Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

JORNAL DE DEBATES > ECOS DA COPA

Seleção selfie: espetaculosa até o fim

Por Dorrit Harazim em 15/07/2014 na edição 807
Reproduzido do Globo, 13/7/2014

Por que se indignar com a enfermeira Cínthia, de Fortaleza, que filmou Neymar na chegada ao Hospital São Carlos com a vértebra fraturada no jogo contra a Colômbia? O vídeo postado na internet mostra o atacante na maca, chorando, sendo empurrado às pressas corredor adentro. A cena captada no smartphone tem meros 25 segundos de duração, incluído aí o indefectível selfie da enfermeira fazendo um “V” e mandando um beijo para a câmera.

Já afastada do cargo, segundo apurou o Diário de S. Paulo Cínthia deverá ser demitida proximamente. Injustiça: qualquer lista de defenestrados da Copa não deveria ser encabeçada por ela.

A falta profissional da funcionária foi gravíssima, é claro. Tivesse ocorrido na França, Alemanha ou Holanda, a enfermeira teria sido guilhotinada na mesma hora. Vale lembrar que o heptacampeão da F-1, Michael Schumacher, tragicamente acidentado na estação de esqui de Meribel, ficou quase seis meses no CTI de um hospital de Grenoble, na França, sem que tenha vazado uma única imagem sua.

“Schumi” saiu do coma duas semanas atrás e sua transferência para uma clínica suíça de Lausanne também transcorreu no esperado sigilo. Até mesmo o cobiçadíssimo prontuário médico do corredor, que conseguira ser criminalmente copiado por hackers e já foi oferecido a jornalistas de três países europeus por 50 mil libras esterlinas (quase R$ 200 mil), continua sem comprador.

Time irreal

A diferença entre os casos Schumacher e Neymar não está apenas na gravidade da lesão de cada um. Está na forma como a família do corredor e a “família Scolari” lidam com a notoriedade.

No fundo, a enfermeira Cínthia apenas deu sequência tosca e amadora à espetaculosa engrenagem de promoção emocional da seleção canarinho montada por dirigentes, patrocinadores e parte da mídia brasileira. Tragados pela engrenagem, os jogadores abraçaram o papel de atores que lhes foi atribuído e o desempenharam com ardor, tanto dentro como fora do campo. No meio do caminho faltou tempo para treinar jogar futebol. Restou ao torcedor que vestiu o amarelo e se deixou tragar pela narrativa construída acreditar nela com paixão.

O “inesperado” desembarque de Neymar na Granja Comary na tarde de quinta-feira [10/7], por exemplo, poderia ter sido mais reservado, caso o propósito maior da “visita-surpresa” fosse consolar os companheiros e injetar-lhes alento diante da humilhação sofrida diante da esquadra alemã. Mas não. Interessava a todos que a midiática chegada do craque ocorresse justamente na hora do treino, à luz dos holofotes. Cada abraço, cada passada manca de Neymar pode, assim, ser tratado como um épico.

Milhares de brasileiros se empolgaram com a calorosa mobilização de David Luiz, Willian e Marcelo, através das redes sociais, pela recuperação do craque. “Neymar, vamo pra cima deles! Por você, por nós e por 200 milhões de brasileiros!”, dizia o post assinado pelo companheiro do Barcelona, Marcelo. Mas como saber se o texto não foi criado por algum redator da agência F/Nazca se é a Sadia quem patrocinou o movimento? De repente a hashtag #jogapraele perdeu o encanto.

Não menos midiático foi o embarque de Neymar no helicóptero que o levou de Comary para iniciar sua recuperação em Santos. Transportado de maca, acenando para o Brasil com um oxímetro no dedo da mão e sem esquecer o boné de sua grife, ele foi a imagem de um herói sacrificado pela pátria.

“Uma comunidade de milhões parece mais real quando concentrada num time de onze escolhidos”, escreveu o historiador Eric Hobsbawm, recorrendo ao futebol para falar de fervor nacional. No caso da seleção Scolari deste Mundial, contudo, parece ter ocorrido o oposto: o time dos escolhidos revelou ser menos real do que os milhões de brasileiros.

Com precisão

A história se encarregará de destrinchar as sequelas nacionais mais duradouras geradas pela seleção selfie e pela atuação do seu comando na Copa de 2014. Mas não é de todo inútil observar algumas reações individuais registradas logo após a debacle do 7 x 1.

Na funérea manhã do “dia seguinte”, algumas dezenas de pessoas faziam fila diante da megaloja de produtos oficiais da Fifa instalada junto à Fan Fest de Copacabana. “Está escrito aqui que o horário de abertura é às 10. Já são dez e cinco e nada”, queixou-se uma senhora para um dos seguranças. Recebeu apoio dos vizinhos de fila ao apontar o desrespeito a horários no Brasil. Desde a véspera ficara claro o quanto cinco minutinhos podem ser decisivos, nem que seja para fazer quatro gols num Mundial.

Quase na rabeira da fila um pai acompanhado do filho adolescente falava alemão em voz baixa. Indagado por que nenhum dos dois vestia a camiseta rubro-negra da vitoriosa Nationalmannschaft, ele respondeu que não ficaria bem, ainda era cedo, pareceria arrogância. É do grande artilheiro inglês Gary Lineker, hoje comentarista esportivo da BBC e famoso por jamais ter recebido um só cartão amarelo, uma definição sucinta do esporte que o consagrou: “O futebol é um esporte simples. Vinte e dois homens correm atrás de uma bola durante 90 minutos e no fim os alemães sempre vencem.”

Mesmo quando não vencem.

Independentemente do resultado do jogo que hoje encerra o Mundial, a seleção da Alemanha demonstrou melhor o quanto cada parte móvel do seu conjunto está interconectada e segura do que fazer em campo. Com precisão.

Ao Brasil resta vivenciar o futebol segundo definição cunhada pelo filósofo e ensaísta britânico Simon Critchley em artigo recente: “No futebol não é a decepção que te mata; é o sempre renovado sentido de esperança.”

******

Dorrit Harazim é jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem