Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

JORNAL DE DEBATES > MÍDIA & RELIGIÃO

O romance do bispo

Por Sergio da Motta e Albuquerque em 03/07/2012 na edição 701

As fotos do bispo argentino Fernando Bardalló, banhando-se em águas mexicanas de Puerto Vallarta e acompanhado de uma bela mulher, espalharam-se pelos noticiários de todo o mundo a partir de 19 de junho. O canal de TV pago A24 (19/6) apresentou as fotos ao mundo. O prelado era presidente da Cáritas para a América Latina desde 2011, tendo sido anteriormente chefe dessa organização em seu país. Trata-se de uma confederação de organizações de caridade ligada à igreja católica e o bispo ainda é um homem muito querido na Argentina.

O par foi fotografado a trocar carícias em janeiro de 2011. Os dois formavam um casal inequivocamente envolvido em relacionamento amoroso. Roma não gostou e o bispo Bargalló, primeiro reticente e a negar tudo, foi nobre, sincero e ao final admitiu tudo sem ressalvas ou dramas desnecessários. Renunciou ao comando de sua diocese, em Merlo-Moreno, perto de San Isidro, bairro abastado situado ao norte da Grande Buenos Aires. O casal que escandalizou a muitos na igreja católica tem sua origem nessa localidade portenha.

Bargalló apresentou sua renúncia junto à Nunciatura Apostólica Argentina (23/06), a representação diplomática do Vaticano no país, que foi aceita três dias depois pelo papa, informou a Ecclesia (26/06), a agência de notícias da igreja católica. A mesma noticiou que Bento 16 nomeou “como administrador apostólico de Merlo-Moreno D. Alcides Jorge Pedro Casaretto, de 76 anos, bispo emérito da diocese de San Isidro”. Fernando Bargalló encontra-se recluso, em retiro espiritual enquanto aguarda o juízo final de Roma.

Prefeito suspeito

O diário argentino Clarín (30/06) ofereceu aos leitores a melhor cobertura do caso ao apresentar uma cronologia de reportagens que vão desde a negativa do bispo argentino (19/06) sobre seu romance, até sua afirmação de que “continuará sendo sacerdote e o romance terminou (30/06)” (ver aqui). Bargalló continuará sendo sacerdote porque padres expulsos da Igreja não podem quebrar seus votos de ordenação sacerdotal. A lei canônica católica assim o diz. O mesmo vale para bispos: aqueles que têm a renúncia aceita por razão de idade (75 anos), ou renunciam a suas dioceses em concordância com o Vaticano, são reconhecidos como “bispos eméritos”. Mas sobre o destino real de Bargalló só o papa poderá decidir. Só ele tem o poder para punir (ou não) um bispo.

Bargalló foi um religioso politicamente moderado, mas sempre presente a apoiar os movimentos progressistas da igreja católica na Argentina. Suas posições políticas o levavam frequentemente a confronto com políticos locais. O periódico espanhol El País (28/06) especulou sobre os motivos de fotos que foram feitas há quase dois anos só virem a público agora. Lembrou as rusgas com o prefeito local, Raúl Othacehé, que o acusava do corrupto, e o desentendimento com a presidenta Cristina Kirchner, em 2008, quando o bispo postou-se ao lado dos médios e grandes proprietários de terras da Argentina. A presidenta declarou então que “a avareza é o pior dos pecados”. O bispo rebateu a acusação e disse que “a soberba era pior”.

Mas a maior suspeita caiu sobre o prefeito de Merlo-Moreno. Bargalló o acusou de tramar contra ele e atribuiu ao político a responsabilidade pela espionagem de sua viagem ao México e pela publicação das fotos em quase todas as mídias e meios que comentaram o caso.

“Uma igreja misógina”

María de las Victorias Martínez Bo, uma divorciada de 55 anos, informou a revista Perfil (24/06), já foi namorada na adolescência do bispo e depois sua noiva. O romance terminou quando Bagalló entrou para o seminário. Posteriormente, “a mulher que ele jamais esqueceu”, segundo a revista argentina, casou-se. Ele mesmo celebrou seu casamento com Ricardo César “Cato” Mastai, médico cardiologista. O casal teve três filhos, dois deles batizados pelo bispo, informou o jornal espanhol El País (28/06). Um amor inesquecível destruiu a posição de Bargalló na hierarquia católica, mas ele não pretende deixar a igreja, segundo sua última declaração ao Clarín (30/06).

Bargalló e Fernando Lugo, presidente paraguaio deposto em condições suspeitas, foram bispos da igreja católica que enfrentaram o mesmo problema: a rejeição da igreja ao casamento de sacerdotes. João Paulo II afirmou sobre este tema polêmico que casamentos de padres “poderiam acontecer, mas não em seu tempo”. Seu sucessor não foi eleito para tomar grandes decisões transformadoras. Escolhido em idade avançada, e sua posição na Igreja espelha o poder financeiro da igreja católica alemã, que custeou as exéquias de João Paulo I, a investidura de seu sucessor e vem em socorro de Roma sempre que necessário quando o assunto é dinheiro. O que é estranho, para um país de minoria católica cujos “fiéis” há muito já deixaram as missas e as ordenações romanas. Resta saber como e por que a igreja alemã é tão rica.

Mas voltemos ao principal: a relação da igreja com a mulher, o sexo e o casamento dos sacerdotes. A revista Veja (27/06) apresentou tradução da matéria originada pela agência EFE de notícias. No pequeno artigo, a revista trouxe o pensamento do teólogo espanhol Juan José Tamayo, estudioso ligado à Teologia da Libertação e um “forte crítico da hierarquia católica”. Tamayo disse que a renúncia do bispo era “resultado de uma igreja misógina, governada por solteiros, que não sabe o que é o amor”. Seu afastamento e retiro obrigatório “é uma prova da incompatibilidade que a Igreja estabelece entre o amor a Deus e o amor a seres humanos”, argumentou certeiramente o teólogo de Espanha.

Ponto de inflexão

O comportamento da hierarquia católica e sua própria doutrina atual mantêm uma relação muito pouco saudável com o sexo e as mulheres. Mas nem sempre foi assim. A revista Anagrama (vol.1, 2007), da USP, apresentou o pensamento de Elisabeth Fiorenza, a famosa teóloga feminista que mostra que a atitude dos católicos em relação ao papel da mulher passou de uma parceria igualitária, no cristianismo primitivo, à subordinação das mulheres, no presente. E um dos responsáveis por esta mudança no status da mulher foi o estabelecimento do primado do texto escrito sobre a tradição oral. Ou seja, foi através da escrita que se concretizou a dominação da mulher e o comportamento misógino da igreja católica.

O bispo Irineu de Lyon foi o responsável pelo fim da diversidade dos textos escritos que predominavam no Oriente e no Ocidente, durante o cristianismo primitivo. Sua data de nascimento é incerta, mas alguns autores a situam no final do século 2. Ele foi o responsável pelo banimento dos chamados evangelhos gnósticos e outros textos místicos que davam ao cristianismo uma indesejável, porém quase infinita, diversidade de fontes de leitura. A partir do bispo Irineu, as doutrinas católicas e ortodoxas mudaram completamente. O antigo papel essencial de parceria entre a mulher e o homem deu lugar à subordinação das mulheres. E isso aconteceu por força da palavra escrita. É importante que fixemos esta ideia. Enquanto prevaleceu o discurso oral, a mulher manteve uma condição de quase igualdade dentro do cristianismo. Com a censura do bispo Irineu, a doutrina católica fortaleceu o poder papal, em detrimento do poder das comunidades locais cristãs nascentes e da posição da mulher dentro da Igreja.

É necessário acrescentar que o bispo Irineu de Lyon, que nasceu em Grécia, é venerado por diferentes denominações além da católica: luteranos, anglicanos e ortodoxos gregos igualmente adotam a escolha bibliográfica do bispo de Lyon. Irineu foi o editor e censor de toda a principal leitura cristã disponível até os dias de hoje. Seu trabalho está presente em cada culto das denominações religiosas acima citadas E nas principais congregações protestantes também. Seu esforço levaria a igreja católica à estagnação atual e ao ponto de inflexão a que esta chegou em nossos tempos. Irineu foi o sacerdote que escolheu os quatro evangelhos que os católicos, ortodoxos, luteranos e anglicanos adotam até hoje.

Mundo leigo

Apesar da absoluta oposição ao casamento de sacerdotes, a igreja de Roma desde João Paulo II vem discretamente absorvendo padres casados dentro do clero. A maioria é composta de sacerdotes anglicanos, insatisfeitos com a igreja da Inglaterra – que não é considerada herética por Roma, mas como cismática, ou separatista, como a ortodoxa grega. A igreja grega pode representar um bom exemplo para a igreja católica, que necessita urgentemente de mudanças, não propriamente no sentido de adaptá-la às conveniências sociais do momento, mas reorientá-la em direções mais pragmáticas e mais realistas. Os gregos aceitam o casamento dos padres. Bispos e todos os que almejam postos mais elevados na hierarquia da igreja grega não podem fazê-lo. Acredito que a igreja de Roma possa ceder nos mesmos termos, num futuro próximo.

A necessidade das mulheres da vida de um homem não deveria representar nenhum tipo de impedimento ou interdição por parte da hierarquia católica. Mas a realidade é visível no retiro forçado do bispo argentino. Enquanto isso, a rigidez aumenta na mesma proporção que as transgressões dentro do clero e o número de praticantes do catolicismo diminui em todas as partes. A BBC postou (20/06) os resultados do censo de 2010. O número de católicos no Brasil diminuiu para 123 milhões de pessoas, ou 64,6% da população. Eram 73,6% da mesma no ano 2000. E a tendência é de queda.

Não é prevista nenhuma mudança na questão do casamento dos sacerdotes durante o atual papado, que não foi eleito para lidar com controvérsias e vem de uma tradição extremante conservadora. Mas uma coisa é certa: a igreja vai continuar seu declínio enquanto não confrontar o corpo a corpo ágil que os evangélicos realizam todos os dias nas comunidades pelo mundo afora, nas metrópoles e no interior, a indiferença de um mundo cada vez mais leigo e menos interessado em religião e mudar seu credo para aceitar a realidade da sexualidade humana sem temor de violar regras que já não deveriam mais existir.

***

[Sergio da Motta e Albuquerque é mestre em Planejamento urbano, consultor e tradutor]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem