Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

JORNAL DE DEBATES > ELEIÇÕES PAULISTAS

O pré-vestibular do ex-ministro da Educação

Por Alberto Dines em 26/06/2012 na edição 700
Reproduzido do Diário de S.Paulo, 24/6/2012; intertítulos do OI

Pragmatismo, realismo, cara-de-pau, desfaçatez e realpolitik não foram inventados pelo ex-presidente Lula quando decidiu cortejar o seu arqui-inimigo Paulo Maluf e, em troca, receber o apoio para o seu candidato à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad.

Ambiguidades, eufemismos e truques verbais, geralmente cínicos, fazem parte da moral ibérica que ao longo de séculos permeou nossos padrões de exigência permitindo o convívio entre o decente e o indecente. Sobretudo na esfera política.

Em 1945, Luis Carlos Prestes não titubeou em apoiar seu algoz, Getúlio Vargas, que o manteve no cárcere quase uma década e ainda assinou a expatriação da sua mulher, Olga Benário, para ser entregue à Gestapo na Alemanha e em seguida ser assassinada num campo de concentração.

Carlos Lacerda combateu ferozmente João Goulart, tentou impedir a posse de JK, foi o inspirador da ditadura de 1964 e, não obstante, aliou-se a ambos para criar a Frente Ampla e interromper o ciclo de presidentes-generais-ditadores.

José Sarney foi um dos principais representantes do regime militar no Congresso e, mesmo assim, Tancredo Neves o escolheu como companheiro de chapa para derrotar no Colégio Eleitoral o adversário Paulo Maluf, representante da linha-dura.

Reino do vale-tudo

A bênção deste mesmo Maluf ao candidato paulistano de Lula não é extraordinária, ao contrário, é bem ordinária. Comum. Surpreendeu apenas aqueles que ignoram nosso acervo histórico. Feito notável, admirável, merecedor de louvores em prosa e verso foi a renúncia da pré-candidata a vice de Haddad, a deputada Luiza Erundina (PSB-SP), que teve a suprema audácia de abrir mão da indicação, ultrajada pelo apoio que sua chapa receberia de uma figura que tanto abomina. Com a candura e a inteireza que a caracterizam, porém sem apelar para adjetivos, a ex-prefeita deixou claro que não se sentiria à vontade com o apoio de alguém que sempre combateu, antípoda integral.

Abdicar e renunciar, sobretudo por coerência com valores morais, constitui um ato excepcional numa sociedade onde impera o vale-tudo para chegar e manter-se no poder. Erundina não quis trair os seus tradicionais eleitores e trocou os holofotes que a acompanhariam no palanque da mais importante disputa do próximo pleito municipal para manter-se como uma das mais diligentes e respeitadas deputadas.

Nova geração

Num destroçado cenário partidário dominado pela devassidão, pela troca de favores e pelo despudorado corporativismo, Luiza Erundina estabeleceu um novo paradigma. Com referências tão marcantes como essa, o eleitor, em algum momento, perceberá a aberração dos partidos de aluguel, as farsas que se escondem atrás das siglas e programas partidários e o faz de conta que domina as entranhas de uma democracia incapaz de enxergar as constantes deformações que vem sofrendo.

Erundina prestou enorme favor a uma sociedade moralmente desassistida. O resultado imediato de sua inédita desistência deverá refletir-se nos cuidados que o seu ex-futuro companheiro de chapa, Fernando Haddad, adotará doravante na escolha do vice.

O ex-ministro da Educação saiu visivelmente reprovado neste pré-vestibular, resignou-se ao papel de poste e entregou o seu destino a um irreconhecível Lula. Poderá recuperar-se caso converta o lamentável episódio em oportunidade para assumir-se como efetivo representante da nova geração de servidores do povo.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem