Terça-feira, 15 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1059
Menu

ENTRE ASPAS >

A volta da euforia

Por Luciano Martins Costa em 22/09/2009 na edição 556

Passado um ano de crise financeira internacional, os jornais brasileiros transitaram do mais tenebroso catastrofismo para uma insistente desconfiança e agora embarcam alegremente na celebrada volta da pujança total aos mercados. É manchete ou destaque na maioria dos diários, nas edições de terça-feira (22/9), a notícia de que o banco Santander prepara a emissão de ações na Bolsa de Valores de São Paulo, em volume bilionário, como nos recentes tempos da euforia total.


Os detalhes da operação disponíveis na imprensa informam que o banco de origem espanhola deve inaugurar a retomada com o lançamento de ações no total aproximado entre R$ 11 bilhões e R$ 13 bilhões, o que representaria a maior oferta pública de ações no mercado nacional em todos os tempos.


Os analistas estão de olho em detalhes como o volume da distribuição de lucros aos acionistas e as condições da oferta de crédito após essa operação, fatores que podem indicar o estado de confiança do mercado e confirmar a condição do Brasil como líder da retomada do crescimento econômico mundial após a crise.


No entanto, os jornais ainda se apresentam pouco críticos em relação às condições em que se processa a retomada da economia.


Retomada do crescimento 


A Folha de S.Paulo é o único dos grandes diários que chama a atenção dos leitores para o fato de que a crise econômica internacional reforçou a concentração do setor bancário no Brasil. Sabe-se, embora não seja tema frequente no noticiário, que a reforma iniciada em 1995 com o Proer – Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional – tornou mais sólido o sistema, porém não produziu melhores condições de concorrência entre os bancos. Com isso, nem sempre o sucesso de uma operação como a anunciada na terça-feira corresponde a benefícios para a sociedade como um todo.


Concentração significa menos alternativas e menos poder de barganha para os clientes, diante das taxas de juros e de serviços cobradas pelos bancos.


Quando celebra a retomada do crescimento econômico, a imprensa deveria perguntar, como a citação latina: ‘Cui bono?’ – quem ganha com isso?


***


Observatório na TV


O presidente Lula da Silva declarou em Nova York, onde foi receber um prêmio internacional, que pretende promover no Brasil um debate sobre políticas públicas para a democratização da internet.


Esse é o tema do Observatório da Imprensa na TV, nesta terça-feira (22/9).


Especialistas convidados, entre os quais o cientista político Marcus Figueiredo, o jornalista Caio Túlio Costa e o senador Eduardo Azeredo, irão debater o uso da internet durante o processo eleitoral, tanto em relação às campanhas quanto em relação ao noticiário sobre as eleições.


O senador, que relatou o projeto de reforma eleitoral, provocou polêmica ao propor a proibição aos portais de empresas de comunicação social de veicular na internet pesquisa que contenha manipulação de dados ou dar tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação sem motivo jornalístico que o justifique.


Depois, voltou atrás e encaminhou novo texto, propondo a liberdade na internet durante as eleições. O novo texto do relator retira as restrições à web impostas anteriormente e determina que ‘é livre a manifestação do pensamento, vedado o anonimato durante a campanha eleitoral’.


No entanto, há controvérsias sobre a eficácia e a conveniência da proposta. Uma das questões é como regular e assegurar o direito de resposta em condições compatíveis com o eventual dano causado por postagens maliciosas ou incorretas – fatos muito comuns durante as campanhas eleitorais.


O Observatório da Imprensa passará a ser exibido a partir desta terça-feira, às 23 horas. Ao vivo na TV Brasil, em rede nacional. Em São Paulo pelo canal 4 da Net e canal 181 da TVA.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem