O desafio de fazer rádio ‘all news’ no Pará | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Terça-feira, 21 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

INTERESSE PúBLICO > MÍDIA RADIOFÔNICA

O desafio de fazer rádio ‘all news’ no Pará

Por Marcos Linhares em 17/06/2014 na edição 803

Terra de eventos marcantes como o Círio de Nazaré e artistas conhecidos como a Banda Calypso e a cantora Gaby Amaranthos, Belém do Pará tornou-se afiliada da CBN, pioneira no modelo all news (notícia 24 horas), levando o primeiro programa ao ar no dia 19 de dezembro de 2008. Tudo levado a cabo ao integrar o Sistema Liberal de Rádio, das Organizações Rômulo Maiorana. Com isso, a chamada rádio O Liberal CBN nasceu com uma nova proposta e tornou-se a primeira rádio só de notícias no Pará, conseguindo, aos poucos, mudar o conceito de radiojornalismo local.

De acordo com o gerente Jornalismo do Sistema Liberal de Rádio, Celso Freire, por esse pioneirismo a rádio enfrentou algumas dificuldades. “Inicialmente fomos ao ar pela frequência modulada (FM 90,5), e depois passamos para a AM 900”, lembra.

Freire afirma que o processo de transição foi tranquilo e que estar em AM tem sido compensador. “Estamos com investimentos na AM com novo transmissor e ainda mais potente. Além disso, a maioria das afiliadas da CBN também está na AM e a nossa intenção é trabalhar ainda mais para que a voltemos para a FM, para abarcar ainda mais ouvintes”, revela.

Mais perto dos ouvintes

Celso Freire diz que a parte esportiva tem sido uma forte aliada. “O futebol no Pará é muito forte. O torcedor paraense é fanático por futebol e consome notícias 24 horas. Nossa programação local é recheada de notícias e programas esportivos”, diz.

A rádio teve o trabalho reconhecido e se tornou a mais premiada do Norte. Em agosto próximo, é finalista regional do prêmio Sebrae. Em 2013, ganhou os prêmios Estácio e HSBC/ Sustentabilidade, entre outros. “Nossos repórteres são sempre motivados a participarem de prêmios de jornalismo, talvez por isso somos constantemente agraciados”, comemora o gerente de jornalismo.

O fato é que, antes, a ideia de uma rádio em Belém sem música era algo impensável. “Quebramos um paradigma e continuamos nossa luta diária. Tanto que estamos preparando novos programas e promovendo cursos para nossos colaboradores. A meta é chegar ainda mais perto dos nossos ouvintes”, explica Celso Freire.

Integração de mídias

A Liberal CBN também está atenta aos desafios e cenários gerados pelas novas tecnologias. “O rádio está sempre se modernizando e nós da CBN Belém também seguimos essa modernidade. Temos uma página na internet, que é o diferencial, os internautas entram e conseguem ouvir todas as reportagens e até os programas por completo. Estamos também no Twitter para atingir um outro público. Independente da localização, as redes sociais e os portais de internet são irreversíveis”, diz Freire.

Temos muito a aprender com as experiências do Norte deste nosso país continental. São tantas histórias e sonhos realizados. O tempo passa e o rádio se adapta, se incorpora, se renova e nos renova a esperança de ainda poder curtir boa notícia sem o auxílio de imagens, embalado por boas pautas, textos e vozes.

******

Marcos Linhares é jornalista, radialista e escritor, autor, entre outros, de Nos bastidores do jornalismo esportivo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem