Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1063
Menu

JORNAL DE DEBATES >

A Inquisição existiu. E provocou tremendo atraso

Por Alberto Dines em 10/01/2012 na edição 676

No 21º fascículo quinzenal, o mais prestigioso e fleumático veículo da grande imprensa brasileira, Valor Econômico, afinal reconheceu que o Correio Braziliense foi decisivo para criar uma imprensa livre no Brasil.

Com cerca de 10 meses de atraso, as duas empresas jornalísticas que se associaram para formar o mais importante diário econômico brasileiro (os grupos Globo e Folha) admitiram que o Santo Ofício da Inquisição foi o principal instrumento da monarquia absolutista portuguesa para barrar a circulação de informações e ideias em seu território e colônias (ver "Pelos reis, com limites").

A série “Jornais em Pauta”, conduzida com diligência pelo jornalista-historiador Matías M. Molina, recusara até a quinzena anterior a concessão do título de protojornalista e mencionou Hipólito da Costa de raspão uma vez. Por que era um mau jornalista? Não: porque era maçom e porque a maçonaria estava proibida pela igreja católica, razão pela qual ele ficou preso três anos nos cárceres da Inquisição em Lisboa.

A série sequer incluiu na galeria de grandes títulos da nossa imprensa o primeiro veículo a circular sem censura em Portugal e colônias e, ao contrário do que agora reconhece, chegou a afirmar que a censura imposta à colônia ao longo de 308 anos foi obra exclusiva de uma monarquia tirânica sem qualquer alusão à sua submissão ao poder religioso (tese prontamente contestada por este observador: ver debate em “A Inquisição não existiu, é invenção dos leigos”, “Resposta a Alberto Dines” e “Embargo suspenso: a imprensa já pode discutir seu passado”)

Evidência histórica

Esta “batalha” poderia ter sido evitada, também os vexames produzidos pela revelação de um voluntarismo grosseiro, para dizer o mínimo, na tentativa de manipulação histórica. A mesma competência agora empregada para registrar – embora tardiamente – o papel seminal de Hipólito da Costa e do seu mensário na veloz modernização da colônia teria contribuído para conferir à nossa imprensa o merecido diploma de maturidade. E de credibilidade.

Em plena Era da Transparência, conseguimos o milagre de manter sob embargo o bicentenário da instituição-símbolo da transparência. Enquanto déspotas nos quatro cantos do mundo – inclusive na América Latina – empenham-se em liquidar a imprensa, no Brasil ela se autoimolou negando a sua história e, portanto, sua razão de ser.

A importância de 1808 na cronologia brasileira não advém da simples transferência da corte portuguesa para a Bahia e depois para o Rio de Janeiro; o fato produziu um extraordinário salto, materializado 14 anos depois graças justamente à existência de uma imprensa libertada das amarras da censura. Censura clerical, diga-se. Vencida por Hipólito da Costa, acrescente-se.

“Ao Correio é atribuída uma importante participação na queda do absolutismo e no advento das liberdades e instituições civis”, afirma Valor, citando o biógrafo de Hipólito, Carlos Rizzini.

“Hipólito José da Costa fez do seu Correio Braziliense uma voz vigorosa e influente a serviço de ideais éticos e do racionalismo político”, proclama o jornal no subtítulo da matéria.

Rasgada a mordaça que escondeu a evidência histórica e resgatada a verdade, indispensável complementá-la lembrando que não foi acidental o embargo às rememorações e comemorações relativas ao bicentenário da fundação da nossa imprensa. O embargo foi imposto pela Grande Irmã, a Associação Nacional de Jornais (ANJ), ou por alguma confraria que utilizou indevidamente os seus canais. Tudo indica que tenha sido o Opus Dei.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem