Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

JORNAL DE DEBATES > A PERGUNTA QUE PEDRO BIAL NÃO FEZ

Até quando Lula vai continuar massacrando a imprensa?

Por Alberto Dines em 02/01/2006 na edição 361

Incisivo, soube perguntar e soube replicar. Preparou-se, mostrou que está por dentro da cena política. Repórter famoso, mas repórter: não é um destes parajornalistas pára-quedistas que nos últimos seis meses desqualificam a mídia brasileira.


Pedro Bial, no entanto, não fez a pergunta que angustia aqueles que se preocupam com o futuro da nossa imprensa e da nossa democracia:




– Presidente Lula, o senhor é um autêntico fenômeno midiático, ganhou as eleições porque conquistou a imprensa. Mas por que razão vem massacrando a imprensa desta forma? Durante nossos intervalos democráticos, nunca houve um presidente tão rancoroso com a imprensa.


A pergunta não foi feita nesta e nas anteriores entrevistas porque é explosiva, mexe com a vaidade do presidente da República. Pode abrir um fosso ainda maior entre o presidente, seus assessores e os meios de comunicação. Como todas as crianças mimadas, Luiz Inácio Lula da Silva quer mais, não se contenta com o que lhe oferecem.


Resultados medíocres


O problema de Lula com a imprensa e com os jornalistas não começou em maio de 2005, quando aquele vídeo produzido na periferia da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) escancarou as entranhas da ‘base de apoio’ do governo. A crise política, o mensalão e o valerioduto apenas agravaram uma disposição de exigir mais, se possível tudo, de uma instituição que precisa ao menos aparentar um mínimo de isenção.


No final de dezembro de 2003, ainda em plena lua-de-mel com a imprensa, o presidente já tentava ensinar o padre-nosso ao vigário com aquela sua cartilha sobre o que é jornalismo e o que é propaganda. Embutia-se ali um qüiproquó que acabou ganhando proporções inéditas num país que se supõe comprometido com o Estado de Direito.




[No pé deste texto, veja um levantamento das críticas do presidente da República à imprensa, desde a campanha eleitoral e depois de sua posse, que constituem um dos mais importantes capítulos da moderna história da imprensa brasileira.]


No Fantástico do último domingo (1/1), dois anos depois, Lula retomou o tema ao reclamar da imprensa maior cobertura dos seus magníficos feitos e da sua inigualável ‘agenda positiva’.


Ora, presidente, seu antecessor e ídolo, Juscelino Kubitschek, jamais cobrou da imprensa uma cobertura do binômio ‘energia & transportes’, nem reclamou mais destaque para o funcionamento do GEIA (Grupo Executivo da Indústria Automobilística) do antigo BNDE, que mudou a fisionomia industrial do país.


A imprensa, como instituição, é por natureza safa: só pega carona em iniciativas que resultam em ganhos para os seus leitores. E, em seguida, para ela própria. Os medíocres resultados das vendas do último Natal mostram que os apregoados ganhos sociais ainda não conseguiram ultrapassar o misterioso mundo das macro-estatísticas.


Não interessa reclamar


Em troca de duas pequenas confissões de teor nitidamente policialesco (‘fui esfaqueado’ e ‘o PT ainda vai sangrar muito’), o presidente Lula ganhou o direito de saudar o povo brasileiro no primeiro dia depois de encerrado o teneboroso ano de 2005 e aproveitou o resto do tempo para exercitar a sua especialidade – o meeting político.


E aqui entra(m) a(s) pergunta(s) que Pedro Bial não fez:


** Se a imprensa brasileira é efetivamente denuncista, leviana, golpista, a serviço das elites, etc. etc. como o presidente e seus companheiros têm dito há seis meses, por que só agora Sua Majestade, o Presidente da República Federativa do Brasil, admite que foi esfaqueado?


** Por que não gemeu antes, santo Deus? Por que não gritou ‘Acudam!’ e pediu socorro? Por que tenta avacalhar aqueles que há mais de seis meses exibem a ferida, tentam curá-la, mostram os rastros de sangue, as impressões digitais na faca, indicam executantes e mandantes do esfaqueamento?


Está evidente que mudou a estratégia comunicativa da Presidência da República. À entrevista a Paulo Markun e à antiga equipe do Roda Viva da TV Cultura (7/11/2005) soma-se esta, num dos programas de maior audiência do país. Virão outras, isso é certo: a Folha de S.Paulo está irrequieta, cansada de atender a pequenos pedidos da Secretaria da Imprensa, mas sempre protelada em demonstrações de apreço – como esta à Rede Globo.


Em troca de mais algumas gotículas confessionais a respeito de esfaqueamentos insignificantes e já conhecidos, o presidente está montando o comício virtual que usará de graça, quantas vezes quiser, antes mesmo de anunciar a sua candidatura à reeleição.


É por isso que não interessa a ninguém reclamar contra o sistemático esfaqueamento da imprensa nos pronunciamentos presidenciais. Vão cessar: desde que a imprensa aceite converter-se em seu palanque eleitoral.

Todos os comentários

  1. Comentou em 15/01/2006 Cláudia Almeida Perozim

    olha Alberto Dines, acho q vc está sendo manipulado,tem q parar de ler Veja. É simples o motivo pelo qual Pedro Bial, um detestável e bem pago repórtwer por sinal, não fez a pergunta. Por medo da resposta. Porque Pedro Bial bem sabe que a verdade é q a imprensa no país é ,manipuladora e elitista, ele ficou com medo q o presidente dissesse com todas as letras o q acha da imprensa, deixando-o assim numa situação complicada com os telespectadores.Não ía pegar bem pra Rede Globo, vc não acha???

  2. Comentou em 11/01/2006 Leandro Olimpio da Rocha

    ´´´muitos sites de esquerda questionaram a integridade, e a experiência jornalistica de Alberto Dines após este artigo.
    Afirmam que Lula está sendo massacrado pelos meios de comunicação injustamente.
    No entanto esquecem que a mídia não está distorcendo, manipulando, ou até mesmo criando fatos que comprometam Lula, pelo contrário, estão apenas transmitindo a indignação da sociedade, de forma democrática.

  3. Comentou em 08/01/2006 Carlos Cassaro

    E então,jornalista,o quê você achou dos comentários sobre esta matéria?Dá pra perceber que 95% está a favor do Presidente,ou precisa desenhar pra facilitar a compreensão?
    Essa campanha midiática patrocinada pelos seus patrões vai sair pela culatra,com certeza.
    Lula,se Deus quiser,vai ser reeleito para continuar sua obra.Não esqueçam que a voz do povo é a voz de Deus!!!Amém.

  4. Comentou em 06/01/2006 Cleo Brown

    Enquanto a imprensa permitir, o Lula continuará insultando-a.
    NA verdade ele sonhava em fazer um governo autoritário. Não deu né!!!
    Quando a imprensa não aceitar mais favores do governo, nem dos bancos estatais, não trocar propaganda dos órgãos do governo, bancos e empresas estatais por matérias que atendam às vaidades governamentais e não ficar impingindo aos seus leitores esta figura grotesca, aí SIM o Lula e os futuros presidentes terão a certeza de que a impresa é realmente LIVRE!!!
    Claro que isto é uma UTOPIA.

  5. Comentou em 05/01/2006 Fábio Carvalho

    O artigo publicado pela FSP de hoje, dia 5, faz diagnóstico oposto de Dines. Isto é, a autora do massacre seria a imprensa; a vítima, Lula. Os autores são Antonio Negri e Giuseppe Cocco. Recortei e colei o primeiro parágrafo (abaixo) como sugestão de contraponto…

    ‘Há vários meses, com doses a cada vez renovadas de hipocrisia e cinismo, o governo Lula está sendo literalmente linchado por praticamente toda a grande imprensa nacional. Em um país como o Brasil, a ‘criminalização’ de apenas ‘dois anos’ do único governo não oriundo da atávica reprodução das elites tecnocrático-corporativas e oligárquico-escravagistas seria hilária se não fosse trágica. Apenas o preconceito de classe e até racial pode explicar a tão leviana adesão a uma ‘verdade do poder’ que -no Brasil- tem a mesma cara e a mesma violência da desigualdade social e racial da qual ela é uma triste representação.

  6. Comentou em 05/01/2006 Paulo Afonso Graner Fessel

    Em tempo: que ‘massacre’ é esse em que semanalmente um parajornalista defende a derrubada do presidente? Que ‘massacre’ é esse em que os jornais publicam o que quiserem, independentemente da existência de provas? Que ‘massacre’ é esse em que a imprensa faz o contrário do vaticinado pelo PSDBista Ricupero, ou seja: ‘o que é ruim a gente mostra, o que é bom a gente esconde’? Que ‘massacre’ é esse em que as reportagens só ouvem um lado da notícia?

  7. Comentou em 03/01/2006 Marnei Feranado

    Acho que essa pergunta devia realmente ser feita de com uma outra redação:
    – Presidente Lula, o senhor é um autêntico fenômeno midiático, ganhou as eleições porque conquistou NÃO A imprensa, MAS A GRANDE MIORIA DA POPULAÇÃO APESAR DA IMPRENSA. POR QUE O SENHOR ACHA QUE ESTÁ SENDO massacrando PELA imprensa desta forma? POIS Durante nossos intervalos democráticos, nunca houve um presidente tão rancoroso com a imprensa.
    Eu concordo plena mente com o nosso Presidente. a imprensa quer ser um quarto poder no país… ou melhor, p PRIMEIRO poder… Voces da imprensa devem descer dos altares de TIPOS, e se colocarem na posição a que realmente pertencem… A postura que se espera da imprensa, é levar as notícias ao povo, BOAS ou RUINS, acontece que nocícia ruim vende mais… e tem gente que vende a alma pro diabo por causa da tal audiência… Reflitam

  8. Comentou em 03/01/2006 Ruy Staub

    Alberto Dines inverteu o massacre que o governo e o PT vêm sofrendo de alguns órgãos da imprensa, principalmente Veja, ESP e FSP, dizendo que Lula é quem massacra a imprensa. Jornalista que é, sabe Dines que alguns órgãos editorializaram o noticiário. Das entrevistas e depoimentos publicam os piores momentos. Não dão o destaque justo às coisas boas que o governo faz e superestimam os erros. Etc. No que Lula erra é em não dar os nomes aos bois, e pode parecer que a crítica é a toda a imprensa. Não responde pontualmente às críticas desonestas. Creio que é uma estratégia para não se incompatibilizar ainda mais com os setores ‘conservadores’, e, creio, que Lula deve acreditar que agora que conseguiram a cabeça de José Dirceu o massacre cesse. Doce ilusão.

  9. Comentou em 03/01/2006 Ruy Staub

    Alberto Dines inverteu o massacre que o governo e o PT vêm sofrendo de alguns órgãos da imprensa, principalmente Veja, ESP e FSP, dizendo que Lula é quem massacra a imprensa. Jornalista que é, sabe Dines que alguns órgãos editorializaram o noticiário. Das entrevistas e depoimentos publicam os piores momentos. Não dão o destaque justo às coisas boas que o governo faz e superestimam os erros. Etc. No que Lula erra é em não dar os nomes aos bois, e pode parecer que a crítica é a toda a imprensa. Não responde pontualmente às críticas desonestas. Creio que é uma estratégia para não se incompatibilizar ainda mais com os setores ‘conservadores’, e, creio, que Lula deve acreditar que agora que conseguiram a cabeça de José Dirceu o massacre cesse. Doce ilusão.

  10. Comentou em 02/01/2006 José Bento da Crruz

    Caro Alberto Dines,

    Com todo respeito que tenho à nossa imprensa e a você, tenho que admitir que determinados setores da imprensa (Veja, Folha, Estadão e mais alguns orgãos de imprensa de menor repercursão), usam 2 pesos e 2 medidas para com o governo do PT, exemplo: quando existe algum boato (boato mesmo) contra setores do governo, esses veículos dão grande repercursão, depois não comprova nada e fica o dito pelo não dito. É estranho porque no governo passado (FHC) existiu coisas absurdas como Privatizações suspeitas, PROER (inclui-se o Banco Nacional) e outras muitas coisas cabeludas, e, essa mesma imprensa ficou calada, você não acha isso estranho?

  11. Comentou em 02/01/2006 Edson Silva

    O que me surpreende na imprensa é a sua hipocrisia. O que mais a imprensa brasileira faz através de seus meios de comunicação é tentar ignorar a sapiência de seus leitores, dando informações incompletas e muitas das vezes tendênciosas. Sem um rigor veridico dos fatos e acontecimentos. Por traz dos direitos da imprensa, se julga, condena, calunia e muitas das vezes subverte a verdade e os fatos. Tudo isso é lamentável. Muitas das vezes os fatos são verídicos, mas verficamos que não existe isenção de interesses e de valores. Informações desencontradas, pela metade, sem uma critica e auto-critica embasada por aqueles que entendem do assunto. Escreve-se coisas que Deus nos livre. Quando me deparo com essa indagação feita por essa pergunta eu me pergunto e pergunto a vcs. O que vocês estão fazendo pelo Brasil, não é somente com denuncismos e juízos de valores que transformamos um país. É preciso mais que isso. Isso se chama informação de qualidade. Contextualizada e desprovida de interesses, submersos. Talvez um dia eu compactue com essa pergunta mas, hoje não. Hoje lamento, só isso. E sofro por ainda não acreditar na imprensa livre.

  12. Comentou em 02/01/2006 milva saraiva

    Fica claro no artigo que o redator se considera MAGNANIMO, ou seja, Lula so e Presidente porque a Imprensa (e ele, o redator) assim quis ou permitiu. E evidente que o PT, talvez com aval do Lula, cometeu graves erros eticos ao utilizar procedimentos utilizados pelos outros partidos (e nunca investigados de forma tao incisiva quanto agora) Talvez cometeram erros em escala MAIOR para tentar se precaver da IMPRENSA atraves de um maior poder economico. Preferia que fossem massacrados pela Imprensa como sempre foram e talvez ter mais uma vitoria ou pelo menos outra derrota mas honrosa. No entanto, quanto a IMPRENSA va contar para outro que e isenta, pois o que a move sao interesses economicos ( simples tatica de ATACAR/ACUSAR para vender mais , Linha Editorial dos Proprietarios , muitas vezes politicos, Jornalistas que perderam acesso ao poder/fontes e so lhes resta atacar, jornalista que tem medo de divulgar meritos pois ha um patrulhamento ideologico muito forte, o que noto inclusive onde trabalho na figura dos proprietarios = que se consideram elite intelectual do pais = )
    bom ano ano e boas vendas

  13. Comentou em 02/01/2006 Reni Francisco Martins

    Boa Tarde!
    A grande mídia é parcial, golpista, defensora das elites, (etc), há muitos anos… E está sendo denunciada há muito mais tempo que os seis meses a que se referem. A novidade é o grande cinismo com que tem rejeitado estas denúncias, a exemplo desta reportagem.
    Continuo sonhando com uma imprensa justa e imparcial…

  14. Comentou em 02/01/2006 Mario Celso Alves Correa

    A imprensa é leviana como o presidente lulla disse, porque exalta um governo como do PSDB Paulista, que construiu 82 penitenciarias e apenas 06 faculdades publicas, deixando claro que reserva para nossos filhos, mais vagas nas cadeias do que nas escolas, e critica a atuação de um governo que já colocou mais de 200 mil alunos de escolas publicas dentro das universidades, com bolsas integrais.
    Não sou eu que acho que a imprensa é irresponsavel e leviana, mas é a imprensa que age como tal.

  15. Comentou em 02/01/2006 Mario Celso Alves Correa

    A imprensa é leviana como o presidente lulla disse, porque exalta um governo como do PSDB Paulista, que construiu 82 penitenciarias e apenas 06 faculdades publicas, deixando claro que reserva para nossos filhos, mais vagas nas cadeias do que nas escolas, e critica a atuação de um governo que já colocou mais de 200 mil alunos de escolas publicas dentro das universidades, com bolsas integrais.
    Não sou eu que acho que a imprensa é irresponsavel e leviana, mas é a imprensa que age como tal.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem