Após 19 horas no mar, é hora do lucro | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

JORNAL DE DEBATES > AUSTRÁLIA

Após 19 horas no mar, é hora do lucro

28/05/2008 na edição 487

O mergulhador britânico Richard Neely e sua namorada, a americana Allyson Dalton, faziam um passeio de barco na Austrália quando se perderam do resto do grupo. Flutuando, à noite, no oceano da Grande Barreira de Corais, o casal tentou manter o ânimo imaginando que o resgate chegaria em breve – o que ocorreu após 19 horas de espera. Momentos antes de serem salvos do perigo de tubarões, os dois tiveram a grande idéia: o episódio poderia render um acordo com tablóides, entrevistas exclusivas em TVs britânicas e americanas e até mesmo filme e livro.


Já em terra firme, Neely e Allyson procuraram um agente de celebridades para tentar vender sua história – não para a mídia australiana que acompanhou de perto o resgate, mas para o tablóide britânico Sunday Mirror. A notícia de que o casal pretendia lucrar com o incidente não foi bem recebida na Austrália, onde os gastos para se resgatar aventureiros em alto mar são enormes.


A premiê do estado australiano de Queensland, Anna Bligh, disse que a operação de resgate foi  custosa – uma das maiores da história do país, embora o valor não tenha sido revelado. ‘Houve um esforço extraordinário para resgatá-los de maneira segura. Se eles vão lucrar com a história, acho que uma contribuição seria bem-vinda’, afirmou. Participaram do resgate não apenas a polícia, mas também organizações como a Autoridade de Segurança Marítima da Austrália, o Serviço de Emergência e o de resgate de helicópteros de Queensland – este último financiado por doações da comunidade. Foram usados sete helicópteros, três aviões e seis barcos.


Ética em questão


Especula-se que o Sunday Mirror tenha feito um acordo de US$ 65 mil com o casal, mas o agente Max Markson diz que este valor é exagerado. Ele não revelou a quantia exata, mas informou que estava negociando entrevistas com TVs australianas, britânicas e americanas. Em resposta à premiê, Markson alegou que Neely e Allyson tinham seguro e que a empresa que organizou o passeio de mergulho também. ‘Se há algum custo de resgate a ser pago, cabe às seguradoras fazê-lo’, afirmou.


Há dúvidas em relação às circunstâncias do desaparecimento do casal. Ambos dizem que se afastaram do barco e, quando perceberam que estavam longe demais, tentaram acenar para o resto do grupo, sem sucesso. Os dois são mergulhadores experientes e esperaram o resgate juntos, amarrados com um cinto de lastro, para conservar a temperatura.


Matt Cawkwell, passageiro britânico que estava no mesmo passeio, relatou que o comportamento do casal contribuiu para a situação. Ele teria dito que Neely gabava-se o tempo todo de suas habilidades e insistiu para mergulhar sozinho com sua namorada. Além disso, ignorou todas as instruções dos organizadores. ‘Eles se afastaram e acabaram pegando uma corrente, por isso se perderam. Todos voltaram, mas eles não’, contou o turista. Informações de Barbara McMahon [The Guardian, 26/5/08].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem