Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

INTERESSE PúBLICO > VIGILÂNCIA & PRIVACIDADE

Assange, Snowden e você

Por Moisés Naím em 23/06/2015 na edição 856

O WikiLeaks voltou à sua labuta. Acabou de anunciar a divulgação de meio milhão de mensagens e outros documentos secretos do ministério do Exterior da Arábia Saudita. E também mensagens do ministério do Interior e dos serviços de inteligência. Em seu comunicado à imprensa, o WikiLeaks lembra que a divulgação coincide com o terceiro aniversário da reclusão de Julian Assange na Embaixada do Equador em Londres.

Outro que fez aniversário foi Edward Snowden, o ex-técnico contratado da CIA que colocou a público uma enorme quantidade de informações secretas dos Estados Unidos. A divulgação completou dois anos há alguns dias e Snowden assinou um artigo publicado no New York Times comemorando seus sucessos [ver “O poder de um público bem informado”]. Lembrou que graças às suas revelações foi criado um intenso debate que obrigou o governo americano a impor limites para a espionagem eletrônica de seus cidadãos realizada rotineiramente pela Agência de Segurança Nacional (NSA). “A partir de 2013 instituições de toda a Europa declararam ilegais essas operações de espionagem e impuseram restrições a atividade similares no futuro”, escreveu Snowden, concluindo que somos testemunhas do nascimento de uma geração pós-terror que rejeita uma visão do mundo definida por uma tragédia específica.

Pode ser. Comemoro o fato de a NSA e outros espiões americanos terem mais restrições para ler meus e-mails ou escutar minhas conversas telefônicas. Mas me preocupo mais com as ameaças cibernéticas à minha privacidade que partem da Rússia, da China e de outros governos autoritários do que as que provêm de Washington.

Na mesma época em que Snowden publicou seu artigo, soubemos que piratas cibernéticos penetraram nos sistemas do departamento de pessoal do governo dos Estados Unidos e roubaram informações detalhadas de pelo menos quatro milhões de funcionários públicos federais. As informações roubadas incluem dados pessoais e profissionais que os empregados do governo estão obrigados a fornecer para ter acesso a informações confidenciais. O principal suspeito do ataque é a China. De acordo com reportagem do Washington Post, Pequim está construindo um enorme banco de dados com informações pessoais dos americanos, pirateando os arquivos eletrônicos de agências governamentais e seguradoras de saúde.

Como defender

Mas os ataques não se limitam à espionagem nem, necessariamente, têm um governo por trás. Há muitos hackers independentes que ganham a vida com atividade criminosa na internet.

Segundo o respeitado relatório que a empresa Verizon publica todos os anos sobre ataques cibernéticos, eles crescem a uma grande velocidade e são poucos os setores cujas defesas informáticas não tenham sido violadas. Os mais atingidos são o governo, além dos setores de saúde e financeiro.

Os especialistas também ressaltam que embora os ataques cibernéticos originados na China sejam constantes e em massa, os que provêm da Rússia não têm nada a invejar dos chineses no tocante à agressividade, frequência e sofisticação.

Seguramente os Estados Unidos não ficam atrás. Mas não devemos colocar todos no mesmo saco. Os Estados Unidos são uma democracia. Com todos os seus defeitos, ali existe uma separação de poderes e os governantes não gozam da impunidade que desfrutam seus colegas em Moscou ou Pequim.

Sim, é importante que as democracias não espionem seus cidadãos. Mas mais importante ainda é que as democracias tenham como se defender e defender seus cidadãos do perigoso mundo cibernético que está emergindo. Não é por acaso que nem na Rússia nem na China surgiram equivalentes de Assange e Snowden.

***

Moisés Naím é ex-diretor do Banco Mundial e membro do Carnegie Endowment for International Peace

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem