Terça-feira, 26 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº959

JORNAL DE DEBATES > DISCURSO DO ÓDIO

A encarnação da espiral do silêncio

Por Sávia Lorena Barreto Carvalho de Sousa em 16/03/2015 na edição 842

Ela é uma senhora de quase 70 anos, uma avó. E é xingada de “vaca”, “vagabunda” e “asquerosa” por aqueles que querem atingi-la na esfera política. A presidente Dilma Rousseff (PT) merece críticas, mas certamente nem ela nem ninguém merece boçalidade em formato de mal disfarçado ativismo político.

Presidentes que governaram e governam democraticamente em situações políticas e econômicas piores que Dilma seguem incólumes sem nenhuma sombra de protestos pró-impeachment. Claro que cada país tem suas particularidades institucionais, mas a lição que se tira disso tudo é que Dilma Rousseff não consegue mais se comunicar. Nem com sua base de apoio no Congresso Nacional e menos ainda com seus eleitores.

Foi o “muso” dos conservadores, Olavo de Carvalho, quem introduziu indiretamente na roda de discussão um conceito que volta e meia é debatido na comunicação, a teoria da espiral do silêncio. Em seu perfil no microblog Twitter, ele disse: “Mostrem força e a mídia ficará do seu lado, por mero cagaço que seja. Jornalista é puta: adere sempre ao mais fortão”. Pulando o machismo perceptível no raciocínio simplista, a ideia é a mesma embutida na teoria da espiral do silêncio, cujo conceito surgiu na década de 1970 por meio de trabalhos da alemã Noelle-Neuman: aqueles que detêm as opiniões maioritárias tendem, mesmo que indiretamente, a silenciar os detentores de opiniões minoritárias, que com o receio de represálias acabam por não expor o seu pensamento.

Se, naturalmente, a opinião pública influencia a opinião individual, já passou então da hora de Dilma Rousseff e sua equipe de comunicação tratarem de tentar inverter o sentido do vento o mais urgente possível. O destino para onde o vento sopra hoje leva à instabilidade política e econômica, cujo desfecho é incerto, mas já amedronta.

Eleita pela maioria dos brasileiros, Dilma não se comporta como vencedora nem como maioria. A resignada solidão e o isolamento político refletem-se numa percepção pública de que a presidente está fraca. Tentando a autopreservação, até os petistas atacam a própria carne, como se Dilma sangrando não contaminasse todas as possibilidades de manutenção da sigla no poder em 2018, com a perspectiva cada vez mais frágil do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de se candidatar novamente ao Palácio do Planalto. E, não custa lembrar, ao ver o menor sinal de sangue, os tubarões fazem a festa.

Para que tanto ódio?

Defender a volta de uma ditadura militar só porque o governo no poder não é o que mais lhe agrada é ser mimado, e não maduro. O asfixiamento que Dilma vive – sem fôlego para começar um mandato, impregnada na lama de membros do PT e de outras siglas – não deixa de ser uma retirada do ar da população em geral. Com o discurso de uma tecla só (leia-se “Lava Jato + Petrobras + corrupção”) o país vive uma cortina de fumaça sobre o tema mais importante do momento: a possibilidade concreta de retirar do papel a reforma política.

Tirar o foco de uma mudança estrutural do sistema político brasileiro para debater a volta do regime militar e novas formas de chamar os petistas de “petralhas” só ajuda os políticos que há anos se aproveitam do patrimônio público. E quando se fala em anos, o recorte pode até ser estendido aos séculos que alcançam a formação institucional do país, há mais 500 anos.

Formado em sua essência como uma estrutura disponível exclusivamente para ter seus recursos roubados para o proveito da metrópole e não usufruídos pela população, o Brasil tem no sangue um sistema político falho. E não são quatro anos de qualquer gestão que irão resolver o problema.

O discurso do ódio, reverberado pela mídia, não é capaz de gerar nada além de um humor social ainda mais feroz, retroalimentando uma lógica que atende mais à insensatez do que ao avanço do debate público. Ao invés de discutir soluções dentro da democracia, estamos sendo neutralizados pelo radicalismo. Ao invés de ação e movimento, o brasileiro continua agindo como um fantoche que segue o trem – mesmo que esse trem dê voltas sobre si mesmo.

******

Sávia Lorena Barreto Carvalho de Sousa é jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem