Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

JORNAL DE DEBATES > 11 DE SETEMBRO, 10 ANOS

A era do medo

Por Alberto Dines em 12/09/2011 na edição 659
Reproduzido do Diário de S.Paulo, 11/9/2011, intertítulos do OI

Três aviões tinham alvos definidos – as Torres Gêmeas em Manhattan e o Pentágono, em Washington – o quarto deveria atingir a Casa Branca ou o Capitólio, também na capital americana. O objetivo da operação terrorista, a maior de todos os tempos, era claro: ferir o coração da única super-potência, dona do mundo, exibir a sua vulnerabilidade ante uma nova arma de destruição em massa: o suicídio.

Missão cumprida com 75% de êxito material. Sob o ponto de vista psicológico e moral, triunfo absoluto. Graças à repercussão: sem a maciça cobertura da mídia global a intimidação ficaria restrita, o terror para ser efetivo precisa ser compartilhado.

Duas guerras

Começava um novo capítulo na história das guerras, o da guerra total, sem estados nem fronteiras. A partir de 11 de Setembro de 2001, as guerras passaram a travar-se em painéis e monitores, à distância, sem frentes de combate, sem sangue. Mas também sem inocentes, todos passaram a ser culpados e, por isso, devem pagar.

Impossível saber se Osama bin Laden e o comando da al-Qaida, pretendiam ultrapassar o aspecto estratégico e, além de provocar a desmoralização militar americana com as inevitáveis intervenções terrestres, explorar todas as contradições no campo político, social e econômico.

Quem acompanhou o debate da quarta-feira (7/9) entre os oito pré-candidatos republicanos dispostos a enfrentar Barack Obama em 2012, pôde perceber o poder de destruição do golpe perpetrado pela al-Qaida em 11 de Setembro. Os mais bem situados, Rick Perry, governador do Texas, gabou-se das 234 execuções aprovadas por ele em seus mandatos – um recorde nacional –, enquanto o concorrente Mitt Romney tentava suplantar suas façanhas exibindo garbosamente a plataforma anarco-fascista do Tea Party: Estado Zero, economia livre, mercados sem controle, imigração suspensa, isolacionismo máximo, ciência controlada e o Todo Poderoso nas alturas – pelo rito protestante, diga-se.

A verdade é que uma década depois, as Torres Gêmeas estão sepultadas e os EUA à beira de um abismo aterrador: derrotados militarmente no Afeganistão e Iraque, seus princípios republicanos estão esfrangalhados, sua economia incapacitada de produzir novos milagres e seu trunfo maior – a aura de sonho, o American Dream – seriamente ameaçada por um golpe eleitoral não muito diferente daquele que levou Hitler ao poder em 31 de janeiro de 1933.

Historiadores e analistas da extrema-direita tentam hoje minimizar a devastação provocada pelo 11-S. Não querem associar os trilhões de dólares gastos com as duas guerras iniciadas pela dupla George W. Bush-Dick Cheney com a paralisia financeira dos EUA, nem deter-se na vinculação da crise imobiliária de 2008 com as doutrinas do mercado livre hoje pregadas pelo Tea Party.

Década perdida

Outros presidentes americanos cometeram graves equívocos – John Kennedy inclusive – todos conseguiram algum tipo de reversão, nenhum produziu um conjunto de ações e dogmas fundamentalistas tão espesso e tão abjeto como este do octênio 2001-2009. Somado aos dois anos da satanização de Obama desde a sua posse até hoje, temos uma Década Infame, irremediavelmente perdida.

Apesar de tantos avanços estamos em plena era do medo.///

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem