Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

INTERESSE PúBLICO > REGULAÇÃO EM DEBATE

Não é uma jamanta. São duas

Por Mailson Ramos em 31/03/2015 na edição 844

Há pouco tempo, assistindo a uma entrevista do jornalista Franklin Martins ao Observatório da Imprensa (ver aqui), guardei uma de suas frases, tanto que jamais a esqueci. Ele disse que “uma jamanta iria atropelar todas as empresas de comunicação no país, caso elas próprias não colocassem em pauta o marco regulatório das comunicações”. “Quem seria esta jamanta?”, indagaria o entrevistador Alberto Dines. Martins responderia categoricamente que a jamanta era o Google. Somente depois de analisar o crescimento das mídias sociais, com inigualável atenção ao Facebook e, mais recentemente, o WhatsApp, percebi que não apenas o Google poderia destroçar as empresas de comunicação, mas também as criações de Mark Zuckerberg.

Quando se pensa em engenharia de pesquisa na web, nenhuma organização, através de seus portais e sites institucionais, está livre das políticas do Google. Esta engenharia é somente o fio da meada. Existe uma necessidade de que os usuários da internet, sejam eles simples navegantes ou importantes webmasters, adiram à tecnologia criada pela empresa americana para disseminar conteúdo na rede. Todos os louvores ao Google – afinal de contas, eles criaram diversas ferramentas e se tornaram de fato uma jamanta, como bem disse Franklin Martins; tornaram-se necessários para todas as atividades em rede: desde a simples busca de conteúdo até a criação de softwares livres indispensáveis à vida de quem trabalha e se diverte na web.

O Facebook tem mais poder do que supõe nossa virtualizada filosofia. O direcionamento das publicações nas timelines define o que deve ser visto ou não por cada usuário. Desta forma, é possível agregar conteúdos de acordo com a satisfação de cada usuário. É evidente que nem todos os conteúdos disponibilizados serão satisfatórios ou interessarão ao usuário. Mas pode-se dizer que, através destes mecanismos, o Facebook determina uma práxisde produção de sentido. É inquestionável. Assim surgiram as manifestações de junho de 2013. Deu-se valor à rápida disseminação de informações; houve uma mobilização intensa na rede social, cujos parâmetros de adesão podiam ser mensurados pela multidão que foi às ruas.

A mesma predeterminação do Facebook para o agendamento está presente no Google. Evidente que existe o ranqueamento, a indexação e a qualificação dos sites que despontam nas primeiras páginas do Google em determinados resultados de busca. Mas o estabelecimento destas diretrizes marca, como no agendamento midiático tradicional (jornais, rádio e TV), as notícias, os artigos e as imagens. Mesmo assim, a internet é um espaço democrático. Dois sites que abordam temáticas políticas diferentes podem muito bem ter espaços respeitados e públicos suficientemente estabelecidos. Não há, a exemplo da televisão no Brasil, um monopólio estabelecido.

Se os grandes grupos de comunicação no Brasil não “largarem o osso” e não aderirem à Lei de Meios, estarão escavando as próprias sepulturas. Sem a democratização, as grandes incorporações, como Google e Facebook, vão invadir, sem piedade, os espaços que outrora pertenceram aos tradicionais meios. Aliás, já estão invadindo. Quantos amigos, por exemplo, o nobre navegante tem que não perdem as séries independentes produzidas no YouTube? Quantos amigos divagam horas e horas trabalhando, ou mesmo se divertindo no Facebook? Quantos amigos pertencem a um grupo ou são usuários individuais do WhatsApp? Quantos amigos preferem listar as notícias do dia na internet, e não nos jornais ou telejornais? Não é uma jamanta. São duas: Google e Facebook?

******

Mailson Ramos é relações públicas

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem