Sexta-feira, 16 de Novembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1013
Menu

JORNAL DE DEBATES >

A homossexualidade na
mídia, o que mudou?

08/07/2008 na edição 493

Entrada franca, censura – 18 anos


** 8 a 20 de julho – CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Av. Almirante Barroso, 25. Rio de Janeiro – RJ – CEP 20031-003 – tel. 21.2544-4080 / 2544-7666


** 15 a 20 de julho – CAIXA Cultural São Paulo – Praça da Sé, 111. São Paulo – SP – CEP 01001-000 – tel. 11.3321-4400


Texto da Curadoria


Ao longo do século XX, com a expansão dos meios de comunicação de massa a figura do homossexual passa por grandes transformações. Paulatinamente, são incorporadas e/ou incentivadas pela grande mídia as mudanças de atitude da sociedade para com estas pessoas.


No cinema e na TV vemos personagens – antes estigmatizados como vilões ou ridicularizados por comédias – assumindo papéis mais amplos e significativos frente ao grande público. Na mídia impressa, publicações demasiadamente específicas e em geral marcadas por forte conteúdo pornográfico são substituídas por editoriais mais direcionados a temas políticos, culturais e comportamentais.


Jornais e revistas passam a publicar matérias nas quais o homossexual é inserido em uma classe de indivíduos com grande poder de consumo. Este reconhecimento revela à sociedade homens e mulheres distantes do estereótipo freak: pessoas que vivem, trabalham, estudam e se relacionam como qualquer outra e que, além disso, têm o potencial de movimentar um enorme mercado consumidor.


Concomitantemente a esta nova compreensão, a grande mídia passa a dedicar maior espaço a matérias de conteúdo mais social, em que se reivindica mais abertamente uma série de direitos homossexuais.


Estas são apenas constatações factuais, mas como e por que estas mudanças ocorreram? Qual o sentido desta transformação?


A homossexualidade na mídia. O que mudou? Pretende levar aos visitantes da CAIXA Cultural um painel destas transformações. No mês de julho, no período de 8 a 20 (no Rio de Janeiro) e de 15 a 20 (em São Paulo), exibiremos filmes e programas de TV, em conjunto com um ciclo de debates, com a intenção de jogar alguma luz sobre um tema ainda tão controvertido para o público em geral.


Ailton Franco Jr. e Paulo Roberto Jr., curadores


Programação


CAIXA Cultural do Rio de Janeiro


8 de julho, terça-feira


Abertura


Sala 1


16h – Teorema, de Pier Paolo Pasolini (98 min)


18h – Debate: A crescente exposição do personagem homossexual


Mediador: Eduardo Peret


Debatedores: Ricardo Linhares, Sofia Zanforlin e Gilberto Gavronski


9 de julho, quarta-feira


Sala 1


16h – Garotos de programa, de Gus Van Sant (102 min)


18h – Debate: Comportamento e consumo


Mediador: Jorge Caê Rodrigues


Debatedores: Adriana Nunan, Jean Willys, Wilton Garcia e Ulisses Zamboni 19h30 – Plata quemada, de Marcelo Piñeyro (100 min)


Sala 2


16h – Programa Especial Mix Brasil (92 min)


18h – Programa Especial Seriados 1 (84 min)


19h30 – Priscila – a Rainha do Deserto, de Stephan Elliott (104 min)


10 de julho, quinta-feira


Sala 1


16h – Banquete de casamento, de Ang Lee (106 min)


18h – Debate: A homossexualidade na mídia impressa


Mediador: João Ximenes Braga


Debatedores: Luiz Garcia, Rodrigo de Araújo e Ivan Martins


19h30 – O segredo de Brokeback Mountain, de Ang Lee (134 min)


Sala 2


16h – Programa Especial Seriados 2 (97 min)


18h – Programa Especial Curta Cinema (89 min)


19h30 – Filadélfia, de Jonathan Demme (125 min)


11 de julho, sexta-feira


Sala 1


16h – Plata quemada, de Marcelo Piñeyro (100 min)


18h – Debate: A representação do homossexual no cinema


Mediador: Denilson Lopes


Debatedores: Antonio Moreno, José Gatti e Luiz Carlos Lacerda


19h30 – Madame Satã, de Karim Ainouz (105 min)


Sala 2


16h –Priscila – a Rainha do Deserto, de Stephan Elliott (104 min)


18h – Programa Especial Seriados 3 (95 min)


19h30 – A Gaiola das Loucas, de Mike Nichols (119 min)


12 de julho, sábado


Sala 1


15h – Banquete de casamento, de Ang Lee (106 min)


17h – O paciente Zero, de John Greyson (100 min)


19h – Garotos de programa, de Gus Van Sant (102 min)


Sala 2


15h – Programa Especial Seriados 4 (85 min)


17h – Programa Especial Curta Cinema (89 min)


19h – Paixão selvagem, de Serge Gainsbourg (90 min)


13 de julho, domingo


Sala 1


15h – Madame Satã, de Karim Ainouz (105 min)


17h – Plata quemada, de Marcelo Piñeyro (100 min)


19h– O segredo de Brokeback Mountain, de Ang Lee (134 min)


Sala 2


15h – Programa Especial Seriados 5 (100 min)


17h – Programa Especial Mix Brasil (92 min)


19h – Filadélfia, de Jonathan Demme (125 min)


15 de julho, terça-feira


Sala 1


16h – Traídos pelo desejo, de Neil Jordan (112 min)


18h – O paciente Zero, de John Greyson (100 min)


19h30 – Satyricon, de Frederico Fellini (129 min)


Sala 2


16h – Programa Especial Seriados 1 (84 min)


18h – Programa Especial Curta Cinema (89 min)


19h30 – A lei do desejo, de Pedro Almodóvar (102 min)


16 de julho, quarta-feira


Sala 1


16h – Banquete de casamento, de Ang Lee (106 min)


18h – Minha adorável lavanderia, de Stephen Frears (97 min)


19h30 – Aimeé e Jaguar, de Max Farberböck (125 min)


Sala 2


16h –Tudo sobre minha mãe, de Pedro Almodóvar (101 min)


18h – Programa Especial Seriados 2 (97 min)


19h30 – A Gaiola das Loucas, de Mike Nichols (119 min)


17 de julho, quinta-feira


Sala 1


16h – Garotos de programa, de Gus Van Sant (102 min)


18h – O paciente Zero, de John Greyson (100 min)


19h30 – Traídos pelo desejo, de Neil Jordan (112 min)


Sala 2


16h – Programa Especial Seriados 3 (95 min)


18h – Programa Especial Mix Brasil (92 min)


19h30 – Antes do anoitecer, de Julian Schnabel (125 min)


18 de julho, sexta-feira


Sala 1


16h – O paciente Zero, de John Greyson (100 min)


18h – Minha adorável lavanderia, de Stephen Frears (97 min)


19h30 – O segredo de Brokeback Mountain, de Ang Lee (134 min)


Sala 2


16h –Tudo sobre minha mãe, de Pedro Almodóvar (101 min)


18h – Programa Especial Seriados 4 (85 min)


19h30 – Minha vida em cor-de-rosa, de Alain Berliner (88 min)


19 de julho, sábado


Sala 1


15h – Aimeé e Jaguar, de Max Farberböck (125 min)


17h – Teorema, de Pier Paolo Pasolini (98 min)


19h – Traídos pelo desejo, de Neil Jordan (112 min)


Sala 2


15h – Programa Especial Seriados 5 (100 min)


17h – A lei do desejo, de Pedro Almodóvar (102 min)


19h – Antes do anoitecer, de Julian Schnabel (125 min)


20 de julho, domingo


Sala 1


15h – Satyricon, de Frederico Fellini (129 min)


17h – Minha adorável lavanderia, de Stephen Frears (97 min)


19h – Aimeé e Jaguar, de Max Farberböck (125 min)


Sala 2


15h – Programa Especial Seriados 1 (84 min)


17h – Minha vida em cor-de-rosa, de Alain Berliner (88 min)


19h – Paixão selvagem, de Serge Gainsbourg (90 min)


 


CAIXA Cultural de São Paulo


15 de julho, terça-feira


15h – A lei do desejo, de Pedro Almodóvar (102 min)


17h – Programa Especial Curta Cinema (89 min)


18h30 – Debate: A representação do homossexual no cinema


Mediador: Marcus Mello


Debatedores: Guilherme de Almeida Prado, Christian Peterman e José


Eduardo Belmonte


16 de julho, quarta-feira


15h – Priscila – a Rainha do Deserto, de Stephan Elliott (104 min)


17h – Programa Especial Seriados 1 (84 min)


18h30 – Debate: A crescente exposição do personagem homossexual


Mediador: Duda Leite


Debatedores: José Celso Martinez Corrêa, Dionísio Neto e Eduardo Peret


17 de julho, quinta-feira


15h – Tudo sobre minha mãe, de Pedro Almodóvar (101 min)


17h – Programa Especial Mix Brasil (92 min)


18h30 – Debate: A homossexualidade na mídia impressa


Mediador: Vange Leonel


Debatedores: Rodrigo de Araújo, André Fischer e Valmir Junior


18 de julho, sexta-feira


15h – Programa Especial Seriados 2 (97 min)


17h – Minha vida em cor-de-rosa, de Alain Berliner (88 min)


18h30 – Debate: Comportamento e consumo


Mediador: Paulo Roberto Jr.


Debatedores: João Silvério Trevisan, Jorge Caê Rodrigues e André Godoi


19 de julho, sábado


15h – Programa Especial Seriados 3 (95 min)


17h – Programa Especial Curta Cinema (89 min)


19h – Paixão Selvagem, de Serge Gainsbourg (90 min)


20 de julho, domingo


15h – Programa Especial Seriados 4 (85 min)


17h – Programa Especial Mix Brasil (92 min)


19h – Antes do anoitecer, de Julian Schnabel (125 min)


TÍTULOS


FILMES – LONGAS


** Aimeé e Jaguar, de Max Farberböck


Na Alemanha nazista, uma judia resolve permanecer em Berlim por conta de seu grande amor: a esposa de um soldado alemão.


** Antes do anoitecer, de Julian Schnabel


O diretor de Basquiat traz às telas a autobiografia do escritor homossexual cubano Reynaldo Arenas, que foi perseguido em seu país natal e viveu anos exilado em Nova York.


** Banquete de casamento, de Ang Lee


Rapaz que vive na América esconde dos pais taiwaneses o fato de ser gay. Quando estes decidem visitar o filho, o jovem inventa um casamento de conveniência com uma amiga.


** Filadélfia, de Jonathan Demme


Promissor advogado que trabalha para tradicional escritório da Filadélfia é despedido quando descobrem ser ele é portador do vírus da Aids. Ele contrata os serviços de um advogado negro, que é forçado a encarar seus próprios medos e preconceitos.


** A Gaiola das Loucas, de Mike Nichols


Pais gays precisam convencer os futuros sogros de seu filho de que o rapaz é proveniente de uma família decente. Um das comédias mais marcantes da cinematografia hollywoodiana.


** Garotos de programa, de Gus Van Sant


O mundo da prostituição masculina nas imagens de Gus Van Sant. Dois michês, colegas de trabalho, pegam a estrada em busca da mãe de um deles.


** A lei do desejo, de Pedro Almodóvar


Sexto filme da carreira de Almodóvar como diretor, mostra tórridas cenas de homoerotismo com Antonio Banderas – mais tarde, sex symbol em Hollywood.


** Madame Satã, de Karim Ainouz


A vida polêmica e controvertida de Madame Satã, figura que se tornou uma verdadeira lenda urbana na Lapa carioca dos anos 1930.


** Minha adorável lavanderia, de Stephen Frears


Um imigrante paquistanês e seu namorado inglês resolvem abrir juntos uma lavanderia. Filme que deu grande visibilidade a Frears nos anos 1980.


** Minha vida em cor-de-rosa, de Alain Berliner


Menino bastante retraído decide se vestir como menina, causando grande furor na pequena cidade onde mora. Sua família passa a viver com a possibilidade de que ele seja gay e deve superar todos os transtornos gerados pela situação.


** O paciente Zero, de John Greyson


Um divertido musical sobre a Aids. Mistura influências de Bertolt Brecht, Busby Berkeley, Michel Foucault e Barbra Streisand. Filme de grande visibilidade num período em que a doença era considerada quase uma exclusividade dos homossexuais.


** Paixão selvagem, de Serge Gainsbourg


A relação amorosa entre um casal de lixeiros se vê abalada quando um deles se apaixona pela garçonete de um restaurante de beira de estrada. Clássico do cinema underground nos anos 1970, com direção e trilha sonora do próprio Gainsbourg.


** Plata quemada, de Marcelo Piñeyro


Um filme de gângster, em que um casal de criminosos resolve participar de um assalto que resulta em conseqüências desastrosas.


** Priscila – a Rainha do Deserto, de Stephan Elliott


Três drag queens viajam pelo deserto australiano, apresentando um divertido show. O transporte é um ônibus caindo aos pedaços batizado de ‘‘Priscila’’.


** Satyricon, de Frederico Fellini


Livre adaptação do livro de mesmo nome, de autoria se de Gaius Petronius. Um tour de force imaginativo e experimental sobre personagens do Império Romano em seu primeiro século.


** O segredo de Brokeback Mountain, de Ang Lee


Dois caubóis, após aceitarem um trabalho para cuidar de ovelhas no inverno, acabam se apaixonando e passam a viver uma intensa relação que atravessa os anos.


** Teorema, de Pier Paolo Pasolini


Um indivíduo extremamente sedutor abala as relações interpessoais de uma família burguesa. Um dos filmes mais significativos e polêmicos da obra de Pasolini.


** Traídos pelo desejo, de Neil Jordan


Membros do IRA seqüestram um soldado, que será vigiado de perto por um dos terroristas. Os dois se tornam confidentes, e o jovem fala sobre seu amor secreto. Quando ele morre, o seqüestrador decide procurar a amante misteriosa do soldado.


** Tudo sobre minha mãe, de Pedro Almodóvar


Mãe perde o filho em um atropelamento e resolve dar a notícia ao pai que, atualmente, vive entre os travestis de Barcelona. Uma das obras mais pungentes e sentimentais da filmografia de Almodóvar.


FILMES – CURTAS


Programa Especial Curta Cinema


** Acorda, Roberta Marques (17 min)
Sidney é um garoto do subúrbio que vende pássaros nas praias de Fortaleza (CE). Cansado da vida que leva, deseja sair do país e virar uma estrela.


** Alguma coisa assim, Esmir Filho (15 min)


Caio e Mari, dois adolescentes, saem à noite pelas ruas de São Paulo em busca de diversão. Entre sons e silêncios, descobrem mais sobre si mesmos.


** Diário aberto de R., Caetano Gotardo (14 min)


Rafael dorme. Rafael espera. Rafael abraça. Rafael deita. Rafael chora.


** Paola, Eduardo Chaves de Oliveira (14 min)


Documentário em vídeo digital que trata do cotidiano de Paola, um travesti que vive em um lugarejo de 1.800 habitantes no interior da Paraíba.


** Sexo e claustro, Claudia Priscilla (12 min)


Maria del Pilar é um documentário feito na Cidade do México, sobre uma singular personagem e seus sentimentos a respeito de sexo e religião.


** Também sou teu povo, Franklin Lacerda e Orlando Pereira (14 min)


Construído a partir de depoimentos de travestis juazeirenses que trabalham, lutam, sonham e, sobretudo, têm fé nos santos cultuados pelos romeiros.


Programa Especial Mix Brasil


** 69 – Praça da Luz, Carolina Markowicz e Joana Galvão (21 min)


Relato sobre a história de vida das velhas prostitutas que trabalham até hoje na Praça da Luz, em São Paulo.


** Bárbara, Carlos Gradim (10 min)


Bárbara, travestida em aparência e essência, ao lado do leito de morte de seu pai, tem que continuar na corda bamba, entre camas da vida e da morte, entre a recusa e a aceitação.


** Doce e salgado, Chico Lacerda (7 min)


Dois adolescentes, amigos de colégio, descobrem o desejo.


** Furs for Adonis, Dácio Pinheiro e David Pollak (2 min)


Filme experimental, inspirado no universo dos filmes pornôs da década de 1970. Com o estilista Marcelo Sommer.


** Janela, Gustavo Duarte (7 min)


De repente você chega na janela e algo acontece. Um recorte no cotidiano das grandes cidades.


** Joy Stick Joy, Rufião Xplastics (4 min)


Ela quer. Ela consegue. Ela é interpretada por Karen Nofxxx.


** Meu cão me ensina a viver, Filipe Moura (12 min)


Após a morte de seu cachorro, um jovem fotógrafo sai à procura de todas as extensões possibilidades de significado de sua existência.


** Pipas, Dado Amaral (12 min)


Uma cantora transexual apaixona-se por um garoto de programa. Depois de uma briga, eles se separam. A cantora, assim, vê-se obrigada a procurar o garoto numa favela do Rio de Janeiro, onde ele mora.


** , Felipe Sholl (5 min)


Dois meninos de vinte e poucos anos exploram sua sexualidade em um banheiro público.


** A vida ao lado, Gustavo Galvão (12 min)


Cecília sonha com Ana, mas não tem coragem de se aproximar dela. Ana tenta conquistar Alberto, que pensa simplesmente em se matar. Num dia decisivo, três vizinhos passam a dividir a mesma experiência: o amor.


TELEVISÃO


Programa Especial Seriados 1


** Os assumidos (Queer as Folk) – Distribuidora: Channel 4


Este seriado é um marco na luta dos direitos GLBT, pois investe em uma trama sem cunho pornográfico ou apelativo. As dificuldades e conquistas desta comunidade são brilhantemente retratadas neste seriado.


1ª temporada, 1º episódio – Piloto (31 min)


1ª temporada, 2 º episódio (31 min)


** Will and GraceDistribuidora: Universal Home Pictures


Will e Grace eram namorados na adolescência. Na hora ‘h’, Will percebe que é homossexual. A partir daí, os dois se tornam grandes e inseparáveis amigos, com várias situações hilariantes e atrapalhadas.


1ª Temporada, 1º episódio – Piloto (22 min)


Programa Especial Seriados 2


** Sex and the cityDistribuidora: MPLC Brasil


Carrie escreve a coluna ‘Sex and The City’. Conta sempre com suas três amigas: Samantha Jones, a típica loura fatal; Charlotte York, romântica e sensível; e Miranda Hobbes, a mais prática de suas amigas, sempre sabendo o que quer da vida (ou quase isso). Com a participação da atriz brasileira Sonia Braga, os episódios exibidos relatam a experiência lésbica da personagem Samantha.


4ª temporada – 3º episódio: Defining Moments (29 min)


4º episódio: What’s Sex Got to Do With it? (29 min)


5º episódio: Ghost Town (29 min)


Programa Especial Seriados 3


** The L Word – Distribuidora: MPLC Brasil


A série mostra as vidas de um grupo de amigas lésbicas e bissexuais que vivem na cidade de Los Angeles, Califórnia.


1ª temporada, 1º episódio – Piloto (95 min)


Programa Especial Seriados 4


** Desperate Housewives – Distribuidora: MPLC Brasil


Seriado contemporâneo, que gira em torna da vida de quatro mulheres, no qual comédia, humor negro e drama se misturam o tempo todo, assim como acontece na vida real.


3ª temporada, 4º episódio: Like it Was (43 min)


** Dawson’s Creek – Distribuidora: Sony Pictures Home Entertainment


Para o grupo de adolescentes, formado por Dawson, Joey, Pacey e Jen, passar para o ‘mundo’ adulto não poderia ser mais difícil.


2º temporada, 4° episódio: Home Movies (42 min)


Programa Especial Seriados 5


** Queer Eye for the Straight Guy Distribuidora: Universal Home Picture


O programa, que vai ao ar no Sony Entertainment Television no Brasil, mostra cinco homens homossexuais (cada um especializado em uma área diferente: vestuário, culinária e vinhos, arte e cultura, higiene pessoal e cabelo, e design de interiores) tentando ajudar um homem hétero a organizar sua bagunçada vida.


Clip com os melhores momentos de cada personagem da série (DVD da 1ª temporada)


CICLO DE DEBATES – MEDIADORES E DEBATEDORES


** Adriana Nunan


Psicóloga, doutora em Psicologia Clínica (PUC-Rio), mestre em Psicologia Clínica e Pós-Graduada em Comunicação Social. Autora do livro Homossexualidade: do preconceito aos padrões de consumo.


** André Fischer


Fundador em 1993 do Festival MiX Brasil de Cinema da Diversidade Sexual, exibido em 31 cidades brasileiras e curador de mostras em festivais de cinema e vídeo em 25 cidades no exterior. Atualmente co-diretor do Festival, que vai para em sua 16ª edição.


Criador e editor do site do MiX Brasil na Internet (www.mixbrasil.com.br), o maior portal GLS da América Latina, pioneiro no segmento na América Latina, on line desde agosto de 1994. É editor da revista Junior.


** André Godoi


Administrador e redator publicitário, trabalha desde 1999 no mercado publicitário. Ganhador de prêmios, como: Leão de bronze, em Cannes, Grand Prix FIAP (Festival Iberoamérica de Propaganda) e prata no CCSP (Clube de Criação de São Paulo).


** Antônio Moreno


Cineasta, pesquisador, professor do Departamento de Cinema e Vídeo da UFF e do Curso de Pós-Graduação em Ciência da Arte da UFF, Niterói (RJ). É autor de A personagem homossexual no cinema brasileiro.


** Christian Petermann


Membro da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte), atua como crítico de cinema. Entre outras atividades, foi editor da Revista G Magazine e colaborou com outras publicações, como Interview, Vogue, Bizz e Contigo. Atualmente, colabora com o Guia da Folha de S. Paulo, a revista semanal IstoÉ Gente e a mensal SET. Assina uma coluna de cinema na revista bimestral Junior. Apresenta um quadro fixo de cinema às quintas-feiras no programa Todo Seu (TV Gazeta/SP), apresentado por Ronnie Von. É curador e apresentador do novo projeto mensal Cadeira do Diretor Buchanan’s, parceria com a Folha de S. Paulo e o Espaço Unibanco de Cinema/SP.


** Denilson Lopes


Professor da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, pesquisador do CNPq, autor de A delicadeza: estética, experiência e paisagens (Brasília: EdUnB, 2007), O homem que amava rapazes e outros ensaios (Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002) e Nós os mortos: melancolia e neobarroco (Rio de Janeiro, 7Letras, 1999) e co-organizador de Imagem e diversidade sexual (São Paulo: Nojosa, 2004) e organizador de O cinema dos anos 90 (Chapecó: Argos, 2005).


** Dionísio Neto


Ator, dramaturgo e diretor. Suas peças são tema das teses de doutorado ‘Uma janela aberta para o caos: Bernard-Marie Koltés, Dionisio Neto e Fernando Bonassi’, de Luís Cláudio Machado, na Sorbonne de Paris e na ECA /USP-SP; e ‘Poética cênica na dramaturgia brasileira contemporânea’, de Ana Maria Rebouças, orientada pelo crítico Sábato Magaldi. É objeto de estudo da nova dramaturgia brasileira na Yale University (EUA).


** Duda Leite


Com mais de 15 anos de experiência nas áreas de produção de promos, on air, programas de entrevistas (com celebridades como Mick Jagger, Catherine Deneuve, Lenny Kravitz, Matt Damon), direção de curtas-metragens cult como Serial Clubber Killer (1994, vencedor do MIX Brasil), e Resmungo (2005, filmado em Miami), sempre esteve ligado a várias formas de produção audiovisual. Entre 2001 e 2007, mudou-se para Miami, onde trabalhou para os canais Eurochannel, Cinemax e HBO Latin America. Desde 2005 cuida do on air e das produções originais do canal VH1 (pertencente ao grupo Viacom) dedicado ao universo pop. Entre as produções estão desde programas de entrevistas como o Sound Spot, com artistas como Cindy Lauper, The B-52’s, Debbie Harry e o grupo The Who; e o TOP 20 do canal. Atualmente, vive em São Paulo.


** Eduardo Peret


Jornalista, carioca, 40 anos, é mestre em Comunicação e pesquisador de Diversidade Sexual na Mídia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), onde também é funcionário, lotado na Diretoria de Comunicação Social. Participou de congressos acadêmicos sobre Diversidade Sexual e Homocultura em âmbito nacional e foi delegado do Poder Público na Conferência Estadual de Políticas Públicas para LGBT do Rio de Janeiro. Seu projeto de doutorado dá continuidade à dissertação de mestrado intitulada ‘Do armário à tela global: a representação social da homossexualidade na telenovela brasileira’.


** Gilberto Gawronski


Diretor e ator. Encenador das obras de Caio Fernando Abreu, destacou-se, nos anos 1990, por seus trabalhos, em que muitas vezes aparece como intérprete e diretor.


** Guilherme de Almeida Prado


Estreou no cinema com a pornochanchada As taras de todos nós (1981), depois realizou Flor do desejo (1984) e os premiados A dama do cine Shanghai (1987), Perfume de gardênia (1992) e A hora mágica (1998), além do curta Glaura (1995). Lançou este ano Onde andará Dulce Veiga?, baseado no romance de Caio Fernando Abreu.


** Ivan Martins


Jornalista, repórter especial da Revista Época, responsável pelo fechamento da matéria sobre a história do primeiro casal de militares brasileiros a assumir sua homossexualidade.


** Jean Wyllys


Graduado em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), é mestre em Letras e Lingüística pela mesma universidade. Lecionou, por três anos, disciplinas dos cursos de Comunicação (Jornalismo, Rádio e TV, Publicidade e propaganda) e Letras, das Faculdades Jorge Amado, onde criou e coordenou o Núcleo de Mídia e Cidadania (especializado na produção de documentários e mídias alternativas) e uma pós-graduação em Jornalismo e Direitos Humanos. Em 2001, ganhou o Prêmio Copene de Cultura e Arte, na categoria Literatura, concedido pela Fundação Casa de Jorge Amado, por conta de seu livro de estréia, Aflitos. Em 2005, após vencer o Big brother Brasil, publicou seu segundo livro, agora de crônicas: Ainda lembro. Trabalhou por quase dois anos (2005-2006) como roteirista e repórter especial do programa Mais você, na Rede Globo. E comandou durante 2006 o programa de rádio Amigas invisíveis, criado e dirigido por Marlene Matos. É também


** José Celso Martinez Corrêa


Também conhecido como ‘Zé Celso’ (Araraquara,1937), é um dos principais diretores de teatro do país. Também autor e ator, assume papel icônico no teatro brasileiro. Formou, em 1958, um grupo amador de teatro, na Faculdade de Direito da USP, que daria origem ao Teatro Oficina, marcado pelo compromisso de fazer uma obra de caráter inovador. Em 1967, a montagem de O rei da vela, de Oswald de Andrade foi um marco histórico. Este espetáculo-manifesto, censurada pela ditadura, acabou o levando ao exílio. Nos anos 1990, o Oficina voltou a atuar em São Paulo sob o seu comando, procurando manter a mesma linha teatral com projetos como Boca de Ouro, de Nelson Rodrigues e, mais recentemente a epopéia de Os sertões de Euclides da Cunha, que retrata o episódio da Guerra dos Canudos.


** José Eduardo Belmonte


Formado em cinema pela Universidade de Brasília, ali teve aulas com Nelson Pereira dos Santos (com quem trabalhou), Wladimir Carvalho entre outros. Fez cinco curta-metragens, três longas, que, somados, geraram cerca de 60 prêmios nos principais festivais do país.


** José Gatti


Estudou na Universidade de São Paulo e na New York University. Atualmente é professor associado na Universidade Federal de São Carlos, onde leciona no curso de Imagem e Som. É professor colaborador na Universidade Federal de Santa Catarina, onde pesquisa, leciona e orienta trabalhos no Programa de Pós-Graduação em Inglês e Literatura. Atua na Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual (www.socine.org.br), tendo sido um de seus fundadores. É um dos curadores do Festival Mix Brasil de Cinema e Vídeo da Diversidade Sexual e tem trabalhos publicados sobre políticas de representação em cinema, televisão, vídeo e outros meios de comunicação.


** João Silvério Trevisan


Escritor ficcional e ensaísta, ganhador do prêmio Jabuti e da Funarte, roteirista e diretor de cinema, dramaturgo, coordenador de oficinas literárias, jornalista e tradutor. Foi editor fundador do jornal alternativo Lampião (de 1978 a 1981). É fundador do Grupo Somos, de liberação homossexual (São Paulo,1978).


** Jorge Caê Rodrigues


É doutor em Literatura Comparada pela UFF, onde defendeu a tese ‘Impressões de identidade – histórias e estórias da formação da imprensa gay no Brasil’É autor de Anos fatais – design, musica e tropicalismo. Participou do início do movimento gay no Brasil, junto ao grupo Somos-Rio e do grupo Auê. Foi um dos fundadores do Grupo Arco-íris.


** Luiz Carlos Lacerda


Cineasta, realizou cerca de 20 documentários sobre personalidades da cultura brasileira, e os longas: Mãos vazias, O princípio do prazer, Leila Diniz, For All e Viva Sapato. Foi professor da Escola de Cinema de Cuba e da Universidade Estácio de Sá. Recentemente, a Coleção Aplauso publicou sua biografia. Dedica-se ao projeto de filmar ‘Bom crioulo’ e a escrever o roteiro sobre a atriz Darlene Glória.


** Luiz Garcia


Jornalista veterano, com mais de 20 anos no jornal O Globo, depois de passar por jornais e revistas no Rio e São Paulo, hoje escreve dois artigos por semana, em O Globo.


** Marcus Mello


Crítico de cinema, editor da revista Teorema, colaborador das revistas Cinética e Aplauso; programador da Sala P. F. Gastal, de Porto Alegre. Tem artigos publicados nos livros Cinema dos anos 90 (Chapecó: Argos, 2005) e Cinema mundial contemporâneo (Campinas: Papirus, 2008).


** Paulo Roberto Jr.


Mestre em Filosofia política e professor, também é Curador do evento ‘A Homossexualidade na Mídia – O que Mudou?’


** Ricardo Linhares


Jornalista e autor de teatro e novela, trabalha há 26 anos em televisão, tendo colaborado e sido co-autor em diversas novelas. Seu último trabalho foi a autoria da novela Paraíso tropical, junto com o Gilberto Braga.


** Rodrigo de Araújo


Produtor cultural e jornalista. Trabalho na G Magazine desde 2004, como colaborador; e é seu editor desde novembro de 2006.


** Sofia Zanforlin


Professora e pesquisadora, possui graduação em Jornalismo pela Universidade Federal de Pernambuco (Ufpe, 2001), mestrado em Comunicação, Cultura e Sociedade pela USP (2004) e é doutoranda em Comunicação e Cultura pela UFRJ. Tem experiência em Teorias da Comunicação, atuando, sobretudo, nos temas: estudos culturais, representação, alteridade e audiovisual. Autora do livro Rupturas possíveis. Representação e cotidiano (série Os Assumidos; São Paulo: Annablume, 2005).


** Ulisses Zamboni


Sócio fundador da agência de publicidade Santa Clara, responsável pela inovadora propaganda do produto Nebacetin, que insere a família homossexual como uma possibilidade dentre outras tantas configurações de famílias modernas. Faz parte do board mundial do Grupo Nitro, sediado em Nova York. É professor da cadeira de Planejamento da Miami’s Ad School e também na Madia Associados, no curso de Pós-graduação. É, também, membro do Comitê de Comunicação Integrada da Abab.


** Valmir Júnior


Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo, 26 anos, colaborou com o site Armário X, projeto de Fabrício Viana. Seu trabalho de conclusão de curso foi a revista Be, ganhadora do Expocom Nacional de Melhor Produção Editorial. Editor da revista DOM – De Outro Modo a convite do diretor de redação Jorge Tarquini.


** Vange Leonel


Atual colunista da Folha de S. Paulo e cantora, assume publicamente sua homossexualidade e colabora com o ativismo GLBT (em 1981 já havia integrado o LF, grupo Lésbico Feminista). Em 1997 começou a escrever colunas para o público lésbico na revista Sui Generis e no site Mix Brasil. Autora das peças de teatro (As sereias da rive Gauche, em 2001 e Joana Evangelista, em 2006) e livros (Grrrls:garotas iradas, em 2001, As sereias da rive gauche, em 2003 e Balada para as meninas perdidas, em 2003), todos com temática lésbica. Desde 2001 assina a coluna GLS na Revista da Folha, e colabora em outras publicações.


** Wilton Garcia


É artista visual e pesquisador sobre estudos contemporâneos do corpo. Doutor em Comunicação pela ECA/USP e Pós-doutor em Multimeios pelo IA/Unicamp, atualmente, é professor do Mestrado em Semiótica, Tecnologias da Informação e Educação da UBC. Autor do livro Corpo, mídia e representação: estudos contemporâneos, entre outros.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem