Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

JORNAL DE DEBATES > ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Essa encrenca chamada Maluf

Por Eugênio Bucci em 31/07/2012 na edição 705
Reproduzido do Estado de S.Paulo, 26/7/2012; intertítulos do OI

A coisa complicou-se um pouco. Agora consta nos autos: a dinheirama bem guardada no paraíso fiscal de Jersey, no Canal da Mancha, está mesmo relacionada a Paulo Maluf. Pelo menos foi isso que reconheceram os advogados da offshore Durant, que tinha Flávio Maluf como diretor, no processo que corre em Jersey – no qual a Prefeitura de São Paulo tenta recuperar US$ 22 milhões que teriam sido desviados de seus caixas quando Maluf foi prefeito da cidade. Os advogados admitiram que a família Maluf controlava contas na ilha britânica e que o próprio ex-prefeito recebeu “comissões” nessas contas.

Com essa notícia, que foi publicada pelo Estado de S.Paulo, em reportagem de Jamil Chade (“Defesa admite dinheiro de Maluf em ilha”, 19/7, pág. A6), o lado obscuro de Maluf retornou às manchetes. Não que a defesa da Durant tenha confessado a prática de algum ilícito: ela reconheceu os fundos, mas fala em pagamentos por “negócios legítimos” – como uma comissão recebida pelo ex-prefeito pela intermediação de venda de empresas. O que aumenta as suspeitas não é – ainda – a corrupção comprovada, mas a incongruência entre as alegações disparatadas. Se os dólares no Canal da Mancha têm origem limpa, por que nunca foram reconhecidos pelos titulares? O que eles querem esconder?

Maluf sempre negou a existência da fortuna em Jersey. Com aquela entonação de voz que faz a delícia dos imitadores de rádio, ele repetiu e repetiu: “Eze diiêro dao é beu!” – ao que o humorista José Simão costumava responder: “Não é dele mesmo, é nosso!”. Agora, depois da reportagem de Jamil Chade, o bordão caiu por terra e, naturalmente, o interesse jornalístico pelo caso recrudesceu. O que levou os advogados a protocolar em Jersey uma nova versão para o tesouro mal explicado?

Todas as letras

A coisa complicou-se, de fato. Quanto a Maluf, apenas sorri, como se a coisa complicada não fosse com ele – e, suprema esperteza, talvez não seja mesmo com ele. A sua imagem pública vai descambando, em desmoronamentos sucessivos, esboroando o que já parecia suficientemente esboroado, mas ele mesmo, em pessoa, trafega, folgazão, para lá e para cá, em renovada lua de mel com a política. Nada perturba o bom humor zombeteiro do seu trololó em barítono rachado. Ele se diverte, ou, mais exatamente, diverte-se à custa de outro. Guardou para si o lado cômico desse enredo farsesco e, num golpe maligno, terceirizou a tragédia de sua imagem pública. Ele a terceirizou para o PT. Ao firmar seu apoio aos petistas nas eleições municipais, deu um jeito de empurrar-lhes o ônus moral da sua conduta pregressa. A tragédia moral de Maluf virou um problema do PT.

Quanto ao PT, evita o assunto, como se algo o inibisse. Está intimidado, mas não deveria estar. Para começar, não se deveria envergonhar de se aliar ao PP (o partido de Paulo Maluf), que já integra a base aliada do governo federal. Elementar: reeditar, no âmbito municipal, a aliança que já existe no âmbito federal não constitui um erro político. O problema – o golpe maligno – foi que, em São Paulo, o pacto PP-PT se deixou coroar por uma cena de mau gosto, e foi dessa cena que nasceu o atual constrangimento petista.

Na hora de anunciar a aliança, Maluf conseguiu atrair Lula e seu candidato a prefeito, Fernando Haddad, para uma sessão de fotos nos jardins da sua casa. O ritual era uma armadilha. Por meio dela, o anfitrião transformou o que deveria ser um acordo formal entre dois partidos numa cerimônia de congraçamento. Nas imagens, o ex-prefeito acusado de desvios na Prefeitura e procurado pela polícia internacional faz afagos em seus visitantes, num clima que sugere compadrio e cumplicidade.

Ora, esse clima não traduz – ou não deveria traduzir – as reais relações políticas entre as forças ali representadas. Portanto, o PT poderia muito bem denunciar como falsas as impressões deixadas por aquelas imagens, assim como deve reafirmar suas críticas ao malufismo.

Se antes das novidades de Jersey as lideranças petistas achavam que tinham espaço para silenciar, agora não têm mais tempo. Ou vão a público expor sua oposição radical ao modo malufista de governar, ou a coisa, que já se complicou, vai piorar.

Maluf desfila como quem foi anistiado por Lula. Se o PT não quer anistiá-lo, deve declarar com todas as letras que sua aliança é com o PP, não com a conduta pessoal do ex-prefeito. Deve dizer isso com gestos e palavras fortes, em pronunciamentos oficiais e reiterados. Neste momento, o silêncio corre o risco de fazer coro com o cinismo. Ou, pior, com o deboche.

Eleitor perplexo

O deboche, vale registrar, tem sido o gênero discursivo predileto de Maluf. Pouco depois de posar para os retratistas em sua casa, Maluf concedeu entrevista a Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, em que exibiu o seu talento para a velhacaria: “Eu, perto do Lula, sou comunista”. Sim, sabemos que o próprio Lula já se definiu como “metamorfose ambulante”, recusando ser um político “de esquerda”. Mesmo assim, Maluf extrapola e zomba dos aliados de seu partido: “Da maneira que exerceu a Presidência, eu diria que ele (Lula) está à minha direita”.

Brincadeiras à parte, a situação é mais delicada do que uma gincana escolar para saber se Lula é “de esquerda” ou não é. Se este é metamorfose, Maluf é ideologicamente líquido e já foi com quase todos: apoiou Fernando Henrique Cardoso em 1998, Lula em 2002 e hoje defende a reeleição de Geraldo Alckmin no governo paulista. O que está em jogo, agora, não são os rótulos de “direita” ou “esquerda”, mas a seriedade com que o PT trata um processo judicial em que a Prefeitura paulistana é parte.

O eleitor talvez esteja perplexo. Por isso, sem abrir mão da aliança com o PP, o PT faria bem se exigisse publicamente esclarecimentos de Paulo Maluf. Isso tudo, claro, se tivermos uma interpretação otimista dessa história chata.

***

[Eugênio Bucci é jornalista, professor da ECA-USP e da ESPM]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem