Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

ENTRE ASPAS > CASO RENAN CALHEIROS

As concessões do senador encalacrado

Por Alberto Dines em 10/08/2007 na edição 445

O senador Renan Calheiros acreditava que a melhor defesa é o ataque e na quinta-feira (9/8) resolveu acusar a Editora Abril por eventuais irregularidades na venda da TVA à operadora Telefônica. Errou feio. Os negócios da Editora Abril nada têm a ver com as denúncias de Veja.


Ao confundir as duas coisas, o senador assumiu publicamente que não tem resposta para as últimas denúncias do semanário. Difícil imaginar que empresas do porte da Telefônica e da Abril façam um negócio irregular – o mercado de capitais hoje passa por múltiplas fiscalizações.


O presidente do Senado entendeu o recado do presidente Lula que em meio à viagem ao Caribe disse com todas as letras que gostaria muito que este caso chegasse ao fim. Era tudo o que o senador Renan não gostaria de ouvir porque a sua tática tem sido a de procrastinar, enrolar, vencer pelo cansaço.


Expediente comum


Veja pode ter errado lá no início quando simplesmente reproduziu as acusações da ex-namorada Mônica Veloso, ao invés de esperar alguns dias e comprová-las. As denúncias de Veja no último fim de semana sobre a concessão de canais de radiodifusão para o seu filho são irrespondíveis. O ato não é ilegal, mas contraria frontalmente o decoro, portanto é imoral: um parlamentar não pode beneficiar-se indiretamente de uma concessão que, por obrigação, deve fiscalizar.


O bom da história é que grande parte dos parlamentares tem usado do mesmo expediente de conceder canais de rádio e TV a seus parentes.


Renan está encalacrado: se o caso das concessões continuar em pauta, mesmo os senadores amigos serão obrigados a ficar contra ele.


 


Leia também


Concessionários de radiodifusão no Congresso Nacional: ilegalidade e impedimento – Venício A. de Lima


Rádios comunitárias – O coronelismo eletrônico de novo tipo (1999-2004) – Venício A. de Lima e Cristiano Aguiar Lopes


Ministério Público propõe anulação de concessões – Luiz Egypto


O forró do cartel da mídia (propriedade cruzada, concentração, diversidade em risco) – Biblioteca OI


A nova desfaçatez do coronelismo eletrônico – V. A. de L.


As bases do novo coronelismo eletrônico – V. A. de L.


Parlamentar não pode ganhar concessão – Alberto Dines


Tudo continua como sempre esteve – V. A. de L.


Na aparência, tudo sob controle; no fundo, tudo na mesma – A. D.


Logros, lérias e lorotas – A. D.


‘Não existe controle social dos meios de comunicação no Brasil’ – Luiz Egypto entrevista Venício A. de Lima


Professor da UnB mapeia concentração dos meios de comunicação no país – Mauro Malin


Globalização das comunicações: o novo e o velho no sistema brasileiro – V. A. de L.


Indignação e participação – A. D.


O fim das oligarquias nas mãos da mídia – A. D.


Políticos controlam 24% das TVs do país – Elvira Lobato [Entre Aspas]


Existe concentração na mídia brasileira? Sim – V. A. de L.


Dossiê das concessões de TV


A ameaça de ‘corporatização’ da mídia – Fernão Lara Mesquita


A ameaça da imprensa ‘corporate’ (2) – F. L. M.


Base governista domina concessões de radiodifusão – Luiz Antonio Magalhães

Todos os comentários

  1. Comentou em 11/08/2007 jose ribamar

    Mesmo assim eu gostaria de ver a Abril se explicando! Pois tudo foi feito de uma forma um tanto nebulosa!

  2. Comentou em 11/08/2007 Celso Soares Campos

    Dines faça-me o favor de providenciar imediatamente a sua aposentadoria, porque normalmente as pessoas de bem quando atinge a idade que você tem agora, normalmente se tornam mais sábias, e sinceramente você nos últimos tempos tem se prestado ao papel de palhaço, defendendo opiniões super estranhas.

  3. Comentou em 10/08/2007 JOSE ORAIR Silva

    ‘Difícil imaginar que empresas do porte da Telefônica e da Abril façam um negócio irregular – o mercado de capitais hoje passa por múltiplas fiscalizações’. O nosso caro e indispensável Alberto Dines, a exemplo do que fez o Presidente Lula em relação ao deputado Roberto Jefferson, não hesita em dar um cheque branco à Telefônica e à Editora Abril, pois, para ele, tamanho é documento e o elefante seria, certamente, o dono do circo. Ele não consegue imaginar que os grandes também possam cometer suas falcatruas… Os empregados da ENRON americana também não acreditavam, aplicaram todos os recursos de seu fundo de pensão na empresa e acabaram desempregados e tosquiados. No Brasil, a imprensa especializada e os analistas de mercado também acreditavam nos balanços semestrais do Banco Nacional que estava entre os cinco maiores bancos brasileiros e que só não deixou os seus depositantes e investidores de tanga porque o governo compareceu generosamente com o PROER, transformando as falcatruas em dívida pública. Isso tudo a despeito da fiscalizão do Banco Central, CVM, Auditoria externa, etc. etc. Os exemplos dos golpes dos grandes estão aí em profusão em todos os setores e em praticamente todos os países. O limite de 1400 toques me faz parar mas outros comentaristas podem continuar a lembrar o nosso prezado e esquecido Dines de que as falcatruas não são um privilégio dos pequenos…

  4. Comentou em 10/08/2007 Nélio Lima

    Mestre Dines:

    ‘Difícil imaginar que empresas do porte da Telefônica e da Abril façam um negócio irregular – o mercado de capitais hoje passa por múltiplas fiscalizações.’

    Os ‘negócios’ do senador Renan não surpreendem a ninguém que tenha um mínimo de conhecimento do nosso Congresso. Mas você acredita mesmo no que escreveu acima? Por que será que TODA a mídia e todos os políticos vêm sistematicamente passando ao largo dessa questão da Abril-TVA-Telecom?

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem