Sábado, 21 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

ENTRE ASPAS > VACINA CONTRA A CHAVIZAÇÃO

Política de concessões de radiodifusão
deve ser revista com urgência

Por Alberto Dines em 12/06/2007 na edição 437

Para evitar que os chavecos e chavões do chavismo contaminem o processo brasileiro é indispensável uma ação imediata de todos os interessados em preservar nossas conquistas democráticas. Isso significa, em primeiro lugar, uma avaliação minuciosa do que seja a ‘democracia deles’ (expressão utilizada pelo presidente Lula para designar o regime venezuelano na entrevista a Clóvis Rossi – Folha de S.Paulo, 8/6).


E a ‘democracia deles’, de acordo com a Lei de Responsabilidade Social em Rádio e TV da República Bolivariana da Venezuela (de 7/11/2004), prevê uma sucessão progressiva de sanções – advertências, suspensão da programação por 72 horas e em caso de reincidências, embargo do canal pelo prazo de cinco anos – antes da suspensão final da concessão.


O ato de Chávez contra a RCTV, apesar das afirmações peremptórias sobre a sua legalidade, não obedeceu à legislação do seu país: foi discricionário, autoritário e antidemocrático.


Mas este é um problema venezuelano. O nosso problema é mais simples: precisamos efetivar o espírito democrático da nossa legislação no tocante à comunicação social. Sobretudo no terreno das concessões.


Sem autoridade


No Brasil, pelo menos teoricamente, um caudilho ou um partido caudilhesco inspirado por Chávez seriam impedidos de cassar ou não renovar uma concessão para rádio ou TV. O ato emanado do Executivo teria que ser examinado pelo Congresso Nacional e aprovado por dois quintos dos legisladores em votação nominal (Constituição Federal, artigo 223, parágrafos de 1 a 5).


Antes disso, o Congresso teria que ouvir, na condição de órgão auxiliar, o Conselho de Comunicação Social – conforme está indicado no Artigo 224.


E aqui começam nossas aflições e vexames: não temos um Conselho de Comunicação Social. Criado com 14 anos de atraso depois de promulgada a Constituição, nosso CCS teve vida efêmera: funcionou razoavelmente de junho de 2002 a fevereiro de 2005 sob a presidência do jurista José Paulo Cavalcanti Filho, um dos mais respeitados especialistas brasileiros em matéria de legislação de mídia.


Em seguida, como não poderia ser dissolvido, por determinação de José Sarney, então presidente do Senado, o CCS foi mumificado. Entregue desde então ao ‘imortal’ Arnaldo Niskier, é hoje um arremedo do que foi, burla ostensiva ao espírito da lei que o criou – não serve ao Congresso, não serve à sociedade, não serve aos meios de comunicação e, o pior, não serve à democracia. Não tem autoridade técnica para esclarecer dúvidas, não tem credibilidade para subsidiar a tomada de decisões. Sobretudo no tocante às concessões.


Terra de ninguém


Em matéria de radiodifusão, o poder moderador do Congresso Nacional está hoje completamente desmoralizado. Quando se verifica (como o fez este Observatório da Imprensa depois de exaustivo cruzamento de dados) que grande parte dos parlamentares brasileiros é beneficiária do sistema de concessões que deveria fiscalizar, escancara-se um descomunal conflito de interesses, bandalheira de proporções federais que só uma navalhada da Polícia Federal poderia desarticular [ver ‘Para acabar com a farra das concessões a parlamentares‘ e ‘Representação do Projor à Procuradoria Geral da República‘].


O caso do juiz federal de Goiás que decidiu proibir novas concessões de TVs educativas sem licitação [ver abaixo] desvenda o grau de desinformação, dá uma idéia do apagão jurídico e institucional que torna a nossa democracia tão vulnerável e ineficaz quanto a venezuelana.


Os eventuais pretextos para chavecadas e chavismos estão nesta terra de ninguém eletrônica, implantada à margem da lei e da moralidade, no coração do Congresso Nacional.


Leia também


G-5, G-8, G-20 e G-Chávez – A.D.


Renovação e cancelamento de concessões de radiodifusão – Venício A. de Lima


***


Justiça veta concessão de TV educativa sem licitação


Elvira Lobato # copyright Folha de S.Paulo, 7/6/2007


Um juiz federal de Goiás, em decisão inédita, proibiu o governo de expedir novas concessões de TVs educativas sem licitação para escolher o beneficiado e de renovar sem licitação as concessões já existentes. A União recorreu ao Tribunal Regional Federal de Brasília, suspendendo o efeito da sentença até que o recurso seja julgado.


No entendimento do juiz Jesus Crisóstomo de Almeida, da 2ª Vara Federal de Goiás, o decreto-lei 236/67, no qual o governo se baseia para não fazer licitações, é inconstitucional, e não há transparência na distribuição das concessões.


As emissoras foram duplamente surpreendidas, porque a sentença é de abril de 2006 e só agora está chegando ao conhecimento do setor. Cento e setenta fundações, universidades e órgãos da administração pública direta e indireta (entre elas a Radiobrás, a TV Cultura de São Paulo e o Canal Futura) que obtiveram concessões sem licitação foram notificadas para se defender no processo via edital publicado no ‘Diário de Justiça de Goiás’. Por isso quase nenhuma soube da ação.


A gerente geral do Canal Futura, Lúcia Araújo, diz que soube da sentença há dois meses, porque o Ministério das Comunicações suspendeu a assinatura dos contratos de concessão de TV de sete fundações ligadas da universidades que integrariam sua rede de afiliadas: ‘Ficamos perplexos’. A Fundação Padre Anchieta, que mantém a TV Cultura, diz que não sabia da existência do processo até ser informada pela Folha.


Algumas fundações pediram anulação da sentença alegando que tiveram o direito de defesa cerceado, mas há consenso nas emissoras e no governo de que é preciso mudar a legislação sobre a radiodifusão, com a redefinição dos critérios para concessão das outorgas que dê transparência à seleção.


A ação começou em 2003, quando o Ministério Público Federal pediu a anulação da outorga do canal 5, de Goiânia, à Fundação Ministério Comunidade Cristã, de evangélicos. O canal tinha sido pleiteado pela Universidade Federal Goiás e por mais três candidatos. O procurador Luciano Gomes Rolim alegou na ação que a legislação não estabelece critérios para a distribuição de concessões e que a escolha do beneficiado é decisão pessoal do ministro das Comunicações.


Em 2005, o Ministério Público Federal de Brasília entrou com uma ação civil pública, ampliando os efeitos da primeira e pedindo a proibição de novas outorgas de radiodifusão educativas e da renovação das atuais sem licitação pública.


Para a gerente geral do Canal Futura, Lúcia Araújo, é preciso um debate nacional sobre os critérios de concessão.


O presidente da Associação Brasileira das Emissoras Públicas, Educativas e Culturais, Jorge Cunha Lima, diz que as TVs educativas não estão previstas na Constituição e que não há regulamentação sobre as TVs públicas e estatais: ‘Vivemos num momento sem lei’.


 


Ministro é a favor de licitação para nova concessão


Copyright Folha de S.Paulo, 7/6/2007


O ministro das Comunicações, Hélio Costa, disse à Folha que é favorável à realização de licitação pública para as novas concessões de televisão educativa, mas que é contrário à licitação para renovação das concessões já existentes. ‘Isso é brincar com direitos adquiridos’, afirmou o ministro.


Costa disse que só tem autorizado concessões novas para fundações ligadas universidades de ensino público e que a paralisação de pedidos apontada por emissoras não se deve à ação judicial de Goiás.


Segundo Costa, as concessões dadas sem licitação pública foram amparadas no decreto 236, de 1967, segundo o qual ‘a outorga de canais para televisão educativa não dependerá de publicação de edital’ e em um outro decreto, de 1963. ‘Quem tem de resolver essa questão é o Congresso’, disse.


Disse que, enquanto uma nova legislação de radiodifusão não for aprovada, o governo poderia adotar para as novas concessões de TV educativa o critério usado para aprovação de rádios comunitários. No caso, segundo ele, é publicado um edital dando prazo de 60 dias para que os interessados apresentem seus projetos, e vence a melhor proposta educativa. (E.L.)

Todos os comentários

  1. Comentou em 13/06/2007 Fernando Maciel

    Pra não esquecer Dines:

    ‘SÃO PAULO – Acontece nesta sexta-feira (15), às 13 horas, no Tribunal de Justiça de São Paulo, o julgamento em segunda instância do processo de injúria movido pelo ex-senador Jorge Bornhausen (DEM-SC) contra o cientista social e colunista da Carta Maior Emir Sader. Ambos recorreram da decisão tomada no final de 2006 pela 11ª Vara Criminal de São Paulo, que condenou Sader à perda de seu cargo de professor na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) e a um ano de detenção, em regime aberto, conversível à prestação de serviços à comunidade.

    Na sentença, o juiz Rodrigo César Muller Valente avaliou que Sader cometeu crime ao tratar Bornhausen como “racista” em um artigo publicado na Carta Maior. O colunista se referia a uma manifestação pública do senador, na qual, ao ser questionado em um evento com empresários se estava desencantado com a crise política, ele respondeu: “Desencantado? Pelo contrário. Estou é encantado, porque estaremos livres dessa raça pelos próximos 30 anos”.

    Espero algum comentário do OI sobre o caso…

  2. Comentou em 13/06/2007 Mateus Toledo Gonçalves

    Dines, para que haja a não renovação da concessão não me parece nescessário que ocorra uma ‘sucessão de progressiva de sanções’ visto que no caso não houve cassação da concessão (que seria a pena máxima, e ocorreria enquanto a concessão fosse vigente).
    Existem fortíssimos indícios de que a RCTV não praticava jornalismo, digo indícios porque não acompanhamos a RCTV para dizer que tipo de jornalismo ela pratica, entretanto não são raros os depoimentos de jornalistas(incluíndo colaboradores deste observatório) quanto a péssima qualidade do jornalismo prestado pela RCTV.(além de documentario e de videos, onde supostamente suas manipulações são desmascaradas).
    Por isso acho que a repulsa ao ato de Chavez, sem relativizar as diversas acusações a respeito do jornalismo que este canal praticava (sem esquecer, no entanto, que essas acusacões partem muitas vezes de ‘chavistas’) ou mesmo sua suposta participação no golpe de 2002, se mostra precipitada.
    Se ambos os fatos se mostrarem verdadeiros, o ato não é legítimo?
    O fato de Chávez não gostar de oposição (quem gosta? )ou de que ele tenha se aproximado de Cisneros (outro provável ‘golpista’) não torna o ato em si, ilegítimo.
    A defesa irrestrita aos meios de comunicação, mesmo quando eles extrapolam seu limites e prestam um desserviço à nação me parece tão irracional quanto o mais fervoroso dos chavistas pode ser.

  3. Comentou em 13/06/2007 Yussef Martel

    Caro Dines, não ligue para essa turma que ‘pega no seu pé’ a cada matéria publicada. Vejo que estão todos perdidos e atordoados, pois seus ‘heróis’ estão na lama da política nacional (e pensar que muitos desses, empunharam bandeiras sob sol e chuva, cantando e aplaudindo esses grandes malandros). Leio em várias publicações (jornais, revistas, internet) comentários muito mais contudentes que o seu, e não vejo essa reação, pelo contrário, os leitores ‘descem, ainda, mais a lenha’ . Parece, meu caro, que a turma, te ‘elegeu’, e agora passa seu ocioso tempo ‘enchendo teu saco’, e isso é falta do que fazer (não há mais ‘luta’ a vencer, pois chegaram ao poder).

  4. Comentou em 13/06/2007 Yussef Martel

    Caro Dines, não ligue para essa turma que ‘pega no seu pé’ a cada matéria publicada. Vejo que estão todos perdidos e atordoados, pois seus ‘heróis’ estão na lama da política nacional (e pensar que muitos desses, empunharam bandeiras sob sol e chuva, cantando e aplaudindo esses grandes malandros). Leio em várias publicações (jornais, revistas, internet) comentários muito mais contudentes que o seu, e não vejo essa reação, pelo contrário, os leitores ‘descem, ainda, mais a lenha’ . Parece, meu caro, que a turma, te ‘elegeu’, e agora passa seu ocioso tempo ‘enchendo teu saco’, e isso é falta do que fazer (não há mais ‘luta’ a vencer, pois chegaram ao poder).

  5. Comentou em 12/06/2007 Menjol Almeida

    O Dines não lê o que ele escreve, muito menos o que nós escrevemos. Da última vez que ele fez isso, talvez uma das únicas, ficou estupefato e postou uma ladainha interminável sobre matar e esfolar, justamente o que ele mais gosta de fazer, seletivamente é claro.

    A propósito: também existe a democracia do OI, baseada em não permitir a postagem de alguns comentários, por exemplo, e não explicar sua ‘linha editorial’ com base nos anúncios da Ford Foundation, da Odebrecht, etc.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem