Domingo, 22 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

JORNAL DE DEBATES > ECOS DOS PROTESTOS

A metáfora da motocicleta

Por Alberto Dines em 24/08/2013 na edição 760

Sobre artigo publicado originalmente no Correio Popular (Campinas) e Gazeta do Povo (Curitiba), 24/8/2013

Afinal, a nossa presidente dirigiu a máquina ou estava na garupa? Cada país tem os debates e dilemas existenciais que merece (ver aqui e aqui). Nosso “ser ou não ser” neste aziago 24 de agosto – o 59º desde o suicídio de Getúlio Vargas – é surpreendente.

A primeira mandatária é uma motoqueira que não resiste à sensação de liberdade propiciada por uma poderosa Harley-Davidson deslizando no asfalto de Brasília, ou tudo não passa de armação dos marqueteiros e comunicadores para trocar a imagem da birrenta chefe de Estado que, aos quase 66 anos, cansou dos tailleurs formais e reuniões improdutivas para aproximar-se da juventude?

Se, porventura, pilotou a moto cometeu uma infração, já que não tem habilitação. Se, acaso, estava na garupa, como carona, é legítimo perguntar – quem é o privilegiado e estouvado condutor? Não haveria outra forma de distrair a primeira mandatária na folga dominical? Por que não deu uma passada numa das livrarias da capital para folhear as novidades ou chamou os amigos para assistir no cineminha do Alvorada ao fascinante Hannah Arendt?

Tudo bem: passear no Rolls Royce presidencial com a capota arriada, ao lado da filha e do neto, causaria revolta equivalente à dos brioches de Maria Antonieta (história, aliás, inverídica), mas sendo mineira e carente de mar por que não escolheu uma volta de lancha no lago Paranoá? Faria um bem enorme às vias respiratórias ressecadas pelos ares da capital no inverno.

Mudanças concretas

Leitoras devem estar indagando se usou um blusão de couro ou como ajeitou o topete laqueado no capacete obrigatório. Analistas e politólogos debruçam-se sobre o significado dessa rebeldia contra as formalidades e a solidão palaciana, psicólogos certamente acham que uma Dilma humanizada fica mais próxima dos manifestantes do que da zangada base aliada.

Fato ou factoide, impulso espontâneo ou armação, a verdade é que o episódio motociclista só reforça a impressão de que estamos vivendo um dos mais graves momentos desde a redemocratização. O gigante acordou, afirmam os especialistas de olho nas Jornadas de Junho, mas o despertador foi uma frustração montante, revolta surda contra o triunfalismo enganoso, contra os scripts antecipados, contra o jogo feito, sem opções, irrecorrível.

Quase três meses depois das primeiras manifestações, as lideranças continuam perplexas, atônitas e catatônicas, fixadas em outubro de 2014 e absolutamente desatentas ao que pode acontecer em outubro, ou novembro, ou dezembro de 2013.

Solto o pino que segurava a máquina de protestar, sumiu a passividade, a capacidade de engolir sapos e resignar-se ao circo de horrores da nossa política. Cada segmento da sociedade quer uma vitória equivalente aos 20 centavos que não foram aumentados nas tarifas de transporte público de São Paulo.

O conjunto desses simbólicos 20 centavos economizados representa uma formidável coleção de mudanças em todos os campos, esferas e latitudes. Inclusive na imprensa e no jornalismo. O país que foi para as ruas não estava sendo percebido por aqueles que pelo contrato social não podem perder de vista os interlocutores. Em meio a tantos mea-culpa ainda não se ouviu algo parecido com um pedido de desculpas dos veículos de comunicação pela desatenção e descaso ao seu público. Algo precisará mudar e não apenas em matéria de atitudes.

O país que foi para as ruas quer mudanças concretas, visíveis, palpáveis, imediatas. Quer uma mexida geral, movimento. Em matéria de urgência, a metáfora da motocicleta é perfeita.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem