Sábado, 21 de Setembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1055
Menu

ENTRE ASPAS >

Sarney diz que é perseguido
pela imprensa e receita silêncio

Por Christian Baines e Márcio Falcão em 17/07/2009 na edição 546

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), aproveitou a última sessão da Casa antes do recesso parlamentar para tentar minimizar os efeitos da crise na Casa Legislativa. Ele disse ser perseguido pela imprensa, mas garantiu que reerguerá a imagem do Senado.


‘Nas três vezes [que assumi a presidência], encontrei o Senado em crise. Reergui-o nas três ocasiões’, afirmou. ‘Os insultos e ameaças não me amedrontaram e não me amedrontam’, reiterou.


Sarney se defendeu afirmando que jamais praticou um ato que não fosse amparado em sua conduta ética. ‘Meu trabalho exige a sedimentação de uma profunda consciência moral de minhas responsabilidades, a obstinada decisão de não cometer erros e jamais aceitar qualquer arranhão nos procedimentos éticos que devem nortear minha conduta. Não são palavras. São 50 anos de assim proceder.’


Ele ainda citou palavras do filósofo Lucius Aneu Sêneca: ‘As grandes injustiças só podem ser combatidas com três coisas: silêncio, paciência e tempo’.


O discurso de Sarney foi acompanhado por apenas cinco parlamentares. Sarney não enfrentou grandes constrangimentos. Entre os senadores presentes estavam Álvaro Dias (PSDB-PR) e Cristovam Buarque (PDT-DF), integrantes do grupo suprapartidário que ocupou a tribuna para cobrar a saída do peemedebista do cargo.


Dias criticou a resistência de Sarney em permanecer no comando da Casa, o que traria constrangimento e descrença aos 81 senadores. ‘Eu que tenho muitos anos de mandato, inclusive mandato parlamentar, jamais passei por momentos de tamanho constrangimento como tenho vivido agora em razão da descrença que se generaliza em relação a esta instituição no país.’


O senador pediu que Sarney não permita que seus aliados tratorem as denúncias apresentadas contra ele no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar. O tucano chamou de ‘deboche’ as indicações governistas e disse que um julgamento honesto será essencial para manter a biografia conquistada até hoje pelo peemedebista.


‘O Conselho de Ética não pode desmoralizar ainda mais esta instituição. Eu fico refletindo sobre quais as razões de determinadas indicações. É uma tentativa de se vingar do Senado? É uma tentativa de se debochar do Senado?’, questionou.


Em reposta à declaração de Sarney de que esteja sendo vítima de injustiça, Dias afirmou que prefere ser injusto, mas preservar a Casa. ‘Entre condenar a instituição e condenar o parlamentar, por mais expressivo que ele possa ser, é preferível condenar o parlamentar. Estamos preocupados agora, senhor presidente, com o Conselho de Ética. Vossa Excelência, como presidente, que vem nesta sexta-feira, último dia de sessão, prestar contas do seu trabalho, a meu ver, tem aí uma missão.’


O tucano afirmou que o peemedebista deveria deixar a presidência do Senado para preservar a instituição. ‘Com todo o respeito ao senhor, pela figura política, pela liderança, pelos momentos importantes que viveu, especialmente na fase de transição democrática deste país, com todo o respeito, modestamente, humildemente, como um simples senador ou até mais, como um cidadão brasileiro, o apelo que faço é no sentido de colocar acima dos seus eventuais interesses de natureza política e preservação pessoal os interesses desta instituição’, disse.


Em defesa do presidente do Senado, o senador Geraldo Mesquita (PMDB-AC) disse que não sente na sociedade que a crise que atinge a imagem da Casa tenha a dimensão que a imprensa repassa sobre as denúncias.


‘Eu não diria aqui, senador Sarney, que não temo a opinião pública. Com ela devemos nos conciliar, mas ela não fará, em momento algum, que eu me acovarde a ponto de tentar jogar para debaixo do tapete ou esconder essa amizade que eu prezo muito. E acho que é uma das coisas mais importantes da vida, estarmos em paz com aquilo que pensamos, com aquilo que sentimos’, afirmou.


Cristovam, que usou a tribuna para pedir a renúncia de Sarney nesta semana, evitou polemizar e apenas sugeriu ao presidente do Senado que envie ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva o documento com o balanço das atividades da Casa neste primeiro semestre. Ele disse que esse ato é importante em razão das palavras de Lula, que se referiu aos senadores da oposição como pizzaiolos.


‘Creio que alguém precisa dizer a Lula que ele não pode dizer assim sobre o Congresso. E creio que ninguém melhor do que o presidente do Congresso para fazê-lo’, disse.


Balanço


O presidente do Senado fez um balanço das medidas administrativas adotadas desde que assumiu o comando da Casa e afirmou que o Senado encerra o semestre com a pauta totalmente esgotada. Sarney destacou a votação de duas emendas à Constituição, 15 medidas provisórias e 64 indicações de nomes de autoridades para cargos no Executivo e para embaixadas.


Ele ressaltou ainda o projeto que modifica a legislação de combate ao crime, a divulgação de gastos públicos na internet e a criação de 230 varas federais da Justiça.


‘Foi um semestre de intenso trabalho legislativo, que conseguimos realizar apesar das medidas provisórias e da crise política que se personificou em mim.’


O presidente do Senado lamentou também que tenha perdido o apoio do DEM, mas lembrou que tem trabalhado em conjunto com o primeiro-secretário da Mesa Diretora, o senador Heráclito Fortes (DEM-PI). ‘Companheiro leal e decisivo em nossas deliberações.’


Leia a íntegra do discurso de Sarney

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem