Terça-feira, 22 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº955

JORNAL DE DEBATES > CÚPULA DO BRICS

Surpresa! O grupo dos Brics não depende da Fifa…

Por Eduardo R. Gomes em 22/07/2014 na edição 808

O Brasil perdeu a Copa, mas já no que diz respeito à reunião do grupo dos Brics (realizada em Fortaleza, de 14 a 16 de julho) não… Nesse caso, a conversa é muito diferente daquela em que grande parte da imprensa se debruçou: “O Brasil perdeu…”, “O Brasil teve que ceder…”,”O Brasil tenta emplacar o presidente do banco…”. Nada disso: avaliações em termos de perde/ganha na política são, no mínimo, inócuas particularmente no âmbito internacional. Política não pode ser vista pelas lentes do futebol, mas parece ser essa a única forma que grande parte da “grande” imprensa brasileira e seus “analistas de plantão” sabem dar às intrincadas questões internacionais, aliás, assim como fazem nas nacionais.

Basta lembrar um exemplo de história do ensino médio, para o que os jornais e supostos “debates” de TV desses dias sabre a reunião do BRICS nos “informam”. Vejamos: o Japão perdeu a Segunda Guerra Mundial? Pode-se facilmente dizer que perdeu, atingido que foi por duas bombas atômicas, mas, olhando com mais cuidado o cenário muda de figura: derrotado no conflito bélico, tornou-se uma das maiores potências mundiais, apesar de ter sido ocupado pelos Estados Unidos, no intuito de desarmá-lo e reconstruí-lo segundo o american way of life. O Japão foi desarmado até a última bala, mas jamais abraçou o fundamentalismo de mercado americano, criando uma economia pujante, inovadora, através de um cuidadoso planejamento governamental, entre outras conquistas.

Aqui e agora, ao invés de explorar as implicações complexas e certamente controversas da criação do Novo Banco de Desenvolvimento e do Acordo Contingente de Reserva do grupo dos Brics, o debate jornalístico e televisivo no Brasil não explora a complexidade desses fatos, desconsiderando, como mostramos, que uma vitória pode se transformar em uma derrota e uma derrota em vitória. Parecem não entender que política não é o que chamamos de um jogo de perde/ganha, como é o caso do noticiário da reunião do Brics, exemplificado no início deste artigo. Política é negociação, mas o noticiário parte de um diagnóstico primário, em geral, decidido ex-ante e repetindo-o à exaustão. Acho os editores nem repararam que muitos que antes eram crédulos neste tipo de já estão ficando céticos.

Acordos de cooperação

Pior, os soi-disant jornalistas tendem a retratar cada gesto das autoridades de maneira claramente instrumentalizada para determinados fins, estes muitas vezes construídos pelos próprios articulistas, e que não vemos assumidos por ninguém, demonstrados por fatos – eles especulam sem a menor parcimônia e, duplamente pior, sem explicitar que estão especulando, como no caso das relações do Novo Banco de Desenvolvimento e o FMI. Apesar de buscar “óbvias”, “previsíveis” manifestações de conflitos entre essas agências, diriam, tiveram que engolir gestos de alto nível de cordialidade entre ambos os lados.

Enfim, o fato é que Brasil, Federação Russa, Índia, China e África do Sul formalizaram não só o banco de desenvolvimento e a ACR, mas uma série de outros acordos de cooperação, cujo potencial – e limitações – para se desenvolverem mais e mais rapidamente foi pouco e mal abordado pela nossa imprensa, que transmitia uma suspeição se tal iniciativa era “para valer”, ou se “estava à nossa altura”… o que, para mentes abertas, não é pouco em um mundo passando por uma longa crise, de rumos incertos. Ainda bem que temos uma imprensa livre… em outros países do mundo.

Leia também

Nem reunião do Brics escapa – Mauro Malin

******

Eduardo R. Gomes é cientista político

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem