Sábado, 25 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

ENTRE ASPAS > MÍDIA RADIOFÔNICA

O futuro do rádio

Por Fernando Morgado em 29/03/2011 na edição 635

Por muitos anos, um grupo de ‘futurólogos’ pregava o fim de determinadas formas de comunicação toda vez que uma novidade tecnológica surgia. Várias possíveis vítimas já foram apontadas e o rádio – dado o seu grande alcance e tradição – sempre foi um dos alvos preferidos dessas profecias. Esses teóricos caíram em descrédito quando se comprovou – pela experiência prática em todos os principais países do mundo, incluindo o Brasil – que a evolução na forma de transmissão e consumo de conteúdo não é sinônimo de extinção de linguagens de comunicação. Assim, o rádio deixou de ser visto como uma mídia em queda e passou a ser encarado por investidores, anunciantes, profissionais e consumidores finais como um exemplo de renovação e bom aproveitamento das muitas novidades técnicas que apareceram, principalmente nas últimas três décadas. E mais: as novas tecnologias não apenas ajudaram na expansão do rádio como reforçaram vocações já possuídas por ele desde muito tempo.

O tão falado futuro do rádio, na verdade, começou com o advento do FM, que dobrou o número de emissoras até então existentes – com elevação da qualidade do som – e, com isso, aprofundou uma forte característica dessa mídia: a sua alta capacidade de segmentação. Seja a partir do foco num determinado estilo de programação, ou perfil de público, o rádio consegue oferecer soluções para os anunciantes que muitas outras mídias não conseguem. Outro passo importante foi dado com a chegada dos satélites, que permitiu a formação de redes nacionais e, com elas, a viabilização econômica de diversas emissoras de pequeno e médio porte em todo o país, dando novos contornos ao processo de integração nacional iniciado pelo rádio e posteriormente aprofundado pela televisão.

Variedade de opções e empregos

A popularização da internet, maior argumento empregado pelos ‘futurólogos’ citados no começo deste texto, acabou beneficiando o rádio sob os mais diversos aspectos:

** Trouxe de volta muitos ouvintes jovens que haviam perdido o hábito de usar aparelhos de rádio;

** Ilimitou o espaço para empresas ou mesmo pessoas comuns lançarem novas estações, transformando a internet num campo livre para o surgimento de novas músicas, locutores, programas e marcas que podem até, no futuro, ganhar espaço nos dials;

** Permitiu que os ouvintes de rádio com baixa qualidade de sinal pudessem ouvir um som mais limpo através dos seus computadores;

** Reforçou a interação que sempre existiu entre o locutor/comunicador e o seu público, que passou – através de e-mail, de salas de bate-papo e de redes sociais – a interferir instantaneamente na programação;

** Fez estações locais do mundo todo ganharem uma audiência mundial, ampliando o potencial de internacionalização que o rádio sempre teve e que é o objeto principal da paixão de pessoas como os dexistas – aqueles que, através dos seus aparelhos receptores, procuram ouvir programações dos lugares mais distantes.

A telefonia móvel – cujas ondas prejudicam, especialmente nas grandes metrópoles, a transmissão das ondas de rádio – também acabou ajudando as rádios em FM, pois, hoje em dia, praticamente todos os celulares recebem essas estações.

A chegada do rádio digital ao Brasil poderá possibilitar novos avanços, apesar das discussões em torno da robustez do sinal e do alto preço dos receptores. O rádio, cada vez mais, será encarado como uma ‘central de convergência de mídias’, onde, juntamente com o áudio, o ouvinte poderá receber textos e até fotos. No novo sistema, o som das emissoras AM recebe qualidade de FM e as FMs ganham som de CD. Cada frequência poderá ter até quatro programações simultâneas, o que aumentaria – e muito – a audiência alcançada, a variedade de opções para o anunciante e, por conseguinte, os empregos gerados pelo setor.

Fidelidade envolve credibilidade

Há também o rádio por assinatura via satélite, que é uma realidade bem-sucedida nos Estados Unidos. A Sirius, líder deste mercado, oferece mais de 130 canais de áudio digitais, com programações muito variadas, vinculadas a marcas importantes (como Disney, CNN, Fox, BBC, Playboy, Oprah e NFL) e com som impecável para os seus quase 20 milhões de assinantes.

Com toda essa evolução, vale a pena pensar: se o rádio está crescendo e se expandindo para novas plataformas, como será que as emissoras devem se posicionar enquanto marcas e negócios? A resposta está naquilo que o rádio verdadeiramente oferece e vai além de qualquer discussão relacionada com tecnologia de transmissão ou recepção de sinal – afinal, isso muda o tempo todo.

Quando se realizam pesquisas com o objetivo de detectar aquilo que os ouvintes sentem em relação a uma emissora, uma palavra sempre se destaca: pertencimento. A sensação de que aquela programação é feita ‘sob medida’, reforçada com a forte interatividade promovida tanto dentro quanto fora do ar, desperta no ouvinte a ideia de que aquela emissora ‘é dele’ e que, através dela, ele pertence a um grupo especial de pessoas. Essa identificação, mais forte no rádio que em outras mídias, é a base que constrói uma audiência fiel e confiante para consumir não apenas os conteúdos oferecidos pela emissora como também os produtos anunciados nos seus espaços comerciais. Afinal, fidelidade também envolve credibilidade: algo primordial para a obtenção de resultados junto aos ouvintes.

Pontos estratégicos da mente e do coração

Como se vê, mais do que vender tempo, uma rádio promove – e vende – relacionamento, seja entre pessoas, seja entre pessoas e empresas. Todos os grandes grupos de comunicação do mundo já atentaram para isso e estão trabalhando suas estações como marcas que promovem uma nova gama de relacionamentos e formas de transmissão de conteúdo que vão além, inclusive, da própria programação e se transformam, por exemplo, em eventos, mensagens de texto para celular, colunas em jornais, portais na internet e até programas de TV, sendo tudo sustentado por grifes multimídias que nasceram no rádio e que, de tão fortes, expandiram suas fronteiras de atuação.

As rádios – graças a toda a essa sensação de pertencimento falada anteriormente e às novas formas de distribuição que surgem a todo momento – têm atuado como líderes dessa nova forma de pensar e gerir negócios de mídia, o que reforça a sua importância para os tempos atuais e abre caminhos para um futuro baseado na convivência entre todas as linguagens de comunicação integradas a partir de marcas posicionadas em pontos estratégicos da mente e do coração dos ouvintes, leitores, internautas etc.

******

Pesquisador, escritor e palestrante

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem