Domingo, 27 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

JORNAL DE DEBATES > ‘O CAPITAL NO SÉCULO 21’

Contra ‘FT’, ‘Economist’ sai em defesa de Piketty

Por Marcelo Justo em 03/06/2014 na edição 801

Reproduzido da Carta Maior, 27/5/2014, tradução de Louise Antônia León; título original “Contra ‘Financial Times’, ‘The Economist’ sai em defesa de Piketty”, intertítulo do OI

A polêmica sobre o economista francês Thomas Piketty se converteu em sinônimo de debate sobre a desigualdade. Com um surpreendente terceiro lugar nas vendas da Amazon nos Estados Unidos após três meses de lançamento, com uma segunda edição a caminho, apareceram críticas a supostas incongruências nos dados de “O Capital no Século XXI” que buscam minar a tese fundamental do livro: que a crescente desigualdade do capitalismo é inerente ao sistema.

Segundo publicou na sexta-feira [23/5] Chris Giles, editor econômico do Financial Times, em texto publicado na capa do jornal, Piketty comete erros nas projeções que faz para épocas nas quais não havia informação, no método que usa para distintos países e no uso tendencioso das estatísticas para provar sua tese central.

O artigo do Financial Times produziu uma avalanche de notas e comentários nos principais jornais de direita do mundo anglo-saxão que tomaram o veredito de Giles como a definitiva desclassificação do livro de Piketty. A exceção ao coro foi um meio de comunicação de inquestionável filiação capitalista: The Economist.

Segundo o semanário britânico, as críticas de Giles eram questionáveis e muitos dos detratores do livro não tinham se dado o trabalho sequer de lê-lo e ignoravam que a maioria dos dados vinha do World Top Income Database, um índice que ninguém questiona. “Há um par de erros que parecem ser de transcrição ou de ajustes de dados que requerem uma avaliação do investigador”, diz o semanário britânico.

Preço alto

O fundamento para a tese principal do livro, sustentada com um volumoso exame de dados dos últimos 300 anos, é que a riqueza aumentou a uma velocidade maior que o crescimento econômico nestes três séculos e que isso contribuiu para aumentar a desigualdade que, a seguir a tendência atual, será neste século 21 semelhante a que existia no vitoriano século 19. A crítica mais sólida feita a esta tese vem da esquerda e diz que, longe de exagerar o estado das coisas, Piketty subestima a real dimensão da desigualdade.

Segundo James Henry, autor de ”The price of offshore revisited” e professor da Universidade de Columbia, o grande erro de Piketty é o cálculo que faz sobre a riqueza oculta em paraísos fiscais. “Há cerca de US$ 21 trilhões ocultos em paraísos fiscais. A metade dessa soma está nas mãos das 91 mil pessoas mais ricas do mundo, cerca de 0.,001% da população mundial, que controla uma terça parte de toda a riqueza mundial. Piketty subestimou esta cifra. Este é o questionamento que pode ser feito a ele. O resto é trivial”, disse Henry à Carta Maior.

Na carta de resposta de Giles, publicada no mesmo Financial Times, Piketty reconhece a necessidade de uma melhor contabilização dessa riqueza oculta. “Na realidade, é muito possível que minhas próprias estimativas não considerem plenamente a riqueza offshore ou guardada em paraísos fiscais, algo que aprofundaria a desigualdade”, assinala o economista. Os dados de Piketty provem de outro investigador da Paris School of Economics, Gabriel Zucman, que estima em cerca de U$ 8 trilhões de dólares a riqueza oculta nos paraísos fiscais, cálculo feito com base nos dados macroeconômicos disponíveis (balança de pagamentos, por exemplo) e nos ativos financeiros, deixando fora todo qualquer outro tipo de acumulação de riqueza (iates, obras de arte, etc.).

Somando-se à polêmica na edição do The Guardian, nesta segunda-feira, Paul Mason, editor econômico do Channel 4 britânico, assinalou que as críticas de Giles (e dos outros veículos de direita) se baseiam em estatísticas oficiais erradas. “As conclusões do Financial Times apenas se diferenciam das de Piketty na análise da Suécia e da França. Ele também trata dos casos do Reino Unido e dos Estados Unidos. Desde tempos imemoriais os ricos têm uma especial aversão a declarar sua riqueza. Com a reestruturação capitalista de 1979, se promoveu a acumulação de riqueza oculta que obrigou Piketty a fazer uma mescla de dados de herança e pesquisas junto a cálculos”, escreve Mason.

Nem sequer as cifras oficiais são congruentes. O HMCR, agência de impostos do Reino Unido, estima que os 10% mais ricos tem 70% de toda a riqueza o país. O Escritório Nacional de Estatísticas, em troca, estima que só possuem 44%. O crescimento dos paraísos fiscais desde os anos 70 tornou muito mais impreciso o cálculo da riqueza (patrimônio pessoal que inclui depósitos, ações, imóveis, etc.). O cálculo das rendas é muito mais rastreável: a diferença gera todo tipo de incongruência na compilação de dados.

Nos Estados Unidos, Sam Pizzigati, do Institute for Policy Studies, de Washington, fala de um “paradoxo americano” para explicar essa defasagem. “Entre os dados que temos sobre a desigualdade de renda e de riqueza há uma profunda desconexão que equivale a um paradoxo. A análise da curva de receitas nos diz que houve um enorme crescimento da desigualdade entre os mais ricos e o resto. Mas quando analisamos a desigualdade de riqueza, vemos que a diferença é ínfima. A explicação mais lógica desta diferença é a riqueza oculta em paraísos fiscais. Se não, seria preciso pensar que esta gente gasta US$ 5 mil em jantas todas as noites do ano”, disse Pizzigati à Carta Maior.

O impacto desta defasagem nos níveis de desigualdade de uma sociedade fica claro em um estudo específico sobre a Argentina, “Fuga de Capitais III (2002-2012)”, que apontou um aumento do coeficiente Gini de 0,42 para 0,49 pontos uma vez que se corrijam as pesquisas oficiais para incluir as rendas não declaradas e se contabilizem os fundos que vão para os paraísos fiscais. “Se aceitamos que o volume de dinheiro nos paraísos fiscais alcança os 400 bilhões de dólares, valor equivalente a 15 vezes o nível de reservas do Banco Central, o coeficiente de desigualdade salta então de 0,43 para 0,49. Muitos pensam que, na verdade, a soma é ainda maior se levarmos em conta as manipulações contábeis de empresas multinacionais e outros fatores. Mas mesmo com essa cifra ‘conservadora’, vemos que o salto que dá a medição da desigualdade neutraliza os avanços obtidos em uma melhor distribuição de renda pelo crescimento econômico e as fortes políticas sociais do governo argentino durante o período 2003-2010”, disse à Carta Maior um dos autores do informe, Jorge Gaggero.

No momento em que, como se viu nas eleições europeias, está se pagando um alto preço por não se prestar atenção nestas tendências profundas, convém que o debate provocado com a publicação do livro de Piketty não seja ignorado com argumentos débeis.

******

Marcelo Justo, da Carta Maior

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem