Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

ENTRE ASPAS > TV PAGA

Arthur Dapieve

08/10/2005 na edição 349


‘Nos próximos três meses, parte do país, fôlego suspenso, vai acompanhar pela televisão uma história na qual um poder político tenta subjugar o outro, o Senado discute casuísmos, os partidos manobram nas coxias, a corrupção come solta, as messalinas oferecem suas meninas em troca de influência, a aristocracia antevê novas conquistas, a plebe se afunda numa jogatina desenfreada e todos fornicam na frente dos escravos.


As semelhanças entre ‘Roma’ e Brasília são tão numerosas e tentadoras quanto estéreis. O parágrafo acima se aplica também, apenas por exemplo, a Washington. Com o paralelo adicional de que os romanos travaram uma guerra sem fim nas suas fronteiras. Seja como for, a minissérie da HBO não vai acabar em pizza: inclusive porque ela, tal como a conhecemos, é uma invenção napolitana do século XVIII da nossa era.


Durante os 12 capítulos que estréiam oficialmente no domingo, às 22h, ainda estamos entre os anos 52 e 44 a.C.. São tempos interessantes. A República está morrendo e não sabe: dois dos membros do antigo triunvirato com Crasso, César e Pompeu, estão em rota de colisão depois da conquista da Gália pelo primeiro. Do assassinato de César e das ruínas de um sistema político que não tem muito em comum com as modernas repúblicas, emergirá o Império, consubstanciado em Otávio, nomeado Augusto, já em cena, jovem.


Sábado passado, como aperitivo para a estréia e de modo a estimular novas adesões a planos de assinatura que incluem a HBO, dois canais de serviço da NET exibiram sem parar o primeiro e o segundo episódios de ‘Roma’. Deixei de lado o zapping para quedar-me diante de: recriação minuciosa da vida civil e militar; sangue, nudez e sexo a dar com o pau; grande desempenho do elenco inglês, em particular da atriz que interpreta a lasciva Átia (Polly Walker), sobrinha de César. Qual Vercingetórix, rendi-me a ‘Roma’.


Paralelamente às grandes intrigas de César (Ciáran Hinds), Pompeu (Kenneth Graham) e Otávio (Max Pirkis), a minissérie desenvolve as pequenas intrigas de dois personagens que de fato existiram, mas sobre os quais pouco se sabe: o íntegro centurião Lúcio Voreno (Kevin McKidd) e o dissoluto legionário Tito Pullo (Ray Stevenson), citados pelo próprio César em suas memórias da guerra na Gália. São estes dois militares da XIII Legião que exemplificam os efeitos esmagadores da História sobre a patuléia.


Após oito anos de campanha, Voreno tem problemas para se reaproximar da mulher Niobe (Indira Varma) e das filhas que mal conheceu. Já Pullo tem problemas em toda parte: na Gália, bebe além da conta e agride Voreno; de volta a Roma, bebe além da conta e arruma uma briga de jogo num prostíbulo; este fuzuê, por sua vez, vai ocasionar, além de um ferimento no seu crânio (operado em detalhes com os instrumentos cirúrgicos da época), o pretexto perfeito para César e Pompeu iniciarem a Guerra Civil.


Fora ‘Arquivo X’, nunca acompanhei os modernos seriados americanos, por falta de empatia e disciplina. Prefiro, sinceramente, nossas novelas. Parece-me, no entanto, que a ‘Roma’ dirigida por Michael Apted, entre outros, é a minissérie-para-acabar-com-todas-as-séries: ‘The West Wing’, ‘E.R.’, ‘Desperate housewives’ e ‘Pensacola’ numa só.


Não é, claro, a primeira grande obra da HBO; aqui, em co-produção de US$ 100 milhões com a BBC e a RAI. Os dez episódios de ‘Band of brothers’, sobre a Segunda Guerra Mundial, produzidos por Steven Spielberg e Tom Hanks ao custo de US$ 125 milhões, são os meus favoritos. E os seis de ‘Angels in America’, sobre a emergência da Aids e do neoconservadorismo nos EUA, dirigidos por Mike Nichols, não têm preço.


A qualidade técnica e dramática destas minisséries se repete em telefilmes como ‘Conspiracy’ (com Kenneth Branagh, sobre a Conferência de Wannsee, que determinou a infame Solução Final para os judeus durante a Segunda Guerra) e ‘Wit’ (com Emma Thompson, sobre uma professora de Literatura moribunda de câncer). Ao comprar os DVDs de uns e de outros, ajudei a pagar as produções. Assim como os 27 milhões de assinantes da HBO nos EUA as financiaram. ‘Roma’, portanto, não tinha como dar errado.


Pena que, pelo que se pôde ler na pré-estréia, as legendas brasileiras se eximem de bem traduzir algumas coisas. Para elas, por exemplo, houve um personagem histórico chamado Cato. Ora, Kato era o fiel criado do Besouro Verde. Em português, o ferrenho adversário de César no Senado se chama é Catão, dito o Jovem para diferenciá-lo do bisavô Catão, o Censor, autor do célebre bordão Delenda est Cartago (‘Cartago deve ser destruída’). Antes do final da série, este Catão, o Jovem irá cometer seu célebre suicídio.


A atitude liberal para com a morte voluntária, aliás, é apenas uma das características que nos fascina na Roma Antiga. Embora ela nos seja tão familiar no idioma, no Direito, na Arquitetura, sua moral nos é estranha. Afinal, a civilização cristã foi construída em oposição à romana, não à judaica, da qual é tributária. Inocentes do pecado original, os contemporâneos de César entregavam-se à crueldade e à lubricidade sem culpas. O que tendemos a ver como dissolução dos costumes era simplesmente o seu costume. Isto lança um desafio extra à produção realista de ‘Roma’: revivê-la não como uma imagem negativa nossa, e sim como a imagem positiva de si mesma.’


Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem