Domingo, 25 de Agosto de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1051
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Sobre universidades, campeonatos e reportagem

Por Sylvia Debossan Moretzsohn em 11/09/2012 na edição 711

O caderno especial que a Folha de S.Paulo publicou na segunda-feira (3/9) com “o primeiro ranking de universidades brasileiras” é um raro exemplo de esquizofrenia jornalística. Idealizada pelo próprio jornal e realizada ao longo de oito meses com a intenção de ser uma “iniciativa de avaliação sistemática do ensino superior no país”, a pesquisa traz tantas inconsistências que nem deveria ter sido publicada. O resultado, como não poderia deixar de ser, foi um caderno intrinsecamente contraditório, que apresentava os índices e a “receita para medir o ensino” ao lado de artigos que reconheciam a fragilidade dos números e a extrema simplificação que eles promoviam.

Para completar, a coluna de domingo (9/9) da ombudsman Suzana Singer destacava: “Ranking universitário criado pela Folha tem problemas graves de metodologia, mas é bom para chacoalhar a academia”. Por que a academia deveria sentir-se chacoalhada com números imprestáveis é desses mistérios para os quais não se imagina uma resposta coerente, embora o ranking – cuja sigla, RUF, “parece latido de cachorro” – tenha provocado “bastante barulho”, com o envio de “mais de 300 mensagens em apenas três dias” à ombudsman.

Porém, é forçoso reconhecer o empenho desse jornal em “chacoalhar a academia” de tempos em tempos. Um dos episódios mais famosos ocorreu há 24 anos: foi o da “lista dos improdutivos da USP”, publicada em fevereiro de 1988, e que provocou respostas incisivas de alguns dos mais brilhantes intelectuais do país. Na época, o jornal divulgava uma relação produzida pela reitoria. Agora, fabrica seus próprios números e expõe uma contradição essencial: se há problemas graves de metodologia, por que o ranking teria credibilidade?

Como a tabela do Brasileirão

Na contracapa do caderno especial, sob a vinheta “Contraponto”, o pesquisador Don F. Westerheijden critica: “Os rankings atuais são como tabelas de campeonato de futebol”. Nesses campeonatos, “as normas dos rankings são rígidas e estáveis (2/1/0 pontos para vitórias/empates/derrotas), mas, nos rankings de universidades, as regras são tão arbitrárias e inconstantes que as instituições mudam de posição sem que tenham feito qualquer alteração real no ensino”.

Mais adiante, aponta o que falta a esse tipo de listagem: “contemplar a diversidade de disciplinas e mostrar a diferença entre ensino e pesquisa/inovação”. E sugere como hipótese viável o U-Multirank, patrocinado pela União Europeia, previsto para estrear em fins do ano que vem, com a proposta de “disponibilizar dados das universidades para que o usuário faça sua análise na dimensão que quiser, no lugar de apresentar uma listagem resultante de um cálculo que atribui pesos aos dados”.

Apesar de ter sido apresentado como tal, o artigo não foi o único “contraponto” à pesquisa. O primeiro, pela ordem da edição, é do articulista Helio Schwartsman. O título, “Só conhecemos aquilo que podemos medir”, associado a “um mantra da física” segundo o qual “sem as amarras da realidade mensurável, a ciência é indistinguível da teologia e do delírio”, já permitiria uma longa discussão a respeito do conhecimento humano, do qual estariam descartadas, desde logo, a arte e a literatura, talvez pertencentes a essa esfera delirante do imensurável.

Números ruins e propaganda

Como aqui não há espaço para essas considerações, fiquemos com os argumentos do articulista, que de saída se equivoca ao dizer que as universidades brasileiras foram “construídas à sombra do sindicalismo de resultados” e que por isso “têm sólido histórico de resistência a avaliações”. Naturalmente, essa tentativa de desqualificação não se refere às universidades em geral, mas às públicas, embora a afirmação não se aplique sequer ao movimento sindical prevalecente nessas instituições.

Sindicalismo de resultados, como se sabe, é antiga expressão de militantes contrários à CUT, que ganharam algum prestígio nos malfadados tempos de Fernando Collor e seu ministro do Trabalho Antonio Rogério Magri, que combatia o sindicalismo “ideológico” sob o argumento de que ideologia não enchia barriga.

Mas é claro que o articulista não desconhece a história de nossas universidades, portanto não poderia supor que resultassem de ações sindicais de qualquer espécie.

À parte esse deslize, Schwartsman relaciona uma série de problemas metodológicos da pesquisa que o jornal divulga, e então retoma a pergunta com a qual abre seu texto: “Por que criar um ranking universitário?”. Responde assim:

“A ciência e o ensino estão se globalizando. É cada vez mais comum ver jovens estudando no estrangeiro. E, se já é difícil escolher uma universidade no país de origem, muito pior é fazê-lo em lugares a respeito dos quais não se tem muita informação. Os rankings, ao traduzir toneladas de dados num número, ajudam esse estudante. Embora a internacionalização seja ainda incipiente no Brasil, devido a mudanças como o Enem, está aumentando a mobilidade interna dos alunos, para os quais o RUF pode ser de grande auxílio. (…) No mais, uma medida da produção universitária, mesmo que imperfeita, é preferível a nenhuma medida.”

Não: números ruins não servem para nada, a não ser para mistificar. Ou – o que dá no mesmo – para serem manipulados para fins de propaganda, como, previsivelmente, ocorreu já no dia seguinte à divulgação do ranking: na terça-feira (4/9), uma instituição ocupava a barra inferior da capa do jornal e uma página interna inteira no primeiro caderno para se anunciar como “a melhor universidade privada do estado de São Paulo”. Na quinta (6), uma concorrente faria o mesmo, e repetiria a dose na segunda-feira (10), dizendo-se “top no mercado de trabalho” de acordo com “os que contratam”, valendo-se do RUF como comprovação.

Apenas um “exercício”

Ainda no caderno que divulgou a listagem, o próprio coordenador do projeto reconhece que o trabalho de “ranquear é novo, escorregadio e metodologicamente vacilante”, e que tais tabelas resultam de “um processo complexo que requer experimentação. Por isso mesmo são chamadas de exercícios” (ver aqui).

Por que simples exercícios são publicados num jornal e, apesar de incipientes, sustentam manchetes conclusivas é algo que escapa à lógica – ou melhor, só se encaixa na lógica publicitária.

Adiante, o pesquisador se impressiona com o fato de que, “no quesito qualidade de ensino, apenas um quarto das universidades tenha recebido alguma pontuação (40 públicas e nove privadas)”. De fato, entre as 50 primeiras, nove tiraram zero nesse item. Será que o ensino nessas instituições é assim tão indigente ou os especialistas consultados não eram a melhor fonte para informar o que se passa numa sala de aula?

O papel da universidade

No dia seguinte à publicação do ranking, o físico e membro do Conselho Editorial da Folha Rogério Cézar de Cerqueira Leite ampliaria as críticas, que começavam com a questão crucial para qualquer empreitada desse gênero: tentar estabelecer um ranking de universidades exige, antes de mais nada, esclarecer o que se entende por universidade (ver aqui).

E aqui chegamos ao problema de fundo, já discutido mais de duas décadas atrás, na época dos famosos “improdutivos” da USP. A propósito, valeria a pena resgatar alguns entre vários artigos que a professora Marilena Chaui publicou sobre a “universidade operacional” (ver aqui), inclusive na própria Folha (no falecido caderno Mais! de 9/5/1999), depois aprofundado aqui):

“Regida por contratos de gestão, avaliada por índices de produtividade, calculada para ser flexível, a universidade operacional está estruturada por estratégias e programas de eficácia organizacional e, portanto, pela particularidade e instabilidade dos meios e dos objetivos. (…) Nela, a docência é entendida como transmissão rápida de conhecimentos, consignados em manuais de fácil leitura para os estudantes, de preferência ricos em ilustrações e com duplicata em CD-ROM. O recrutamento de professores é feito sem levar em consideração se dominam ou não o campo de conhecimentos de sua disciplina e as relações entre ela e outras afins – o professor é contratado ou por ser um pesquisador promissor que se dedica a algo muito especializado, ou porque, não tendo vocação para pesquisa, aceita ser escorchado e arrochado por contratos de trabalho temporários e precários – ou melhor, “flexíveis”. A docência é pensada como habilitação rápida para graduados, que precisam entrar rapidamente num mercado de trabalho do qual serão expulsos em poucos anos, pois se tornam, em pouco tempo, jovens obsoletos e descartáveis; ou como correia de transmissão entre pesquisadores e treino para novos pesquisadores. Transmissão e adestramento. Desapareceu, portanto, a marca essencial da docência: a formação. (…) Passa-se a confundir educação e “reciclagem”, exigida pelas condições do mercado de trabalho. Trata-se de aquisições de técnicas por meio de processos de adestramento e treinamento para saber empregá-las de acordo com as finalidades das empresas.”

Em vez de rankings, reportagem

Bem a propósito, o editorial da edição que anuncia o ranking critica o “dogma” da indissociabilidade entre ensino e pesquisa – da extensão, nem se fala – consagrado pela Constituição de 1988. Pois, afinal, o levantamento da Folha estava aí para demonstrar que universidades voltadas apenas para o ensino teriam um papel a cumprir.

Disso não há qualquer dúvida, como acabamos de ver.

Já a conclusão do editorial – de que “seria útil para o país (…) admitir que prosperem diferentes tipos de universidades” – merece algum reparo. Pois a grande utilidade, aí, é para os empresários desse lucrativo ramo de negócio.

Se o jornal optasse por investir em reportagem sobre a situação do ensino superior no país, em vez de gastar oito meses e o correspondente em cifrões não especificados para estabelecer um ranking cuja precariedade é reconhecida pelos próprios organizadores, seguramente prestaria melhor serviço. Nem tanto aos empregadores, talvez, mas certamente aos estudantes e ao público em geral.

Poderia verificar, por exemplo, como funcionam as instituições privadas na sua disputa alucinada por mais clientes – perdão: alunos –, como essas instituições tratam seu corpo docente, como promovem demissões em massa para a contratação de funcionários mais baratos. Poderia deslocar seus repórteres para verificar, presencialmente, o que tem significado a expansão das universidades públicas, a abertura de cursos sem qualquer estrutura, funcionando em contêineres, com professores insuficientes trabalhando em regime precário.

Finalmente, em vez de criar seu próprio critério de avaliação, poderia dedicar-se a estudar e estimular o debate sobre os critérios já existentes estabelecidos pelo governo. Mas para isso teria de abandonar o pressuposto de que a academia – isto é, a universidade pública – é refratária a avaliações. Pois não é disso que se trata: as inúmeras críticas feitas ao longo das últimas décadas aos critérios de avaliação pretendem demonstrar a enorme dificuldade da adoção de instrumentos adequados para medir a relevância do trabalho intelectual. E, mais ainda, que esses instrumentos não podem ser julgados isoladamente, dissociados do contexto político em que são produzidos: no caso, o modelo de universidade que se quer eleger.

Não há novidade nessas considerações, porém. Como sempre, a prática da reportagem é muito mais eficaz e esclarecedora do que iniciativas de grande potencial publicitário, mas alheias ao papel elementar de qualquer jornal.

***

[Sylvia Debossan Moretzsohn é jornalista, professora da Universidade Federal Fluminense, autora de Pensando contra os fatos. Jornalismo e cotidiano: do senso comum ao senso crítico (Editora Revan, 2007)]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem