Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

JORNAL DE DEBATES > LEY DE MEDIOS

Dona do ‘Clarín’ deixa comando do jornal para cumprir lei

Por Felipe Gutierrez em 20/05/2014 na edição 799
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 17/5/2014; título original “Dona do ‘Clarín’ deixa comando do jornal para cumprir Lei de Mídia”

Obrigada a vender partes do conglomerado empresarial do qual é majoritária, Ernestina Herrera de Noble, dona do grupo Clarín, deixará de ser proprietária do jornal do qual é a principal sócia desde 1969. Ela não vai ser mais ligada a empresas que levam o nome do diário.

A venda é parte do plano de desmembramento que foi apresentado às autoridades argentinas que regem os meios de comunicação. Para se adequar à Lei de Mídia, o grupo terá que ser dividido em seis fatias.

Noble ficará como acionista da maior parte da Cablevisión e da Fibertel (operadora de TV a cabo e provedora de internet, respectivamente). Ela será sócia dos negócios com o ex-presidente e ex-diretor-executivo do grupo Clarín, Héctor Magnetto.

Outros dois sócios atuais, José Antonio Aranda e Lucio Rafael Pagliaro, vão manter a Rádio Mitre (maior do país) e o Canal 13, de transmissão aberta. Também ficarão com a divisão impressa do grupo, que inclui o jornal Clarín.

Como o grupo atual é aberto, essas duas novas empresas terão ações nas Bolsas de Buenos Aires e de Londres. Os minoritários do conglomerado atual vão ter seus papéis revertidos em ações dessas duas novas empresas.

O restante será dividido em quatro partes distintas, que serão colocadas no mercado.

A primeira parte que deve ser vendida também possui licenças de TV a cabo.

Segundo o comunicado do Clarín, não se pode fazer objeção ao plano “tecnicamente, juridicamente e economicamente”, pois ele está em linha com as manifestações do chefe da Afsca, órgão que rege os meios de comunicação da Argentina.

Governo

Essa divisão é uma proposta do grupo, que ainda precisa ser aprovada.

Na nota sobre o plano, o Clarín informa que a demora da tramitação “abre interrogações sobre a real vontade do governo de avançar na execução do plano, como vem preconizando”.

Para que o plano de desmembramento não fosse questionado, os herdeiros de Noble e dos outros majoritários não receberam nenhuma fatia das novas empresas.

Criada em 2009, a Lei de Mídia tem artigos proibindo o monopólio na comunicação, que foram questionados na Justiça pelo Clarín. A decisão foi desfavorável ao grupo, e ficou decidido que uma empresa de mídia pode ter, no máximo, 24 licenças.

******

Felipe Gutierrez, da Folha de S.Paulo, em Buenos Aires

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem