Segunda-feira, 20 de Maio de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1037
Menu

JORNAL DE DEBATES >

Da transcendência do ‘rolê’

Por Alberto Dines em 28/01/2014 na edição 783

Se a presidente Dilma Rousseff pretendesse levar ao plenário do fórum de Davos os dilemas que efetivamente empolgam e sacodem a mídia e a sociedade brasileira teria apenas duas opções: o desfecho da telenovela Amor à Vida e a fenomenologia dos rolês.

O telefolhetim vive seus derradeiros momentos, logo ficará decidido se o crime compensa, se o pecador confesso merece reabilitação, se o amor triunfa e a vida é mais forte do que a morte. Irresolvidos nos últimos cinco mil anos e certamente mantidos nos próximos, os dilemas reduzem-se a um: a transcendente e palpitante controvérsia dos rolês, rolezinhos ou rolezaços, independente das dimensões e designações conferidas.

Adquirimos uma incrível velocidade para perceber movimentos depois de 500 anos de complacência e inação. Embora próximos do Equador, conseguimos desenvolver inesperadas aptidões para fabricar bolas de neve, nem sempre fofas e inofensivas.

Em apenas três semanas, os rolês deixaram de ser um tipo de bife enrolado ou movimento de capoeira para ganhar status de divisor de águas sociopolítico: é direito ou ameaça? Avanço ou retrocesso? Movimento social ou vandalismo desagregador? Felizmente esvaziados pelo recesso, nossos legislativos pouparam-se da compulsão de legiferar seja proibindo os eventos ou promovendo um calendário oficial com farta distribuição de prêmios aos mais inovadores.

O que não impediu a fulminante consolidação de facções, tribos e seitas pró e a favor, vermelhas ou azuis, golpistas e antigolpistas, repressoras ou desenvolvimentistas, excludentes e includentes, sustentáveis ou predadoras, tucanas ou petistas. O infalível e venerando motor chamado Fla-Flu voltou a funcionar e acionou nossas fúrias e a inclinação polarizadora.

Debate superficial

Com as redações esvaziadas pelas férias, ânimos abatidos pelo calor, opinionistas ocupados em preencher seus mirrados espaços e as abobrinhas dominando as pautas, nossa imprensa serve apenas para reverberar o barulho. Rolês, cracolândia ou conflito na Síria, tudo é pretexto para agradar as chefias e alinhar-se com os anunciantes e seus insondáveis interesses.

Uma indignação mal administrada elimina a racionalidade, paralisa a capacidade de buscar opções intermediárias, invalida a independência e contamina o bom senso. Nos últimos dias, enquanto se digladiavam os partidos pró e contra rolês, noticiou-se que uma poderosa empresa de shoppings investiu 300 milhões de reais numa gigantesca área em Nova Iguaçu, na famigerada Baixa Fluminense, para construir um enorme centro de compras.

Rolêzeiros (ou roleiro?) não estão a fim da luta de classes, querem ser admitidos como consumidores. Das liberdades instituídas nos regimes democráticos contemporâneos, a mais eficaz é a de comprar. Com cartão, cheque, a vista ou a prazo, os jovens da periferia querem ser admitidos no exclusivo clube das compras. Que, aliás, necessita deles. Ao invés de pedir providências ao governo federal para impedir rolês, os empresários do setor deveriam atrair potenciais fregueses com promoções. No lugar de bilionários apresentadores de TV protagonizando chatíssimos comerciais, seria mais eficiente e rentável contratar um frequentador de rolês para oferecer produtos e serviços. Teria mais credibilidade.

Rolês são passíveis de infiltrações de vândalos, assim como restaurantes são vulneráveis a “arrastões”, e nem por isso criam-se barreiras aos seus frequentadores.

A verdade é que as nossas polêmicas poderiam ser travadas em águas mais profundas. Só assim aprenderemos a nadar e crescer.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem