Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

INTERESSE PúBLICO > TRAGÉDIA EM CONGONHAS 2

Sem governo, mas com notícias

Por Alberto Dines em 20/07/2007 na edição 442

Governo acabrunhado, imprensa vigilante. A informação de William Bonner no Jornal Nacional de quinta-feira sobre a falha em dos reversos da turbina do Airbus da TAM, além de contribuir para o esclarecimento da catástrofe em Congonhas, tem uma formidável importância política: o governo federal escondeu-se durante 48 horas, não conseguiu encarar a Nação diante da maior catástrofe aérea da história, nem sequer apresentou condolências às famílias enlutadas. Só na noite desta sexta-feira teremos o presidente da República oferecendo à sociedade brasileira algum tipo de consolo.


Em compensação, a imprensa não abdicou dos seus deveres, estava lá em Congonhas minutos depois da tragédia e até hoje continua lá. A informação sobre a falha no reverso da turbina direita do Airbus não foi uma tirada denuncista como as que estamos acostumados a ler ou ouvir. Antes de ser levada ao ar, foi checada com o próprio presidente da TAM, e a contestação do empresário foi rebatida por novas informações.


Tudo indica que a falha no reversor (que funciona como uma espécie de freio-motor do jato) foi decisiva para levá-lo além dos limites da pista. A catástrofe evidentemente não está inteiramente explicada, falta apurar ainda se as condições do piso – entregue ao intenso tráfego antes do prazo previsto – não se somou à falha mecânica.


Uma coisa parece certa: ficamos sem governo durante três dias, mas não ficamos sem informações.


***


Todos os partidos sonham em aproveitar as regalias da legislação eleitoral para apresentar-se durante a exibição do telejornal noturno da Rede Globo, melhor palanque político não pode haver. Mas, ontem à noite, os cinco minutos do PRB foram desastrosos para o novo partido.


O âncora do programa foi José Alencar, vice-presidente de uma República, que vive uma de seus piores momentos. O ex-ministro da Defesa que não se distingue muito do seu desastrado sucessor, parceiro do senador-bispo Marcelo Crivela e padrinho do ministro do Futuro, Mangabeira Unger.


As bruxas estão soltas, é verdade, mas neste caso ofereceram uma grande justificativa para a urgência da reforma política.

Todos os comentários

  1. Comentou em 25/03/2009 alex sandro schumacker

    Desculpe a minha ignorancia mas preciso fazer um trabalho p/ a faculdade sobre midia e modismo linguistico estou pesquisando e so vejo artigos e etc,gostaria de receber algo mais especifico q pudesse me esclarecer o q é,e qual a diferença entre midia e modismo linguistico
    Desde ja agradeço

  2. Comentou em 23/07/2007 Jairo Fernando Oliveira

    Paula Abreu, meus comentários normalmente não são polêmicos e nem causam repercussão, pelo que estranhei o fato de sua contestação. Sinceramente, não cabe à mídia fazer suposições, principalmente em relação a um acidente de proporções tão trágicas. Não cabe à mídia acusar o governo de assassino, como fez a FSP. Um acidente é um acidente. E no caso de acidente de avião, somente depois das análises da caixa-preta será possível avaliar a possível dimensão desta tragédia. Em que pese todos os erros do governo Lula, imputar ao mesmo a responsabilidade pelas mortes é um absurdo! Cobranças devem ser feitas, o governo ainda está carente de soluções concretas para o setor. Mas, isto não permite que a mídia pose de juíza, incitando todos contra o governo atual. Não concordo com muita coisa do governo em relação a esta crise aérea (que na verdade, a mídia criou a partir do acidente com avião da Gol), mas nem por isso posso concordar que a mídia saia informando antes de qualquer confirmação oficial, que o governo era o maior culpado pela tragédia. Hoje mesmo, o pai do piloto do avião acidentado, que também é piloto, ressaltou a importância do reversor…

  3. Comentou em 23/07/2007 gelson dantas dantas

    Acho que não me expressei direito e Paula Abreu tem razão nas observações que fez. Apenas para reafirmar: o Observatório é múltiplo e heterogêneo nos seus artigos, mas tem enxurradas de comentários sobre os artigos que são exemplo de intolerância e truculência. Acho que é numa peça de Brecht que um personagem fala: onde não houver inimigo, urge criar um . Os caras que falam todos os dias na tal tentativa de golpe da Imprensa contra o governo ‘democraticamente eleito por duas vezes’ daqui a pouco irão tirar das gavetas algum dossiê denunciando um novo Priorado do Sião, invenção que no passado serviu tanto às ditaduras de esquerda como de direita. Não precisa ser jornalista mas é simples para qualquer um entender que o Observatório não é horário eleitoral gratuito, como eu disse antes. Ver golpe atrás de cada erro ou mão pesada da Imprensa vai bem em reunião de diretório, não na vida real. Ameaçou a Imprensa, ameaçou o povão, mesmo que a Imprensa cometa seus erros e exageros. Aí o povo vai ter confiança de se informar com quem? Com o tal Canal do Brasil? Com o papo dos políticos que só olham o interesse deles?

  4. Comentou em 22/07/2007 Katia Almeida

    Eu passei a preencher o campo profissão com a expressão desempregada porque esse é um fato concreto. Diante de uma economia que não cresce, sou mais uma a fazer parte do imenso exército de reserva deste país. Em segundo lugar, porque havia gente tentando usar o fato de que me formei em jornalismo para transmitir uma falsa noção sobre a imprensa e o trabalho de jornalistas que eu não represento. Em terceiro lugar, porque nunca sequer atuei na área política. Logo, minhas opiniões aqui não podem sob hipótese alguma ser usadas para confundir aquilo que penso com aquilo que pensam diversos articulistas políticos. Infelizmente, pela experiência que tenho, simpatizantes do PT costumam se aproveitar de toda sorte de situações para tumultuar as discussões e inverter os fatos.

  5. Comentou em 22/07/2007 Sergio Azevedo

    Continuando o comentário anterior:

    Ou seja, o problema sempre vai existir, independente do governo do Lula, do Zezinho ou do Joãozinho. Reduzir o número de vôos, reduzir peso máximo etc, tudo isso só vai reduzir as probabilidades de OUTRO acidente grave, mas o problema continuará existindo enquanto não se construir um aeroporto com área de escape conforme recomendado pela ICAO, ou seja desativar Congonhas ou desapropriar uma enorme área ao seu redor para a construção dessa área de escape.

  6. Comentou em 21/07/2007 Cid Elias

    Paula Abreu sem profissão, Katia desempregada, SP, e as duas oniscientes não somaram ao debate sequer uma informação comprovada dos seus ‘achismos’. Em homenagem ao comentário da Paula, patético do começo ao fim, segue trecho dum artigo, que, se responderes, favor incluir dados confiáveis:’Lula é o culpado pelos problemas de Heathrow’ <>O jornal inglês The Independent fez matéria de primeira página com o título ‘Heathrow: The world s least favourite airport’, onde relata alguns dos problemas do aeroporto internacional mais movimentado do mundo. Logo no primeiro parágrafo fala de ‘tempestade de atrasos, falta de investimentos e protesto ecológico’ como ingredientes explosivos do momento no Aeroporto de Heathrow, em Londres, na Inglaterra. O jornas alerta para o início da próxima temporada de 8 semanas, com cerca de 10 milhões de passageiros circulando, atormentados pelos atrasos causados ‘pelas checagens de segurança e pela lentidão da modernização do aeroporto’. Diz um alto executivo do setor que o aeroporto está prestes a não cumprir mais sua finalidade e ‘são os passageiros, as linhas aéreas e a economia britânica que pagam por isso’. Heathrow está recebendo 68 milhões de passageiros por ano, mas sua capacidade é de apenas 45 milhões. A reportagem fala também que ontem, sexta-feira 20, o aeroporto esteve caótico, com 141 vôos cancelados…’ Pena que no U K não existem paulas.

  7. Comentou em 21/07/2007 ubirajara sousa

    Senhora Katia Almeida, eu nunca tinha visto alguém perder o emprego assim: de uma hora pra outra, ‘on-line’. Até as 12:18:53 PM a senhora era jornalista; às 03:58:32 PM estava desempregada. Afinal, a senhora é jornalista; é desempregada; ou é jornalista-desempregada? Outra visão surpreendente foi a de sua auto-imagem. Já vi muito megalomaníaco, mas eles têm que tirar o chapéu para a senhora. Se a senhora está verdadeiramente desempregada, após tantos escritos aqui, acho que o OI poderia dar-lhe uma forcinha, O que a senhora acha?

  8. Comentou em 21/07/2007 Jairo Fernando Oliveira

    Impossível apoiar a mídia neste momento. Repetição exagerada de mil teses e a maioria procurando por a culpa na pista (ou seja, em Lula). Repetição de cenas de familiares chocados, transtornados, ao receberem a notícia de que os familiares estavam no avião acidentado. Tentativa de responsabilizar o governo federal pela tragédia, mesmo antes de qualquer parecer técnico (só achismos). Se o colunista acredita que ficamos sem governo, mas com notícias… que notícias eram estas? Afora a cobertura sobre as vítimas e o local do acidente, os editoriais culpando o governo foram um verdadeiro desastre! Estamos sentidos com a dor dos familiares das vítimas e com o aproveitamento político midiático da notícia…

  9. Comentou em 21/07/2007 Alfredo Ibañez

    Vim no Observatório da Imprensa esperando ver um contraponto ao massacre poucas vezes tão claramente orquestrado pela grande mídia nacional, só comparável, em termos internacionais às ‘revoltas’ que precederam a queda do Muro de Berlim ou à associação do Iraque ao atentado de 11 de setembro de 2001, com uma pitadinha de armas de destruição em massa.

    Tive um grande desapontamento ao procurar o artigo do Alberto Dines, que já foi crítico da manufatura dos consensos, agora repetindo o ‘lincha, lincha’ que acompanha nossa história humana por alguns milênios.

    Mas tive também duas grandes surpresas positivas. Por um lado, ver quantas pessoas preservam a capacidade de observação crítica e se recusam a responder ao chamado a ver mais sangue para defender os interesses de nossos novos senhores feudais. Pensei que a maioria, mesmo não engolindo o pacotão como é vendido pela mídia, tivesse uma percepção confusa de que algo de razão haveria na condenação unánime. Dos 113 comentários até agora, mais de 90% são críticos ao artigo. Ainda há vida inteligente!

    A outra contribuição que levo é a clareza que fica dos comentários a favor do artigo, cujo viés político acaba com qualquer expectativa de isenção, se alguém ainda acreditava nisso. Obrigado, Katia, sua explícita manifestação partidária muito contribuiu para perceber que para muitos jornalistas esta é a ordem natural das coisas.

  10. Comentou em 21/07/2007 Cid Elias

    Katia Almeida, chame mais ‘jornalistas’ imprensaleiros para vir comentar este artigo(artigo?), do naipe dos muitos que têm em SP, dos que no lugar de informar, mentem à população, inventam, distorcem, etc. Avise-os pra vir aqui dar uma ‘forcinha’ pro advogado de defesa da classe, o grande Sr. Dines, vai…

  11. Comentou em 21/07/2007 Teo Ponciano

    Dines e Globo: tudo a ver!

  12. Comentou em 20/07/2007 beto taka

    Caro Dines, o senhor errou. Não foram 3 dias de desgoverno em relação ao apagão aéreo, mas sim dez meses. Dez meses suficientes para que dois aviões se chocassem no espaço aéreo brasileiro e um outro não conseguisse parar na pista molhada do aeroporto de Congonhas. A explicação de que o reverso da turbina possa estar relacionado com o acidente, simplesmente, não exclui a possibilidade de haver falhas na pista do aeroporto. Durante esse tempo, falou-se de tudo e nada se fez. Pior , falou-se muita bobagem. Ministro Mantega, Ministra Marta…e os gestos obsceno no assessor especial do Presidente da República Marco Aurélio Garcia. Só bobagens. Só atrapalhadas. Nada de fato foi feito. Só agora, após o segundo acidente aéreo, que o presidente Lula resolve fazer algo. Medida tardia.
    Sr. Dines, o senhor acertou: considerando que as equipes de jornalismo de rádio e TV, e as redações dos jornais estavam todas voltadas para os jogos no Rio de Janeiro, após o acidente em São Paulo, a imprensa investigou rapidamente, evitou ‘furos’ sem fundamentos, e informou a população sobre os fatos.

  13. Comentou em 20/07/2007 Cério Santos

    Como dizia meu conterrâneo (último dos coronéis) o ‘saudoso’ ACM: ‘A MÍDIA É SAFADA’. E bota safada nisso.

  14. Comentou em 20/07/2007 Goretti Carneiro

    Senhor Dines,
    Não tenho muita certeza de que o Senhor chegue a ler o que tem sido postado. De qualquer forma, não pude me furtar a lançar aqui minha opinião a respeito do monte de irresponsabilidade — não, não é irresponsabilidade — do monte de podridão, de nojeira, de fedentina, trapaça e injustiça que os senhores profissionais da informação estão sempre a articular, ao colocar o foco, propositadamente, em questões convenientes a interesses determinados e mantendo no escuro aquilo que as mentes com mais de um neurônio sabem que precisaria ser iluminado. Aproveitem o poder, aproveitem os bens materiais auferidos. Hoje vocês é mandam. Amanhã será outro dia. O tempo irá se encarregar de colocar o melhor adjetivo em cada um dos senhores. Com certeza — ai sim, tenho certeza — a maioria dos senhores será execrada. Os senhores estão contribuindo para um mundo piorado, deteriorado de princípios e fundamentação crítica.

  15. Comentou em 20/07/2007 jose carlos lima

    Um acidente envolvendo uma empresa privada, a TAM, e nada mais. Imagina só se Bush, toda vez que houver um acidente aéreo, ter que ficar dando mil explicações para o que ele não teria nada a ver.

    Por que Lula teria que ficar se explicando? Explicando o que? Que o avião caiu por falha técnica, alta velocidade etc etc?

    Cada macaco no seu galho

  16. Comentou em 20/07/2007 alvaro marins

    O Dines volta a atacar! Sempre desinformado, sempre desinformando, sempre defendendo uma mídia cada vez mais podre. O presidente Lula tão logo soube do acidente, reuniu imediatamente os ministros responsáveis pelas áreas relacionadas ao trágico acidente; a primeira medida foi determinar que a Polícia Federal investigasse se havia alguma irresponsabilidade fosse de quem fosse. Isso foi noticiado pela mídia antes mesmo da informação de quantos passageiros estavam no vôo. Nem sei como os editores deixaram passar isso, pois demonstrava claramente que o presidente tomava todas as medidas que estavam ao seu alcance naquele momento. O Dines não reparou, mas o presidente declarou luto oficial de três dias. No dia seguinte, todas as autoridades do setor deram uma entrevista coletiva à mídia. Estavam lá dois brigadeiros responsáveis pelo tráfego aéreo, o presidente da Anac e o presidente da Infraero. Todos bombardeados pela insistência obsessiva de induzi-los a responder que a culpa era da pista (senha do golpe para acusar o governo federal). O Dines também não viu essa entrevista. Numa coisa, porém, o Dines acerta; a imprensa (não a mídia) manteve-se vigilante contra os arautos da mídia que, pisando sobre os cadáveres ainda quentes, tentavam transformar o acidente em um golpe de propaganda contra o governo. O problema do Dines é que ele confunde mídia com jornalismo e imprensa.

  17. Comentou em 20/07/2007 Wladmir Gonzaga

    Nossa, a turma da patrulha veio em peso pra cá! Por que será? Estão preocupados porque a casa caiu? Eles tem uma estranha fixação por governos anteriores, esquecendo-se que o Presidente agora é Lula!! Ou será que não? Lula mais uma vez mostrou sua covardia ao fugir, igual no Maracanã. Ele só comparece onde acha que será aplaudido (vide comícios de gatos pingados e claque), exceto quando quebra a cara como no Pan. Resta saber qual será a desculpa agora pela total incompetência em gerir o setor de transporte aéreo.

  18. Comentou em 20/07/2007 Élcio Filho

    ‘Uma coisa parece certa: ficamos sem governo durante três dias, mas não ficamos sem informações’.
    Donde se conclui que para o senhor Disney (sic) a direção do país deve de agora em diante ser entregue sem reservas aos donos de tvs e de jornais, como aliás tem sido historicamente (mas ele, é claro, não se lembra disso…).
    Certo, senhor Disney, muito boa ‘observação’ (sic)…

  19. Comentou em 20/07/2007 HICHAM DIB

    Nos últimos anos, selecionando o bom do mal jornalismo, restam poucos jornalistas nos quais se possa depositar alguma confiança. Certamente Paulo Henrique Amorim e Mino Carta estão entre os bons.
    Com isso, eu respondo a esse amontoado de palavras do Sr. Dinis

  20. Comentou em 20/07/2007 Rogerio Vorace

    A imprensa e nesse ‘balaio de gatos’ eu incluo o nosso Dines, para não ficar muito feio já que erguendo a lona para o espetáculo, foi desarmada e pra não ficar feio demais, a bola da vez é um gesto feito em of por um assessor. Aliás, gesto que todo brasileiro conhece bem, porque 99% dos brasileiros o fazem… Essa imprensa e essa oposição meia sola não tem o que dizer e fica posando de ‘mocia da familia’… Acorda Samanta!

    Êta imprensa hipócrita! Quer saber? Tô repetindo o gesto pra vocês dessa imprensa estrábica.

    Eu fico absmado com o silêncio sobre o governo de São Paulo e do Rio Grande do Sul… Será que nada acontece lá?

  21. Comentou em 20/07/2007 Macial Freie Freire

    Meu CARO jornalista AD, seus preconceitos e críticas descabidas e incosequentes ao presidente LULA refletem a total descredibilidade que atravessa a grande mídia e o cinismo que cobrem os grandes temas. Pois, quanto mais parcial e partidária é nossa imprensa, maior é a aceitação da população ao presidente;Ver Pesquisas Census, Ibope e Vox Populi(20/07/07), o ódio explicito e difundido pela imprensa através de seus funcionários/capachos mostra de qual lado vocês estão; basta ver como foi a cobertura pela imprensa golpista da cratera do metrô de SP. Houve equilíbrio? Porquê o Sanguessuga SERRA não apareceu para dar explicações? Quem foi o culpado? Parem de jornalismo marrom travestido de imparcial. As pessoas estão de olhos bem abertos com vocês..

  22. Comentou em 20/07/2007 jorge cordeiro

    E agora, Dines? E agora, Luis Weis? E agora, Eliane Catanhede? E agora, Clovis Rossi? E agora, Miriam Leitão? E agora, Ricardo Nobláblá? E agora, Josias de Souza? E agora, Reinaldo Azevedo? E agora? O problema foi do avião… e agora? o que fazer? Vão pedir desculpas? Vão admitir que foram precipitados no julgamento e condenação? Vão tem a hombridade e decência para tanto? E agora? Como ficam as vacas sagradas do jornalismo brazuca? Ué, ficam onde sempre estiveram, descolados da realidade, em seus aquários, dando às costas aos fatos, aos brasileiros, à nação. Querem fazer o cotidiano se encaixar em suas pautas, e tomam toco atrás de toco. Não se emendam porque se tem uma coisa que jornalista não tem, é humildade. (www.escriba.org)

  23. Comentou em 20/07/2007 Fábio Jose de Mello

    É. Parece que os leitores andam espertos. Um dia o presidente Lula vai deixar o Planalto. A vida e a imprensa continuarão. Como será que vai ficar o relacionamento entre a imprensa e uma grande parcela da sociedade? Haverá confiança? Será que vale a pena continuar com esse comportamento odioso, fomentando a divisão do país e incentivando, mesmo que indiretamente, o ódio de classes?

  24. Comentou em 20/07/2007 Paulo Perez

    Sr. Dines, ainda é cedo para eximir o Governo de sua culpa, afinal o avião já vinha sendo utilizado sem um dos reversos, sem nenhum problema aparente.
    Já a pista de Congonhas continua a receber críticas dos pilotos e técnicos, por ter sido liberada inacabada.
    Agora faz-se mister um mísero comentário que seja sobre o gesto dos assessores de Lula, gozaram a morte de centenas, só por vislumbrarem a possibilidade de ‘fugirem às suas culpas’.
    Se a pista fosse realmente segura o grooving não seria feito agora a toque de caixa! E sequer a pista teria sido fechada em momentos de intempéries.
    Realmente, no caso do apagão aéreo, e das mortes que esse vem gerando, a imprensa encontra-se diligente. Parabéns!
    Não fosse a Mídia e a verdadeira faceta do governo do PT, da inépcia, corrupção e baixeza de seus membros, não teria sido mostrada a população.

  25. Comentou em 20/07/2007 AC Caram

    Sem governo e sem reportagens – porque ‘notícias de uma tragédia anunciada’ houve muitas, mas nada que provocasse realmente uma discussão profunda ou escavasse a raiz dos problemas (que também são muitos) – e o jogo ‘discursivo’ de lado a lado continua… cada qual tentando eximir-se de responsabilidades, impingir culpas, anunciar o ‘anunciado’.
    Perdemos todos – e nem nos damos conta (mais uma vez). Talvez solidarizar-se com as vítimas (e familiares) já não baste – precisamos mais que isso para sermos uma Nação de verdade

  26. Comentou em 20/07/2007 Márcio Pereira

    Cheiro de golpismo no ar no rastro de uma tragédia que enlutou milhares de pessoas?
    A Record soltou um editorial contra o governo, a queda de braço entre a mídia corporativa e o governo continua.
    Tudo isso porque a mídia não percebe que Lula, apesar de odiado pela sua origem social, está mais do que nunca fazendo o jogo dos coronéis da mídia, desta rafuagem que domina os meios de comunicação deste país cuja concessão é pública.
    Ou seja, quantas concessões foram dadas a políticos de vários partidos durante o governo Lula? a verba publicitária do governo pra mídia não está satisfazendo os latifundiários do vídeo?
    Enquanto persistir esta animosidade no ar, tragédias e mais tragédias se tornarão mais frequentes devido a canalhice de certas instituições que se pretendem ‘democráticas’.
    Não é a hora de discutir ‘reforma política’, função de observatório é perceber o que não está sendo dito ou visto.

  27. Comentou em 20/07/2007 Josinaldo Nascimento

    Novamente a mídia toma um posicionamento, quer de todas as formas por a culpa na pista, logo ligando ao governo, outros setores culpa o avião e seus tripulantes, para isentar o proprio governo.
    Luta suja, sem respeito de ambos os lados, quem errou foram os dois, espero que o lula, não venha com discurso de isento e vitima da midia, assuma a resposabilidade que lhe cabe.
    Aos jornalístas peço o seguinte não querer derrubar presidente atravez do sofrimento dosoutros e vergonhoso.
    As vitimas, sinto pelas sua vidas perdidas, vidas que contribuiriam muito mais pra o país, desculpe-nos por esplorar suas mortes tão levianamente.

  28. Comentou em 11/11/2006 Marcos Palacios

    O que acontece quando os jornalistas não usam a Internet

    http://gjol.blogspot.com/2006/11/o-que-acontece-quando-jornalistas-no.html#links

    saudações,

    marcos palacios

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem