Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

JORNAL DE DEBATES > ECOS DO TERROR

Não sou Charlie nem Chérif nem Said

Por Luiz Carlos Barreto em 27/01/2015 na edição 835
Reproduzido da seção “Tendências/Debates” da Folha de S.Paulo, 20/1/2015; intertítulo do OI

Podemos pôr em risco a segurança e a vida de outras pessoas em nome da liberdade de expressão e do livre pensar? A liberdade de opinião e o direito de expressá-la são uma conquista social, não apenas um direito individual para servir aos interesses e ao narcisismo de pessoas ou de grupos. Portanto, o livre exercício do direito de opinar, criticar, caricaturar e denunciar exige reflexão, responsabilidade e ética.

Os talentosos desenhistas e chargistas do jornal satírico Charlie Hebdo mergulharam fundo naquilo que abraçaram como missão: criticar, caricaturar e satirizar os poderes político, econômico, religioso e social. Como os mergulhadores que ultrapassam os limites, foram tomados pelo delírio das profundezas. Desafiaram a minoria extremista e fanática do islamismo.

A sátira focando personagens e situações do cotidiano francês e internacional tornou-se a marca do sucesso do Charlie Hebdo. Mas o sucesso sempre tem bônus e ônus.

Algumas “vítimas” do Charlie, entre elas líderes políticos, religiosos e celebridades, reagiram com processos judiciais e ameaças. A Redação do semanário chegou a sofrer um incêndio criminoso em 2011.

Mesmo diante dessa situação ameaçadora, a turma do Charlie não baixou o nível do seu poder de fogo satírico, em uma demonstração de uma coragem suicida, como definiu o ex-primeiro-ministro francês Dominique de Villepin, em artigo no Le Monde em 8 de janeiro.

Agora os dados estão sobre a mesa: o Estado, o governo, o povo francês e até a União Europeia estão na incômoda e obrigatória situação de responder a um ato de barbárie causado pela irrefletida troca da sátira pelo insulto e pelo desrespeito à fé e à crença de grupos minoritários de radicais fanáticos, que fazem uma leitura errada do Alcorão.

Exemplo brasileiro

Neste momento, passada a comoção que o episódio trágico nos causou, chegou a hora da reflexão e da discussão sobre o tema da liberdade de expressão, questão basilar para o Estado democrático de Direito.

Não podemos transformar a liberdade de expressão em um dogma, pois os dogmas são antidemocráticos e geram autoritarismo e posições extremistas. Aliás, na Europa e nos EUA essa discussão está em curso e seria muito saudável que nós, brasileiros, iniciássemos essa reflexão que tanto nos faz falta.

Outras reflexões mais profundas devem ser feitas e a mais transcendente de todas diz respeito à forma de convivência entre as culturas ocidental e oriental. São duas estruturas de pensamento, hábito, costumes, idiomas, religiosidade, crenças e sistemas políticos. São concepções e estilos de vida diferentes e que começaram a se revelar um para o outro, com o auxílio dos meios de comunicação de massa.

É preciso que nós, ocidentais, façamos uma revisão dos nossos conceitos e do nosso modo de relacionamento com os povos da banda oriental do planeta. Vamos nos despir da roupagem de colonizadores que sempre se relacionaram pela dominação, pelo subjugo e humilhação dos povos colonizados.

O Brasil tem muito a contribuir com seu exemplo de democracia racial, que foi muito além da mestiçagem, produzindo um amálgama que, no dizer de Darcy Ribeiro, vai resultar em um novo modelo civilizatório para a humanidade.

******

Luiz Carlos Barreto é produtor de cinema e realizou mais de 80 filmes

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem