A era do Estado capataz | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Segunda-feira, 20 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

INTERESSE PúBLICO > TV DIGITAL, O DAY AFTER

A era do Estado capataz

Por Cristina Charão em 07/12/2007 na edição 462

Quando o assunto é a subserviência do Estado brasileiro aos interesses dos empresários de televisão, pode-se pensar em estabelecer um limite. Mas os fatos irão sempre além dele. A prova vem da festa que marcou o início das transmissões de TV em tecnologia digital para um limitado público de algumas dezenas de afortunados paulistanos. Como mestre-de-cerimônias, com direito a texto e coreografia prontos, o presidente da República.


Pensou-se que o governo federal já teria feito todos os favores aos radiodifusores no que diz respeito à implantação da TV digital no Brasil. Escolheu o padrão japonês, tecnologia preferida e defendida pela Abert. Deixou de lado, com isso, investimentos e pesquisas que levariam à constituição de um padrão nacional. Definiu um plano de ‘transição’ que garante aos atuais donos da TV seguirem donos, com seu latifúndio ampliado em um canal extra para transmitirem em alta definição por 10 anos a mesma programação para a qual já têm garantido o seu espaço. Optou por acelerar o lançamento da TVD, desconsiderando que o desenvolvimento pleno do potencial da tecnologia – a interatividade real, que poderia significar a universalização da internet no país – leva tempo. Garantiu, assim, a manutenção do modelo de negócios que enche o bolso de poucos e mostra quase nada do Brasil pela TV.


Latifúndio midiático


Faltava um favor. Menor, se considerarmos a gravidade das decisões anteriores. Porém, extremamente significativo. E, no domingo (2/12), oito e meia da noite, lá estava o governo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em pessoa, fazendo o favor de ler o texto que a ele coube na transmissão conjunta montada pelas principais redes de TV privadas do país.


Quando, ao terminar sua parte no jogral da cerimônia, Lula tomou o controle remoto cenográfico, fingiu apertar um botão e colocou ‘no ar’ o filmete publicitário que se tornou o primeiro produto da TV digital a ser transmitido no país, não se estava entrando numa nova era da televisão no Brasil. O que se viu foi a prova de que ainda vivemos na era do latifúndio midiático, do qual o Estado brasileiro segue sendo o capataz.


Leia também


Guia prático da televisão secreta – Gabriel Priolli


Olhar para a frente é pecado – Nelson Hoineff


O direito de acesso gratuito pelos partidos políticos – Ericson Meister Scorsim


Interatividade virá, mas o prazo ainda é incerto – Marcelo Cardoso

******

Jornalista e coordenadora do Intervozes

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem