Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

ENTRE ASPAS > JORNALISMO DESCUIDADO

As casas do silêncio

Por Janio de Freitas em 27/03/2010 na edição 582

Ainda que Lula diga de sua acusação à ‘má-fé da imprensa’ que apenas ‘mostra o que [nela] está errado’, como ‘um alertador’ –contra algo que não quis ou não pode dizer–, o fato é que faz do seu direito de crítica uma evidência do erro de sua autoavaliação.


Disso é exemplo perfeito a frase que lhe pareceu retratar a ‘má-fé’: ‘Acabei de inaugurar 2.000 casas, não sai uma nota. Caiu um barraco, tem manchete. É uma predileção pela desgraça.’ Deveria, ao menos poderia, sentir-se envergonhado com a constatação de que suas 2.000 casas não valem, no jornalismo, um barraco soterrado.


O que são 2.000 casas? Os números oficiais do governo Lula reconhecem o deficit habitacional de 6 milhões de casas. Seriam 6 milhões de famílias –crianças, mães e pais, talvez avós– desprovidos do que possa ser chamado de casa, com exagero embora. O que são, diante desses milhões, 2.000 casinhas? Ainda mais para ‘ter manchete’.


Mas o deficit habitacional no governo Lula não é de 6 milhões de casas. É maior, não se sabe quanto maior, não se sabe qual é. Desde que os núcleos de pobreza multiplicaram ao incontável as suas células, umas apoiadas nas outras, sobre as outras, debaixo das outras, e em cada um desses núcleos se instalaram núcleos de criminalidade armada, desde então a liberdade ou mesmo a possibilidade física de qualquer contagem se tornou inviável. E assim é pelo país todo.


Encher espaços


O que são, diante disso, 2.000 casas? Ainda mais para merecer manchete. São um fato humilhante. Para honrar um governo e mostrar um presidente estadista, deveriam ser 2.000 por dia. Indústrias trabalhando para isso, milhões de empregos, crianças, mães, pais e talvez avós ganhando o chão sólido e o teto firme, o saneamento e a água corrente que até hoje não sabem se um dia alcançarão.


O olhar do jornalismo para um barraco arruinado não é predileção, não é atração. É repulsa, é pasmo, é emoção. Não do jornalismo: dos seres humanos. Dos que são leitores, espectadores, ouvintes –e, valei-os Senhor, jornalistas. É o valor da vida, não é o barraco. É o peso da tragédia, da avalanche e da enchente fatais, do desastre aéreo, do assassinato horrorizante.


A parte negativa que cabe ao jornalismo, neste capítulo, pode ser a da má medida, alguns vícios da facilidade e, até como especialidade de conhecido ramo, a exploração do sensacionalismo. Bom ou mau, o jornalismo supõe oferecer o que o público deseja ou, no mínimo, aceita. Nada de inocentar a imprensa.


Estamos fazendo no Brasil um jornalismo descuidado, cheio de fantasias ilusionistas, de enchimento de espaço a granel. Um jornalismo que precisa de muitas críticas. Inclusive das de Lula, mas que sejam críticas de fato, e não cobranças de louvação quando o mais generoso é o silêncio, porque o devido é a crítica.

******

Colunista da >I>Folha de S.Paulo

Todos os comentários

  1. Comentou em 27/03/2010 Dante Caleffi

    Janio de Freitas, terá orgulho profissional de da organização em que trabalha? Produtora de fraudes informativas,falsos dossiês,artigos infamantes e manipuladora contumaz. O deficit apregoado não são apenas os seis milhões de a habitações.São deficit de cidadania,ao longo do século passado produzidos e mantidos pelos antecessores e ancestrais dos que se julgam legítimos gestores e herdeiros dos destinos e riquezas da nação,postados nos variados estamentos da sociedade.Principalmente a mídia ,pilar em que se apoiam e contam como aliados estratégicos.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem