Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

JORNAL DE DEBATES > MEDICINA & XENOFOBIA

A foto que virou radiografia

Por Alberto Dines em 31/08/2013 na edição 761

Publicado originalmente no Correio Popular (Campinas, SP) e Gazeta do Povo (Curitiba, PR), 31/8/2013; intertítulos do OI

O que assemelha dois episódios aparentemente tão diferentes como a manutenção do mandato do deputado-presidiário Natan Donadon e a vaia dos médicos cearenses aos colegas cubanos recém-chegados?

O salvo-conduto oferecido pelos deputados ao legislador-malfeitor situa-se na esfera criminal: espertos, pretendem gozar da mesma impunidade quando seus eventuais ilícitos e bandalheiras forem desvendados. Já a assuada e os apupos dos esculápios no aeroporto de Fortaleza são de ordem pragmática: não querem concorrentes, o imaculado avental branco não pode ser estendido a estranhos. Privilégio exclusivo, só deles.

Deputados-cúmplices e médicos ensandecidos são filhos da mesma aberração política: o corporativismo. A República Corporativa do Brasil avança. Quanto mais se desenvolve a percepção de isonomia e as exigências de igualdade, maior a resistência dos setores agarrados às regalias particulares.

Desvios do grupo

O corporativismo é uma forma de exclusão, fragmentação da sociedade em camadas seletivas, autêntico sectarismo, tribalismo modernizado. É uma incapacidade de enxergar o todo – o bem comum, a comunidade – em benefício dos grêmios privados (as guildas medievais).

Não foi por acaso que o fascismo de Benito Mussolini, um ex-socialista paranóico, edificou sua concepção de Estado sobre a enganosa e pseudodemocrática ideologia corporativista. Também não é coincidência que esta formatação política tenha germinado entre nós com tanto viço e vigor: o tenentismo dos anos 1920, a luta contra as oligarquias da Revolução de 1930, o arcabouço da Constituição de 1934 e a ditadura do Estado Novo imposta em 1937, cada um desses movimentos, à sua maneira e em doses diferenciadas, contribuiu para consolidar uma mentalidade e um arcabouço corporativista até hoje persistentes.

Quando esquecem sua função pública e a solidariedade, inchadas pelo jogo de poder, corporações são caricaturadas como máfias, sendo que a nossa “máfia de branco” tem no currículo desempenhos ostensivamente antissociais.

No entanto, médicos são os nossos melhores amigos, em cada história pessoal há um doutor que minorou a dor, salvou nossa vida ou a de nossos queridos. Não é a pessoa física, a profissão nem o seu benemérito exercício que estão em discussão. São os desvios do grupo, das entidades, a ambição e arrogância da pessoa jurídica convertidas em atividade-fim.

Antípodas e antagônicas

A vaia de Fortaleza foi ouvida no Brasil inteiro graças a uma foto silenciosa e dolorosamente reveladora de malefícios e maldições piores do que o corporativismo [de autoria de Jarbas Oliveira, da Folhapress, publicada na primeira página da Folha de S.Paulo na terça-feira (27/8)]. Doença da alma, a xenofobia é o rancor contra o outro, o diferente, o desigual. No caso, o médico cubano em primeiro plano era negro. Assim, casualmente, a foto converteu-se em radiografia e ofereceu um arrasador diagnóstico da nossa desumanização: a xenofobia é irmã do racismo e ambas, filhas do fascismo.

Medicina e xenofobia não combinam: antípodas e antagônicas. O programa “Mais Médicos” pode resultar numa catarse e vencer a maldição original – a histeria ideológica.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem