordinária’ e está certo de que outros países vão se somar ao esforço. Quando Obama visitar o Brasil, disse, ‘vou convidá-lo a entrar num carro com motor flex. Ele vai se sentir muito bem’. Obama contou então que tem o seu, mas que nos EUA ainda não há postos em número suficiente, o que deve mudar.


Na conversa dos dois presidentes, Obama levantou a questão da criança de oito anos trazida pela mãe para o Brasil em 2004 e cuja custódia é reclamada pelo pai americano – David Goldman, de Nova Jérsey. A mãe, divorciada de Goldman, morreu depois de casar-se com um advogado brasileiro, que se nega agora a entregar a enteada ao pai biológico. Deputados pressionam a Casa Branca e a secretária de Estado Hillary Clinton tratou do assunto com o chanceler Celso Amorim, mas a decisão cabe à Justiça, não ao presidente. 


A matéria da AP destacou também que Lula foi o primeiro presidente da América Latina a ser recebido por Obama. E o governante dos EUA – familiarizado com as praias do Havaí, onde nasceu – contou que ao visitar o Brasil pretende conhecer as praias do Rio de Janeiro e viajar à Amazônia. ‘Os republicanos na certa vão torcer para que eu fique perdido na selva por um tempo’, brincou.

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem