Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

IMPRENSA EM QUESTãO > LEITURAS DA FOLHA

Uma notícia, duas versões

Por Luciano Martins Costa em 13/01/2009 na edição 520

A notícia é o relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre a situação das maiores economias do mundo frente à crise global.


O Estado de S.Paulo e o Globo seguem a tendência das agências internacionais e anunciam que o Brasil será o menos afetado e terá o melhor desempenho em 35 países estudados, entre os quais os 11 mais desenvolvidos. Mas a Folha de S.Paulo vai na contramão e prefere destacar que o Brasil está cada vez mais próximo de um ciclo de desaceleração, embora permaneça como a única entre as principais economias mundiais que ainda apresenta um cenário positivo.


O leitor mais atento deve se perguntar: o que define a escolha de um editor, diante de um relatório técnico sobre o qual as interpretações também deveriam seguir o mesmo critério técnico?


Embora o conteúdo das reportagens dos três jornais seja rigorosamente o mesmo, o leitor da Folha tende a ficar mais pessimista com o título: ‘Brasil está próximo de desaceleração, diz OCDE’.


Compare-se, por exemplo, com o que induz o título do Globo: ‘OCDE – Brasil sofrerá menos com crise’. Ou com o título do Estadão: ‘Para OCDE, Brasil é o menos atingido pela crise’.


Lidos os textos publicados pelos três principais jornais brasileiros, e comparados com as versões disponíveis na internet, observa-se que não há elementos para a escolha de um título pessimista. O que predomina no estado de espírito que se irá formar no leitor é a mera escolha do editor. Nem no conjunto de indicadores, nem nos indicadores específicos sobre desemprego, as informações originais induzem a uma interpretação diferente da que deram à notícia o Globo e o Estadão.


Mas o editor da Folha resolveu puxar para baixo, e isso basta.


Torcida contra


Observando-se o conteúdo geral do noticiário e alguns artigos publicados nos últimos dias, constata-se que o Brasil se destaca no cenário global por sua menor exposição aos riscos que atingem a economia real.


O crescimento do mercado interno, produzido por uma década de medidas estabilizadoras e cinco anos de políticas efetivas de inclusão social, e a diversificação das relações de negócios, com maior presença no mercado latino americano e menor dependência dos Estados Unidos, são apontados por instituições e analistas como os motivos do melhor posicionamento do Brasil.


No entanto, os jornais brasileiros têm preferido dar destaque às notícias isoladas sobre dificuldades de alguns setores.


No fim das contas, é o senso crítico do leitor que vai predominar. Mas não há otimismo que dure com tanta torcida contra.

Todos os comentários

  1. Comentou em 13/01/2009 Ricardo Pereira

    Simples. Folha do Psdb de S.Paulo. Porque ela daria a noticia com viés positivo? pra aumentar ainda mais a popularidade do Lula? Infelizmente para o ‘seu’ Frias, ele nao viu se realizar o sonho de ver o Zé Serra no Planalto. Mas certamente no seu leito de morte, incumbiu o Otavinho a usar quaisquer metodos para concretizar este sonho. Nao espere ver noticias positivas envolvendo o governo Lula. Por outro lado, muito antes do inicio da contenda, a FPSDBSP já desfralda sua bandeira, onde impera magnanimo o passaro de bico grande…

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem