Quarta-feira, 21 de Novembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1014
Menu

INTERESSE PúBLICO >

Hugo Chávez e a história revisitada

Por Alberto Dines em 22/12/2008 na edição 516

Como os jornais estão sem apetite para manter as denúncias de escândalos, talvez se interessem por algo tão estapafúrdio quanto a decisão do Senado em aumentar o número de vagas para vereador em plena crise econômica.


No domingo (21/12), em notícia de primeira página, o prestigioso diário espanhol El País informou que o caudilho Hugo Chávez vai lançar-se em nova campanha. Desta vez para provar que o herói da independência, Simon Bolívar, seu ídolo pessoal, foi assassinado em 1830 graças a um conluio de interesses norte-americanos, colombianos e espanhóis [ver ‘La reinvención de la agonía y muerte de Bolívar‘].


Não interessa a Chávez a farta documentação médica, inclusive a autópsia do Libertador, onde se comprova que Bolívar morreu de tuberculose pulmonar contraída na infância e reativada na idade adulta. Hugo Chávez nomeou uma comissão de historiadores oficiais que diz possuir dois mil documentos para provar a hipótese de assassinato, e a peça principal é uma carta apócrifa de uma ex-amante de Bolivar na França, escrita com ‘misteriosos códigos maçônicos’.


Quem não vai gostar da história é o Nobel de Literatura, o colombiano Gabriel García Márquez, que no seu primoroso O general em seu labirinto descreve em minúcias a morte do Libertador consumido pela tuberculose. A charlatanice organizada por Chávez logo será noticiada aqui e talvez até encontre simpatizantes. No recesso do Natal há lugar para tudo.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem