Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1018
Menu

JORNAL DE DEBATES >

A censura e a briga de comadres

Por Alberto Dines em 24/01/2008 na edição 469

Não é a primeira vez que o governador Roberto Requião do Paraná mete-se numa briga. Seu histórico de confrontos é imbatível, supera em muito o do falecido Antonio Carlos Magalhães, denunciado pelos inimigos como Toninho Malvadeza e aclamado pelos acólitos como Toninho Ternura.


Requião, ao contrário, é uma unanimidade: rei do arranca-rabo e do bate-boca. O seu confronto com o Judiciário e agora com o Ministério Público são em si reveladores de uma personalidade autoritária e totalitária.


Mas o que interessa de fato nesta nova pendenga de Requião é o uso que vem fazendo da TV Educativa do Paraná desde que assumiu, há seis anos. Ele a converteu em instrumento de uso privado, esqueceu que a emissora é um bem público, a serviço da coletividade.


A questão não se restringe ao programa semanal Escola de Governo que Requião, segundo seus detratores, usa a seu bel-prazer. No momento em que se tenta criar no país uma rede de TV a serviço do cidadão e do interesse público, aparece um governador trabalhando na direção contrária – ele é o estado, o estado é dele, portanto a TV do estado é sua.


Há muito que a TVE do Paraná só exibe programas aprovados pelo governador, que interessam ao governador. Não está afiliada à TV Brasil nem à Rede Cultura.


O problema da censura está mal colocado: quem censura a TV Educativa do Paraná é o governador do Paraná. O resto é briga de comadres.


 


Leia também


Evitar abusos não configura censura prévia – A.D.


TV Educativa não é ringue – Luiz Weis

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem