Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

JORNAL DE DEBATES > ELEIÇÕES 2010

Apanhados em flagrante delito

Por Luciano Martins Costa em 18/10/2010 na edição 611

Os jornais noticiam, na segunda-feira (18/10), que a Polícia Federal, a mando da Justiça Eleitoral, apreendeu cerca de 1 milhão de panfletos contra a candidata governista, Dilma Rousseff, numa gráfica que pertence à irmã do coordenador de infraestrutura da campanha de José Serra, Sérgio Kobayashi.


Os panfletos, de responsabilidade da Regional Sul da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, vinham sendo distribuídos por militantes do PSDB.


No domingo (17), dois ativistas da campanha de José Serra coordenavam a entrega do panfleto diante da capela da Pontifícia Universidade Católica, no bairro de Perdizes, em São Paulo, abordando os fiéis à saída da missa. Diziam que, se eleita, Dilma Rousseff vai estimular o aborto nas famílias de classe média para assegurar a maioria de pobres que, segundo afirmavam, são manipulados por políticas sociais. Citavam o caso do apartheid na África do Sul, enquanto uma militante reforçava o discurso dizendo em voz alta que Dilma Rousseff quer esterilizar as mulheres de classe média.


Fato real


A Polícia Federal revelou a conexão direta entre o núcleo da candidatura oposicionista e a campanha obscurantista patrocinada pelos bispos que sonham controlar a CNBB. Trata-se de ato de delinquência, tipificado como crime eleitoral.


Diante do flagrante delito, escorrem desmentidos de todos os tipos, e cabe à imprensa manter o assunto em evidência e investigar o caso.


A dona da gráfica, segundo a Folha de S.Paulo, é filiada ao PSDB desde 1991. Resta apurar quem pagava a impressão, se os bispos empenhados em cobrir a campanha eleitoral com seu discurso medieval ou se o dinheiro vinha do caixa da campanha de José Serra.


Mesmo que lhe interesse visceralmente virar a tendência do eleitorado e que tenha demonstrado, até aqui, uma bizarra flexibilidade quanto às boas práticas jornalísticas, é de se esperar que a imprensa tradicional ainda conheça alguns limites de decência.


O flagrante na gráfica que pertence a destacados militantes do PSDB é um fato real, não uma denúncia a ser investigada. Trata-se do evento mais escandaloso da atual campanha. Vamos ver quanto tempo permanece no noticiário.


Guerra de panfletos


Os leitores atentos devem ter observado que a capa da revista IstoÉ desta semana é uma referência à capa da revista Veja da semana anterior.


Na semana passada, Veja retratou a ex-ministra Dilma Rousseff em duas posições opostas, tentando representar uma suposta contradição da candidata diante da questão do aborto. Nesta semana, IstoÉ faz o mesmo com José Serra, mostrando-o também em duas imagens invertidas. Numa delas, com a frase segundo a qual o ex-governador nega conhecer o engenheiro Paulo Vieira de Souza, apelidado de Paulo Preto. Na outra, Serra reconhece o personagem e o elogia.


Paulo Vieira de Souza, obscuro avatar de obras públicas e campanhas eleitorais retirado das sombras pela IstoÉ, tornou-se desde a semana passada um dos eixos em torno dos quais a campanha eleitoral patina sem chegar aos temas que realmente importam para a escolha de um candidato à Presidência da República.


O outro tema, que envolve a intervenção do Estado em relação ao livre arbítrio das mulheres diante da questão do aborto, segue sendo alimentado por iniciativa do bispo de Guarulhos, com apoio oficial da coordenação de infraestrutura da campanha do PSDB, segundo apurou a Polícia Federal.


No que se refere à imprensa, convém esclarecer em que ponto da campanha os editores perderam as referências do bom jornalismo e aceitaram se transformar em meros coadjuvantes dos marqueteiros de candidatos.


Que os jornais chamados de circulação nacional estão há meses empenhados em fornecer munição para uma das candidaturas, não pode restar dúvida. O que está ainda por ser provado é até que ponto irão arriscar suas reputações para fazer valer suas preferências políticas.


O empenho da chamada grande imprensa em tentar impor um candidato à opinião pública ainda está por receber uma análise apropriada dos pesquisadores em comunicação, em torno de uma questão central: o que tanto temem os donos das empresas de mídia dominantes, em caso de vitória da ex-ministra Dilma Rousseff?


Os estudiosos estão dispensados de perscrutar as razões da revista Veja, que há muito deixou de produzir jornalismo para se transformar em panfleto.

Todos os comentários

  1. Comentou em 19/10/2010 Max Suel

    É muito engraçado, querem se imiscuir até na ortodoxia da Igreja Católica. Ao contrário de tantos aqui que não leram o chamado panfleto do Bispo Católico, eu li o comunicado do Bispo e não vi ali nada que não fizesse parte da dogmática Católica. Qual o problema ? A Igreja, na figura de seu representante, apenas coloca as coisas em seus lugares e chama as coisas pelos seus nomes. Nas palavras do Bispo não encontramos mentiras. Tudo ali é verdadeiro: o PT , partido da Dilma, defende sim a Legalização do Aborto (sua descriminação ou descriminalização; o que é a mesma coisa). A Igreja Católica entende que o Aborto é Crime. Fazendo uma analogia: O Roubo é Crime; se defendemos a descriminação do Roubo o mesmo torna-se Legal. Qualquer um poderia roubar sem que cometesse crime. Este é o ponto central do arrazoado do Bispo. A Igreja tenta se defender desta política adotada pelo partido PT, que sempre procurará implantar suas teses, se não agora, mais à frente. A atitude da Igreja é defensiva. Pede que não se vote em candidatos que defendam esta tese petista, que é o caso da Dilma, que é a favor da descriminalização do Aborto.

  2. Comentou em 19/10/2010 Thiago de Mello

    A pergunta está errada: não é ‘o que tanto temem os donos das empresas de mídia dominantes, em caso de vitória da ex-ministra Dilma Rousseff?’. Mas sim o que tem a ganhar com a vitória de José Serra? A editora Abril, por exemplo, ganha muito dinheiro com vendas de livros para a rede pública em São Paulo. Para quem não sabe o Grupo Abril é dona das empresas: Editora Ática; Editora Scipione; Sistema Anglo de Ensino; Abril Educação. Notem que, por exemplo, o sistema de ‘cotas’ (bandeira do PT) em universidades contrariam interesses dos cursinhos pré-vestibulares que tem um dos maiores lobbies no congresso nacional e assembléias legislativas. É à-toa que a USP, UNICAMP e UNESP nem cogitam sistemas de cotas enquanto as federais já as possuem (SP é dominada há 16 anos pelo PSDB)? A questão é dinheiro. Quem vai render mais para as grandes empresas de comunicação?

  3. Comentou em 18/10/2010 Arnaldo Costa

    Essa é a campanha mais suja e rasteira que tive o desprazer de presenciar. O que o Zé vem fazendo é no mínimo imoral. Era de se esperar pelo “estilo” da direita demotucana (ex-PFL, ex-PDS) que as eleições chegariam a um baixo nível, ainda mais por estarem em situação desfavorável. Agora, não faz parte das regras do jogo: mentir, atentar contra a honra, distribuir panfletos difamatórios, enganar a sociedade. Agem também com truculência, autoritarismo, intolerância e censuram os que se opõem a eles. E o pior, com a complacência de empresas de comunicação e alguns setores da justiça. É no mínimo vergonhoso o que essa turma vem fazendo. Mesmo porque, todos saem perdendo com o rumo que essa campanha tomou. Temas religiosos e outros nem são de responsabilidade do executivo e devem ser tratados no momento oportuno pela sociedade e os que regulamentam estas e outras questões. É interessante observar também que o discurso de alguns hipócritas muda conforme a conveniência. Pregavam inicialmente uma campanha que discutisse propostas e programas. De uma hora para outra, por estarem perdendo, sumiram com o discurso e o pior, fomentam a baixaria. Uma vergonha.

  4. Comentou em 18/10/2010 Iva Santiago

    O que todos os ricos temem: o fim ou enfraquecimento da plutocracia. Ou apenas o que ela quer: se apenas o estado de São Paulo já pagou 250 milhões, o que não poderia pagar a União com o Serra como presidente?

  5. Comentou em 18/10/2010 Luciano Prado

    A igreja católica, ou pior, seus membros mais delinqüentes andam empregando a grana que arrecadam dos fiéis em pedofilia. Obviamente que não sobraria grana para pagar por esses panfletos. Fica evidente a autoria e mando desse crime eleitoral. Nessa exploração da fé o vale-tudo demonstra o desespero e o “modus operandi” adotado pela neo-UDN, representada pela candidatura da jurássica oposição brasileira.

  6. Comentou em 18/10/2010 Hermínio Sérgio Naddeo

    Nas maiores democracias do mundo é absolutamente normal e lícito que a imprensa tenha uma posição partidária. Não vejo o porque não ter, afinal, empresas são feitas de pessoas.
    O que causa espanto nessa matéria é tratar dessa questão como se ela fosse mais importante e mais ilícita do que mensalões, caixas 2, erenices e outras sandices comuns ao PT.
    O PT pode ganhar do PSDB em realizações, mas sem negar que elas foram possíveis graças ao que encontraram como estabilização da moeda, lei de responsabilidade fiscal e tudo o mais que o mesmo PT votou contra quando era oposição. Mas tentar comparar o nível de corrupção, por mais que tenha tido também corrupção pelo PSDB, é absolutamente incomparável.
    Quem é que vai falar da fazenda de 100 milhões do filho de Lula???

  7. Comentou em 18/10/2010 Fábio Gomieiro

    Alguma dúvida sobre quem pagou a fatura?
    Na Internet, ontem, apareceram boletos bancários e correspondência assinada pelo Bispo de Guarulhos, mostrando quem encomendou e quem pagou.
    A pessoa que se disse ‘contador’ da gráfica apareceu em vídeo confirmando o fato.
    Há algum tempo o bispo de Guarulhos vem fazendo essa campanha.

  8. Comentou em 11/01/2008 Marco Antônio Leite

    A URNA OI induz o usuário a votar o que o OI deseja. Sugiro providênciar mais opções para que a pessoa vote com a sua consciência, e não com o que OI pretende.

  9. Comentou em 20/07/2007 LUIZ TADEU Constantino

    >>>Dia 18/07/07,por volta das 9:15, estava assistindo o programa Hoje em Dia, da Rede Record, com Brito jr, onde estavam abordando o trágico acidente a áereo, quando para a programação para mostrar os voluntários da Igreja Universal do Reino de Deus, dando suporte aos Bombeiros com suprimentos, água e alimentos. Eu achei mais uma auto-promoção, e o pior, em cima de 200 mortes, e todos os voluntários com a camisa com o logo da Universal, que era pra mostrar, olha estamos aqui, eu fiquei estarrecido, acho que a verdadeira caridade não tem nome, é anonima. que pouca vergonha, estou indignado com estes oportunistas de plantão.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem