Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

ENTRE ASPAS > SÃO PAULO, 456 ANOS

Sem motivos para festa

Por Luciano Martins Costa em 25/01/2010 na edição 573

São Paulo comemora 456 anos nesta segunda-feira (25/1), mas apenas a imprensa paulista parece ver motivo para festa. Tanto a Folha de S.Paulo como o Estado de S.Paulo aparecem com cadernos especiais celebrando mais um aniversário, como se a população da cidade tivesse motivos para comemoração. Muitos desses paulistanos estarão ocupados tirando a lama de suas casas ou procurando um lugar para morar, depois das enchentes e desabamentos que se tornaram rotina desde o começo de dezembro do ano passado.


A exceção, neste 25 de janeiro, é o jornal Brasil Econômico, que traz na primeira página uma noção mais clara da realidade paulistana: ao analisar o papel econômico da cidade na segunda década do século 21, o novo jornal de economia e negócios destaca a falta de infraestrutura, os problemas de transporte e outras mazelas que se acumulam.


A Folha de S.Paulo trata os rios como personagens centrais de seu caderno especial sobre o aniversário da cidade, mas em nenhum momento se dispõe a acionar as responsabilidades sobre os problemas que a população paulistana vem sofrendo neste verão.


O Estado de S.Paulo nem isso oferece aos seus leitores. Produz um daqueles suplementos festivos, com uma galeria de personagens da cidade, entre eles justamente alguns representantes da população que mais sofre com as chuvas, o trânsito impossível e o sistema de transporte público ineficiente.


Outro lugar


A realidade que os paulistanos encaram no dia-a-dia, inclusive nesta data festiva, é a de uma cidade sem rumo, onde os problemas acumulados ao longo dos anos parecem convergir para o ponto da ingovernabilidade quando começa a chover.


A desculpa das autoridades, repetida quase diariamente pela imprensa, sobre os índices recordes de intensidade das chuvas, não escaparia à argúcia de um repórter iniciante: ora, as mudanças climáticas estão sendo anunciadas há duas décadas, e as autoridades municipais têm acesso a todo tipo de estatísticas – a cortina de água que cai sobre a cidade não deveria ocultar do olhar da imprensa as responsabilidades da administração pública.


Os jornais e revistas sediados em São Paulo tratam com diferenciada reverência o atual prefeito. Basta revisitar as edições dos períodos em que a cidade foi governada por Luíza Erundina, Celso Pitta e Marta Suplicy para observar a diferença.


Naqueles períodos, bastava um incidente menor para a imprensa culpar o prefeito ou a prefeita por todos os problemas da cidade, mesmo quando o problema era causado por uma obra que prometia melhorar a infraestrutura. Hoje, a cidade mergulha no caos e os principais jornais ofendem os leitores com edições festivas.


Seus editores devem estar vivendo em outra cidade.


Abrindo as cortinas


Mas nem tudo é festa. Depois de quase sessenta mortes causadas por enchentes e desabamentos, depois de muitos milhões de reais de prejuízos para empresas e a população, parece estar chegando ao fim a blindagem construída pela imprensa paulista em torno do prefeito Gilberto Kassab.


Sob o título ‘Na lama com Kassab’, a revista Época desta semana amplifica os dados do Datafolha, apontando que os índices de aprovação do prefeito caíram de 61% para 39% em um ano e dois meses.


Desde dezembro, quando começaram as chuvas fortes que mostraram o despreparo da cidade para eventos climáticos mais que anunciados, Kassab vinha enfrentando críticas da população, que eram regularmente minimizadas pela imprensa. No entanto, conforme observa Época, o prefeito vem cometendo gafes, declarações infelizes e medidas controversas e ineficientes que demonstram baixa capacidade de administrar a cidade fora das rotinas de normalidade.


A decisão de cortar as verbas de limpeza pública, depois seguida pela exigência de que as empresas encarregadas de recolher o lixo se comprometam com horários rígidos de coleta, são exemplos de sua qualificação, agora questionada pela Época.


O lixo acumulado foi apontado como uma das causas dos alagamentos ocorridos em regiões altas da cidade, onde antes não havia esse problema, e a exigência de cumprimento dos horários soou como um mero factóide, uma vez que todos os paulistanos sabem que basta uma chuva mais forte para que os caminhões de lixo fiquem paralisados no trânsito caótico.


Conforme lembra Época, Kassab somou a essa imagem recente de incompetência algumas decisões impopulares. No fim de 2009, ele autorizou o aumento das passagens de ônibus de R$ 2,30 para R$ 2,70, mandou extinguir o reembolso da taxa de inspeção veicular e aumentou o IPTU em 30% para imóveis residenciais e 45% para imóveis comerciais.


Com a mudança na base de cálculo do IPTU, houve casos em que o imposto subiu mais de 100%, sem justificativa. Segundo a revista, o prefeito já está sendo chamado de ‘Taxab’.


Enquanto isso, os jornalões ainda repetem que tudo é culpa de São Pedro.

Todos os comentários

  1. Comentou em 25/01/2010 Diva Pio

    Some-se ao problema do lixo exposto acima, a ausência de um programa oficial de coleta dos resíduos dos restaurantes, na capital gastronômica do planeta. Estes resíduos são colocados nas calçadas, mal acondicionados, revirados por moradores de rua, sujando a calçada. É um ‘prato cheio’ para os ratos e outros roedores que passeiam pelas ruas a procura de abrigo por ocasião das enchentes. Um problema que precisa ser pensado com seriedade, sob pena de graves e severos problemas de saúde pública, com registros históricos.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem