Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

IMPRENSA EM QUESTãO > NOTAS DE UM LEITOR

Surpresa na Veja dura pouco

Por Luiz Weis em 01/02/2005 na edição 314

A ‘Nota de redação’ de quase duas colunas com que a Veja desta semana respondeu à carta conjunta de mais de duas colunas dos ministros Celso Amorim, Tarso Genro e Gilberto Gil foi uma surpresa e tanto [veja íntegra na rubrica Entre Aspas, desta edição].

Nem sombra, ali, da truculência habitual das matérias da revista sobre o governo Lula. A mais recente delas, ‘O grande salto para trás’, que rendeu a capa ‘O PT deixou o Brasil mais burro?’, ilustrada por um par de inconfundíveis orelhas, foi por sinal o que motivou a carta dos três ministros (um defendendo o projeto de reforma universitária, outro a exclusão do inglês como disciplina eliminatória no exame para o curso de formação de diplomatas, outro, enfim, a proposta da Ancinav).

Provavelmente por causa do tom sereno e objetivo da carta tríplice, a Veja não teve como continuar chutando o pau da barraca: sustentou as críticas ao governo com a elegância, equilíbrio e argumentos substantivos que mesmo o mais benevolente leitor não haverá de encontrar nos seus textos em que grosseria passa por contundência e agressão por informação.

Espertamente, a ‘nota’ admite que ‘muitas vezes, a reação [da ‘imprensa’] a medidas oficiais pode ser mais crítica, veemente ou eloqüente do que os governantes gostariam’. Depois, elogia ‘os governos’ que divulgam os seus planos para que a sociedade os discuta antes que o Congresso os vote.

E fecha com espantosa humildade: ‘Gostaríamos de pensar que contribuímos com as autoridades públicas no sentido de debater democraticamente suas iniciativas…’.

Animado, mais do que depressa este leitor começou a folhear a revista em busca desse saudável e louvável (duas palavras usadas na ‘nota’) jornalismo contributivo e de críticas construtivas.

Não precisou ir muito longe para descobrir que, quanto mais parece mudar, mais a Veja é a mesma coisa.

Golpes de sarcasmo

Na seção ‘Contexto’, sob o título ‘Eles sabem o que é bom’, a velha e boa má-fé do semanário reaparece sem maquiagem. ‘Eles’, os participantes do Fórum Social Mundial, foram atacados a golpes de sarcasmo porque condenam o capitalismo, ‘mas desfrutam seus benefícios’.

A saber, lotaram as filiais de Porto Alegre das cadeias internacionais de hotéis, fizeram subir 20% as vendas do McDonald’s e 100% as da Pizza Hut e alugaram belos carros da GM e da Toyota. Tem mais: ‘Na semana que antecedeu o Fórum, foram locados 350 celulares’, ante a média de 45 por mês na cidade. E ‘o movimento no Shopping Praia de Belas, próximo do evento, aumentou 30%’.

Então, pela Veja, ficamos assim: anticapitalista que é anticapitalista que se preze só pode dormir em hotéis zero estrela, só pode comer salsicha de carrinho de rua, só pode andar a pé ou de bicicleta e só pode usar telefone público (se a empresa for estatal, presumivelmente). ‘Eles’, no caso os editores da revista, ‘sabem o que é bom’ para manter o costumeiro padrão de desonestidade do produto.

Ou não será desonesta a legenda ‘Amorim: para ele existem dois tipos de seqüestro no Iraque, os justificados e os não totalmente justificados’? O que o ministro diz, entre aspas, na matéria sobre o sequestro do engenheiro da Odebrecht no Iraque é o seguinte: ‘O Brasil tem sido contrário à invasão do Iraque, à guerra. Então, o apelo humanitário se torna ainda mais cabível.’

Para a Veja, isso equivale a ‘dar a entender que o seqüestro do brasileiro seria mais injustificado do que os outros…’, daí a legenda que resume não o que o fotografado disse, mas o que a revista acha que ele ‘deu a entender’.

***

P.S. A Veja usava se gabar do cuidado meticuloso dos seus checadores, que devem conferir fatos, nomes e datas que aparecerão na revista. Qual o quê. No artigo ‘A herança cultural da Inquisição’, o colaborador Stepehn Kanitz escreveu: ‘Fernando Henrique Cardoso, em seu livro O presidente segundo o sociólogo…’. Fernando Henrique escreveu muitos livros. Mas este quem escreveu foi Roberto Pompeu de Toledo. Colunista (e veterano) da Veja.

[Texto fechado às 16h43 de 31/1]

Todos os comentários

  1. Comentou em 02/02/2005 Márcio Jacques de Moraes

    Gostaria que Luiz Weis respondesse a este leitor três simples perguntas: 1)por que o senhor acha que para a revista Veja ‘anticapitalista que se preze deve dormir em hotel zero estrela, …’ etc? Me parece que o que a revista acha é o mesmo que nós pobres leitores leigos achamos: que simplesmente trata-se de uma contradição ser anticapitalista e dormir em hotéis 5 estrelas e usar de produtos e serviços só possíveis no capitalismo. Ninguém está defendendo vida de pobre pra ninguém, só estamos querendo que os anticapitalistas resolvam a contradição. Ou ela não existe? Por favor, explique-nos; 2)Por que o ministro Amorim acha q tendo sido o Brasil contra a guerra isto torna o apelo humanitário mais cabível? (por favor, nem todos são tão inteligentes quanto o senhor, explique-nos o que o ministro quis dizer); 3)Será que os checadores da revista devem checar até mesmo colunas assinadas como a do Kanitz? Se o OI tivesse checadores será que seu texto deveria ser checado? Agradeço a atenção.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem