Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

IMPRENSA EM QUESTãO > VEJA E O DINHEIRO DE CUBA

Técnica a serviço de interesses espúrios

Por Mário Augusto Jakobskind em 31/10/2005 na edição 273

Mais uma vez a revista Veja colocou as mangas de fora. A nova ‘denúncia’ deixou claro, se é que ainda havia dúvidas, quem pauta a publicação da família Civita. Dizer que Cuba doou 2 ou 3 milhões de dólares para a campanha de Lula em 2002 tem objetivos definidos e obedece a interesses que remetem ao Departamento de Estado norte-americano e a oposição capitaneada pelo PSDB e PFL.

No primeiro caso, jogar no ventilador este tipo de denúncia, na antevéspera da reunião dos países americanos em Mar del Plata e da passagem do presidente estadunidense George W. Bush por Brasília, serve a que interesses? O objetivo é claro: enfraquecer o governo brasileiro, não apenas na questão da imposição da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), como também enquadrar Lula, que visivelmente tem áreas divergentes com o gigante do Norte, apesar de no plano econômico seguir as diretrizes das finanças internacionais.

O governo Bush quer que o Brasil termine com a história de política externa independente e aproximação com o governo da Venezuela. Bush e os extremistas de direita que estão no governo estadunidense querem de todas as formas impedir que o presidente Hugo Chávez continue convencendo os seus pares no sentido de fortalecer um bloco regional. Bush quer que Lula aja de forma a neutralizar Chávez. Bush quer que Lula esfrie com Cuba.

O governo imperialista de Bush não se conforma com o fato de que Cuba tem um projeto, a Operação Milagre, que contempla os setores pobres da América Latina em assistência médica. Cuba, por exemplo, acabou de firmar um convênio com o Uruguai no sentido de dar assistência médica especializada gratuita aos carentes. Já faz isso com a Venezuela, Equador, e sempre oferece ajuda no setor médico aos países que necessitam, sobretudo em momentos de tragédias naturais. Para a direita fundamentalista estadunidense, isso é mera ‘propaganda comunista’. O cristianismo de Bush prefere que os doentes-pobres morram a se curarem em Cuba.

Sem comprovação

A Veja pensa igual aos fundamentalistas que ocupam a Casa Branca, daí lança matérias como a que apareceu na última edição (nº 1929, de 2/11/2005), com o claro objetivo de tentar azedar as relações entre dois países soberanos. Aí vem a oposição com ACM Neto, Rodrigo Maia e até a turma dos ex que integram o PPS, com o deputado Raul Jungmann, para pedir o impeachment do presidente constitucional brasileiro.

Ora, senhores golpistas, filhos e netos de golpistas, devagar com o andor. Que história é essa de aumentar a ‘crise’ em função de mais uma matéria plantada pela Veja? Qual a credibilidade que pode ter um Jorge Bornhausen que disse que a ‘denúncia era gravíssima’? Basta olhar o passado deste senhor para observar como ele e os seus têm se colocado no cenário político brasileiro. Estão sempre ao lado do poder econômico, até porque, segundo Bornhausen não esconde, ‘é preciso acabar com esta raça’ (raça dos que se opõem aos poderosos).

A publicação dos Civita é useira e vezeira em plantar notícias do gênero. Recentemente ‘denunciou’ que as Farcs fizeram doações em dinheiro à campanha de Lula, numa matéria também sem eira nem beira, que se diluiu entre as mentiras rotineiras da publicação. A revista dos Civita, defensora incondicional do deus mercado, há anos adota uma prática jornalística sem escrúpulos, na base da mentira e meias verdades.

É comum a Veja editar com estardalhaço matérias sem provas. É comum o aparecimento de declarações falsas e deturpadas, na base da manipulação da informação, com o único objetivo de a matéria final ser editada de acordo com o que foi estipulado com antecedência por uma pauta predeterminada. Não é à toa que muitos jornalistas que conhecem a estratégia dos Civita alcunharem a publicação carro-chefe do grupo de ‘sujíssima’ Veja.

Tem mais: a ‘denúncia’, sem a mínima comprovação, na base da declaração de dois ex-assessores do então prefeito Antonio Palocci, de Ribeirão Preto, envolvendo um secretário já falecido (o que teria recebido os dólares em Brasília para entregar em São Paulo), teve grande repercussão em outros órgãos de imprensa, que na prática cumpriram o objetivo de ampliar a bobajada.

Apoio externo

Neste comentário não está em questão atacar ou defender o presidente Lula, mas sim mostrar como se utiliza impunemente uma técnica jornalística que tem por base servir a interesses espúrios com o claro objetivo de desestabilizar não apenas um governo, mas um país e até mesmo o relacionamento entre duas nações.

Este, portanto, é o momento de a sociedade brasileira ficar atenta, porque os golpistas históricos, no caso agora os civis, estão querendo armar uma investida contra um presidente da República na base de uma pessoa que já morreu ter dito a dois assessores que estava com uma encomenda de dólares vindos de Cuba. Criar celeuma em torno de um fato como esse é, realmente, imaginar que os brasileiros são débeis mentais e vão se deixar envolver por esse jogo primário e que não deveria ter condições de seguir adiante.

Está na hora de os próprios jornalistas e suas representações sindicais, tanto em nível nacional como regionais, colocarem na ordem do dia esse tipo de discussão. O tema manipulação da informação praticado pela grande mídia conservadora deve ser também objeto de preocupação de estudantes e professores dos cursos de Comunicação de todo país. Afinal, não é possível continuar assistindo em silêncio a essa prática espúria que desabona o jornalismo. Em outros termos, é preciso que os jornalistas brasileiros fiquem atentos para não se deixarem envolver por esse jogo grosseiro dos que ainda têm a coragem de se intitular democratas desde criancinha.

Não foi à toa que o Conselho Deliberativo da ABI aprovou recentemente uma moção alertando os jornalistas brasileiros a não se deixarem envolver por manobras espúrias, visivelmente servindo interesses escusos, no caso da manipulação da informação relativa aos acontecimentos na Venezuela.

Se estendermos essa prática a outras editorias da mídia conservadora, veremos que nada acontece por acaso. Por essas e muitas outras, todo cuidado é pouco em relação aos golpistas de sempre que na hora agá contam com o apoio externo, sobretudo dos Estados Unidos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 04/11/2005 Sergio Leme

    Prezado Mario Augusto
    A posição da mídia em canais abertos seguem
    a mesma postura da revista veja, em alguns programas, como ‘O Programa do Jô’, vejo a mesma irresponsabilidade de forma exacerbada, nesta quarta feira de madrugada neste mesmo programa o Seu Jo Soares, chegou a aplaudir, e elogiar a postura do deputado do amazonas Sr. Virgilio e deputado da Bahia ACM Neto, que bravaram, dizendo que daria uma surra no LuLa. Ora, não que eu apoie o governo Lula, eu também estou descontente com os casos de corrupção, mas estas bravatas no plenario da camara federal apoiadas por alguem (o Seu Jô) que se impõe como intelectual dotado de uma razão suprema, acho eu uma vergonha para o jornalismo televisivo. O observatório da imprensa não poderia fazer uma análise desses programas do Jô??, pois me falta palavras para critica, mas sobra muita insatisfação com essa lavagem de direita liberal que este senhor panfleteia em seu programa.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem