Segunda-feira, 18 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº991
Menu

INTERESSE PúBLICO > RÁDIO

Para onde vão as emissoras AM?

Por Carlos Roberto Silveira em 04/03/2008 na edição 475

O dia-a-dia tem mostrado que a AM não deve durar muito. É só ver nos ônibus, no metrô e nos outros meios de transporte, a quantidade de pessoas que se utiliza de equipamentos que já não têm mais AM – somente emissoras FM e dispositivos para guardar músicas, como MP3, MP4 ou mesmo o Ipod (o qual, por sua vez, não tem FM e muito menos AM). Com o excesso de contrabando, e mesmo com a vulgarização da tecnologia feita pelos chineses ao redor de todo mundo, hoje, com R$ 50,00, pode-se comprar um MP3 de 1 GB de espaço que suporta até 200 músicas.

Sem ter feito pesquisa – embora eu ache que merece uma – acredito que pelo menos 40% das pessoas que vemos no dia-a-dia estão usando esse tipo de equipamento.

Mesmo as AM têm o seu pico num determinado momento em que transmite o conteúdo igual ao de todas as emissoras. Por exemplo, futebol: todas querem transmitir ao mesmo tempo o mesmo jogo. Haveria audiência para tanto?

Quase 70% das emissoras são de cultos evangélicos.

Comprei um MP4 e fui descobrir que só da para sintonizar 30 emissoras FM. Aí, veio outra surpresa: em sua maioria, são evangélicas!

Problema da audição

Em uma sociedade que vive de informação, não é possível aceitar tal absurdo. É preciso repensar…

O nível de alienação fica claro: se um evento já aconteceu ou vai acontecer na cidade, ninguém sabe ou diz que não teve tempo de se informar. Ou se você perguntar sobre o cartão corporativo ou outro assunto qualquer, ninguém sabe de nada.

Um exemplo: e-mail para emissoras de rádio. Através de, assim como de e-mail, são sempre os mesmos. Se ouvirmos algumas emissoras de rádio, veremos que quem participa são as mesmas pessoas. Fica parecendo que o ouvinte é amigo daquele que fala no rádio. Isto não contribui para uma sociedade melhorar.

Algumas observações: no Brasil, não existe regra alguma para se poder ouvir, num aparelho desses que emitem até 120 decibéis; na França, não são permitidos equipamentos desse tipo que emitam acima de 75 decibéis.

É claro que a preocupação é com a audição do cidadão, o qual, ao ficar com problemas, vai buscar os serviços médicos do Estado… – pelos quais, por sua vez, somos nós que vamos pagar lá na frente.

******

Assessor do Sindicato dos Vigilantes de São Paulo, São Paulo, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem