Segunda-feira, 15 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1045
Menu

JORNAL DE DEBATES >

A imprensa empacotada

Por Luciano Martins Costa em 03/01/2008 na edição 466

A imprensa foi impactada pelo anúncio das medidas tributárias que o governo elaborou para compensar a perda com o fim da CPMF.


A leitura dos principais jornais do país mostra uma interessante sintonia entre as opiniões selecionadas pelos jornais de hoje e as manifestações de políticos da oposição.


Tanto quanto a oposição, a imprensa se revela traída pelo governo.


Todos os jornais destacam que o presidente Lula havia negado qualquer intenção de aumentar impostos para cobrir a perda de arrecadação com a extinção da CPMF.


Apesar do clima de surpresa presente em todo o noticiário, alguns colunistas afirmam que um conjunto de medidas como as que foram baixadas na quarta-feira (2/1) era inevitável com a extinção da CPMF.


No entanto, os jornais não parecem ter se preparado para a novidade neste começo de ano. Ou os colunistas esqueceram de avisar os editores, ou estão se fazendo de espertos.


Sem repasse


Com exceção do Globo, que destacou na manchete a combinação de aumento de impostos com o corte de gastos públicos, os demais jornais centram o noticiário apenas nos impostos.


Alguns detalhes das medidas tributárias, como o efeito esperado do aumento da alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, ficaram pouco esclarecidos.


Escondido no meio dos textos, o ministro Guido Mantega afirma que o aumento do tributo não vai necessariamente ser repassado aos clientes dos bancos, uma vez que incide sobre os lucros, e não sobre as operações bancárias. Mas todos os jornais, unanimemente, destacam que a conta, como sempre, vai para o cidadão comum.


Ao gerente


Mesmo que o aumento da CSLL venha a ser repassado aos clientes, aumentando o custo do crédito, alguns especialistas ouvidos pelos jornalistas dizem que essa medida poderá ter um efeito saudável na contenção do consumo, que está estimulado além da conta e provoca o risco de aumento da inflação.


Mas esse detalhe também está escondido nas edições de quinta-feira (3/1).


O governo afirma que não se trata de um ‘pacote’, expressão de caráter negativo que a imprensa criou para os conjuntos de medidas econômicas de impacto. Mas todos os jornais anunciam que o governo acaba de lançar um novo ‘pacote’.


Um balanço da leitura dos grandes jornais de quinta-feira deixa no observador a impressão de que a imprensa embarcou na politização do tema. E descuidou da tarefa de esclarecer o leitor.


Para entender o que muda nas suas contas, o cidadão comum vai ter que consultar o gerente do banco.

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem