Domingo, 19 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

JORNAL DE DEBATES > A IMAGEM DO CRISTO

Agressão à Igreja Católica

Por João Ricardo Moderno em 22/07/2014 na edição 808
Reproduzido de O Globo, 21/7/2014

A polêmica contra a Igreja Católica é falsa. O cardeal dom Orani Tempesta recusou liberar o Cristo Redentor para o filme ironicamente chamado “Inútil paisagem”, do cineasta José Padilha – que faria parte do longa-metragem “Rio, eu te amo” –, mas não o proibiu. As ofensas à Igreja Católica são parte da sacrofobia, e da cristofobia em particular, e muito comuns em artistas que se valem do escândalo como marketing pessoal. Uniram-se contra a legítima defesa do divino. Há uma clara manifestação de ódio contra a Igreja. Saudades do gênio Glauber Rocha, que respeitava o sagrado.

Dom Orani tem a governança sobre o Cristo Redentor. A proteção à imagem sagrada é dever do cardeal. Cristianismo, budismo, judaísmo, hinduísmo, islamismo e outras religiões governam a si mesmas. A cena pode ser realizada em qualquer outro lugar, mas negar à Igreja Católica o direito constitucional sobre si própria é uma expressão do autoritarismo cultural. É negar ao católico o direito de ser católico. Herbert Marcuse e Theodor Adorno estudaram esse fenômeno da liberação repressiva.

O culto da teofobia pretende destruir todas as dimensões do sagrado, negando sua autonomia. É a lógica da repressão black bloc. A ofensa não é à Cúria, mas ao Deus por ela anunciado. A imposição do profano como exercício da “liberdade de expressão” é típica do nazibolchevismo. Eis a liberdade repressiva tal como vimos nos regimes nacional-socialista, comunista e no terrorismo islâmico contemporâneos. A repressão quer exercer a dominação da intolerância e da censura prévia ao sagrado. Nietzsche propôs a destruição de todos os valores da civilização judaico-cristã, seguida à risca pelo nazismo.

A Igreja rejeitou o pedido do cineasta e o desagradou, mas a dom Orani cabe agradar a Deus. A separação entre Igreja e Estado não significa destruir a Igreja ou destruir o Estado. Houve a recusa de uma cena ofensiva em local sagrado. Da mesma forma agiriam todos os líderes religiosos em qualquer lugar do mundo. Qual líder autorizaria um crime contra o sentimento religioso e o vilipêndio público de seu próprio objeto de culto religioso?

A sacrofobia quer impor seus dogmas às religiões, expondo debochadamente a profanidade no seio do espaço divino. Autor de filmes do mais baixo nível cultural, explorador comercial da violência urbana, um artista pode vender muito, mas não pode comprar a consciência religiosa, nem impor às religiões os códigos da estética da barbárie. Nem toda liberdade de expressão é expressão da liberdade. Heidegger escreveu que a “raça” pura ariana tinha o direito à liberdade do genocídio e da dominação escravocrata de povos e raças consideradas inferiores pelo nacional-socialismo. Somente uma ditadura totalitária alcançaria a liberdade de silenciar as religiões através do sacrocídio.

******

João Ricardo Moderno é presidente da Academia Brasileira de Filosofia, professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e professor titular da Universidade Soka, Tokio (Japão)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem